Terça-feira, 16 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Caça ao "fantasma vermelho"

Por lgarcia em 16/01/2002 na edição 155

REDE GLOBO

Clóvis Luz da Silva (*)

Como leitor não propriamente ou tão somente de jornais escritos, mas de uma versão da realidade que uma parte da grande imprensa tenta "enfiar" nos brasileiros, me enoja em particular a forma nada sutil como a Rede Globo se esforça por deformar o senso crítico de seus milhões de telespectadores ao escolher o Rio Grande do Sul como o prato da vez em sua "cruzada" pela destruição do chamado fantasma vermelho. Não se pode fechar os olhos para o que está por trás dessa campanha global.

O PT no poder ainda é um fantasma que assusta muito os barões desse país, e para exorcizá-lo nada melhor do que mostrar à nação – mesmo que a mentira seja escolhida, a fórceps e ao custo do bom senso, companheira ideal na empreitada – um partido que se diz dos trabalhadores envolvido nas mesmas tramas de corrupção que critica há anos nos outros partidos.

A "boa" intenção da Globo em mostrar o telhado de vidro do partido de Lula erra na forma e no mérito. Na forma, pela mentira, no mérito, pelo exagero, e no outro extremo, pela omissão.

A mentira é facilmente percebida, pois ao "revelar" ao país a ligação perigosa de um integrante do alto escalão do governo petista do RS com o jogo do bicho, a rede dos Marinho quis envolver todo o governo, obviamente tendo em mente a figura até então impoluta de Olívio Dutra. Como disse um amigo meu que já se foi deste mundo, "quem quiser ganhar uma batalha basta matar o comandante da tropa…". Numa singela metáfora, Olívio é o comandante, sim, contudo o alvo maior não era ele, mas o general barbudo, o homem que, pela quarta vez, tenta ser presidente do Brasil. Esse foi o exagero da Globo.

A omissão foi não apontar em outros estados a forma escandalosa como alguns governadores mantêm relações com a contravenção. Apenas para não ficar em afirmações irresponsáveis, dou ao Império Global a seguinte informação: aqui no Pará tem Ligue-Bicho, agência de jogo do bicho tão sofisticada que um turista diria se tratar de uma loja qualquer, legalmente estabelecida, que paga impostos etc. E um dos maiores bicheiros do Pará, Mário Couto, é deputado estadual, do PSDB, o mesmo partido do governador Almir Gabriel. Que tal "revelar" isso à nação brasileira?

(*) Estudante de Letras da UFPA, Ananindeua, PA

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem