Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

PRIMEIRAS EDIçõES > CAZÉ NUNCA ESTRÉIA

Bruno Garcez e Cristian Klein

Por lgarcia em 20/01/2001 na edição 105

QUALIDADE NA TV

CAZÉ NUNCA ESTRÉIA

"A história sem fim", copyright Folha de S. Paulo, 14/01/01

"O apresentador Chacrinha, uma das referências do programa que Cazé comandará na Globo, tinha como bordão a frase ‘Vai para o trono ou não vai?’. Em vista dos sucessivos adiamentos de sua estréia, Cazé, ex-apresentador da MTV, poderia adaptá-lo para ‘Vai para o ar ou não vai?’.

‘Sociedade Anônima’, título provisório da nova atração -que antes se chamaria ‘Ilustre Desconhecido’-, tinha estréia marcada há seis meses para o próximo dia 28, mas foi adiada por prazo indefinido. Uma das dificuldades em acelerar a exibição de ‘Sociedade Anônima’ é que o programa, além contar com um auditório interativo, apresentará reportagens externas e uma série de quadros. Possuirá ainda um link com a Internet.

‘É a primeira vez que uma atração envolve a Globo e o Globo.com (portal das Organizações Globo). É um programa que é um site e um site que é um programa. Agora, fechamos a equipe que fará a parte da Internet’, afirma Cazé. ‘Sociedade Anônima’ deve ser gravado aos sábados e ir ao ar aos domingos de madrugada. A atração seria exibida na íntegra no site, que ofereceria ainda reportagens e perfis, com um tom mais de entretenimento que de jornalismo.

‘Sociedade Anônima’ será um programa de calouros com toques interativos. Os telespectadores poderão fazer o papel de jurados, participando em casa, via Internet. Há também reportagens que serão debatidas pela platéia. E sempre acontecerá uma entrevista com uma diferente personalidade. ‘Faremos também ficção em cima de fatos reais’, adianta Cazé. Na definição do apresentador, ‘Sociedade Anônima’ será ‘a celebrização do anônimo, sem bunda e sem famoso’.

Por enquanto, só foi gravado um piloto da atração. ‘Poderemos gravar cinco ou seis. É como no teatro, queremos ensaiar muito antes de entrar em cena, não para termos aprovação da direção, mas para que nós encontremos o ‘timing’ das entrevistas com convidados e com participantes da platéia’, diz o apresentador.

Cazé conta não se preocupar com a ausência de uma data de estréia. ‘Tínhamos uma meta (o dia 28), não era uma data fechada. Não nos preocupamos com isso. Queremos é acertar.’ Querer acertar de primeira é também uma meta da emissora. ‘A Globo não conserta um programa depois que ele vai ao ar. Não há atraso porque não estipulamos uma data oficial e não teremos que arranjar outro produto para colocar no lugar’, diz Luís Erlanger, diretor da CGCom (Central Globo de Comunicação).

Segundo a Globo, nem mesmo o horário avançado em que a atração será exibida seria um sinal de desprestígio. ‘Essa é uma faixa experimental que busca explorar novos horários. O que já vem dando certo com o ‘Altas Horas’, do Serginho Groisman, que consegue média de 12 pontos no Ibope sendo exibido de madrugada, da 1h30 às 3h’, diz Erlanger.

José Lavigne, diretor do núcleo global responsável pela atração, afirma que pela complexidade do programa é necessário amadurecê-lo antes de levá-lo ao ar. ‘Queríamos estrear em janeiro, mas chegamos à conclusão de que temos de gravar mais pilotos. O problema é que não é só um programa, é um projeto. Não podemos pegar o texto e sair gravando.’

Desde que foi contratado, no final de 99, Cazé fez participações no ‘Muvuca’ e, no início do ano passado, recebeu carta-branca da direção da emissora para tocar o programa de auditório.

Segundo Luís Erlanger, a demora para a estréia do apresentador não representa um cuidado especial com Cazé nem o temor de que ele repita o insucesso que Thunderbird, VJ também egresso da MTV, enfrentou em 1994. Na ocasião, a atração comandada pelo VJ na Globo, ‘TV Zona’, ficou apenas um mês no ar. ‘Isso não existe. Cazé e Thunderbird não são pessoas nem apresentadores iguais.’

Mas Cazé sabe que seu processo de transição da MTV para a Globo exige longa preparação. ‘Saí de um estúdio da MTV de 30 m2 para um de 1.000 m2 na Globo. Preciso ainda me adaptar a tudo isso. A MTV é uma TV segmentada, tem muito menos compromisso que a Globo. Aqui, você não pode perder de vista que está falando com um número muito maior de pessoas.’"

"MTV gera adoração e crítica de seus ‘filhotes’", copyright Folha de S. Paulo, 14/01/01

"Antes de estrear na MTV, em 1994, com o programa ‘Rádio Vitrola’, Cazé Pessini nunca tinha participado de uma atração de TV. ‘A MTV foi determinante para minha carreira. Em 95 apostaram em mim para fazer um programa ao vivo, em que eu ligava para a casa das pessoas (‘Teleguiado’)’, diz Cazé.

Assim como Cazé, Otaviano Costa, que comanda o ‘Superpositivo’, da Bandeirantes, também teve formação da MTV. Tendo estreado no SBT, ele passou pela emissora em meados dos anos 90. ‘Descobríamos um novo jeito de fazer TV e queríamos que aquilo desse certo.’

Outros ‘filhotes’ da MTV reconhecem a importância da emissora, mas guardam mágoas, caso de Gastão Moreira, que atualmente comanda o ‘Musikaos’, na Cultura. ‘Saí decepcionado, sim. Dei sugestões de projetos, como ‘Flash Black’ e ‘Mochilão’, e nunca ganhei nada’, diz Gastão. Astrid Fontenelle, que passou por vários programas na emissora, critica a atual MTV. ‘Falta conteúdo. O jornalismo já foi mais atuante.’

Mas, se existem dissidentes, há também fiéis. ‘Já falei no ar que era a favor da legalização da maconha e contra o cigarro. É o tipo de liberdade que a MTV nos dá’, diz a ‘veterana’ Marina Person. ‘Prefiro ser rei na MTV a ser um congelador na Globo’, diz João Gordo, há seis anos na emissora."

Volta ao índice

Qualidade na TV – próximo bloco

Qualidade na TV – bloco anterior

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem