Domingo, 27 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES > ***

Bernardo Ajzenberg

Por lgarcia em 16/10/2002 na edição 194

FOLHA DE S.PAULO

"Rearranjos" copyright Folha de S.Paulo, 13/10/02

"Definida a passagem de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de José Serra (PSDB) para o segundo turno, um dos principais desafios lançados à mídia, semana passada, era tão óbvio quanto trabalhoso: mostrar como será ?o país indicado pelas urnas?.

Os jornais priorizaram em suas manchetes o rearranjo de apoios e alianças locais, regionais e nacionais, com preocupação dirigida principalmente para o próximo dia 27.
A Folha também noticiou essa movimentação, mas adotou um comportamento diferenciado. Sua manchete na terça-feira foi ?Oposição sai fortalecida das urnas?. No dia seguinte, ?Eleitor troca 47% dos deputados?.

Claramente, o enfoque escolhido pelo jornal foi o de privilegiar o registro dos resultados eleitorais (com a publicação de listas de eleitos, tabelas e estatísticas) e interpretá-los, procurando exibir a nova ?radiografia? política do país, em especial no Legislativo (Assembléias estaduais, Câmara dos Deputados e Senado).

Não foi o único veículo a fazê-lo, mas, corretamente, foi o que mais chamou a atenção para o tema nos primeiros dias da semana.

Constatação inicial: mudanças significativas e surpreendentes aconteceram, com destaque para o crescimento extraordinário da bancada do PT na Câmara, mas também dos evangélicos e da oposição em geral; a redução dos ruralistas; o avanço da presença feminina no Parlamento; a derrocada de velhos caciques regionais, entre outras.

Ainda mais relevante: nem Lula nem Serra, na nova formatação, terão, em tese, maioria garantida no Congresso -e, como se sabe, são enormes as consequências disso para aquilo que os analistas chamam de ?governabilidade?, ao menos num ambiente democrático.

Segunda constatação, derivada da anterior: mantendo um vício de eleições anteriores, a imprensa errou nitidamente, Folha inclusive, ao deixar de lado ao longo do ano a cobertura das disputas legislativas para priorizar, quase com exclusividade, a corrida pela Presidência.
Não fosse assim, vários dos fenômenos agora registrados -a começar, por exemplo, pela polêmica e histórica eleição das bancadas nacional e paulista do Prona, puxadas por Enéas Carneiro e Havanir Nimtz- não teriam pego tão de surpresa jornalistas e leitores.

A rigor, numa situação em que classificações ortodoxas do tipo direita/esquerda, reformistas/ conservadores tendem a ser simplistas, a nada explicar de fato, em que diferenciações expressivas se ampliam no interior de bancadas partidárias supostamente homogêneas, em que se formam regional e nacionalmente alianças das mais estapafúrdias ou imprevisíveis, numa situação como essa, a verdade é que o diagnóstico apenas começou a ser definido.

Muito ainda precisa ser esmiuçado e detalhado nesse terreno pela mídia, por analistas e cientistas políticos. Estão todos devendo, e bastante.

***

A Folha penou, durante a semana, ao rearranjar seus instrumentos para tentar cobrir com isenção o segundo turno da disputa pelo Planalto.

Duas edições, ao menos, foram afetadas por desequilíbrios.

Na quarta-feira (9), uma chamada na Primeira Página trazia o seguinte título: ?Serra promete cargos para atrair ex-aliados?.

A reportagem interna, porém, noticiava o desejo do tucano de governar com os partidos que o ajudarem -o que, diga-se, parece óbvio-, mas não registrava nenhum dado concreto que justificasse a conotação negativa, fisiológica daquele título.

Essa conotação, aliás, se ressaltava no contraste com a chamada mais ?limpa? dedicada também na capa do jornal às articulações do adversário: ?PT faz acordo com PPS e PDT para apoio a Lula?.

O ?troco? veio em dobro na sexta (11), quando o jornal mudou a manchete neutra do caderno Eleições da edição nacional (?Serra usa dólar para desafiar Lula; PT aponta ?terrorismo eleitoral?) por uma nada imparcial na edição SP (?Serra ataca e diz que país pode virar Venezuela se Lula vencer?).

Além disso, reservou todas as ?cabeças? das páginas dedicadas no caderno à disputa Lula-Serra para títulos direta ou indiretamente favoráveis ao tucano:

?Serra usa alta do dólar para desafiar Lula?, ?Ermírio ataca ?covardes? que mudam de lado? e ?PTB alega ?ódio? a Serra para apoiar Lula?.

Todas as três chamadas da capa do jornal para eleições, nesse dia, continham esse mesmo tom.

Como comentei em crítica interna, priorizar, sob a forma de manchetes, declarações provocativas do tipo ?Serra diz isso de Lula…? ou ?Lula diz aquilo de Serra…?, trocas de acusações ou insultos entre os candidatos não parece ser a melhor forma de cobrir a disputa eleitoral.

Se optar por uma linha como essa, privilegiando o declaratório, a retórica, o jornal corre o risco de contribuir para um rebaixamento do nível da campanha, ficar refém do marketing dos candidatos, além de, tecnicamente, construir uma armadilha para si próprio.

***

Um registro curioso, talvez resultante de atos falhos jornalísticos: com o que saiu na última sexta-feira, já são cinco, desde fevereiro, os ?Erramos? publicados no jornal para corrigir o partido a que pertence o ex-candidato à Presidência da República Anthony Garotinho (PSB).

Nas páginas da Folha, ele já foi do PPB (correções publicadas em 2/2 e em 1/4), PPS (26/4), PSDB (21/9) e PL (11/10).

E ainda falta sair mais um, relativo à edição de quarta (10), na qual o ex-governador do Rio apareceu, de novo, como integrante do PPS."

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem