Sábado, 23 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

PRIMEIRAS EDIçõES > FIM DO ACESSOCOM

Carlos Eduardo Lins da Silva

Por lgarcia em 15/01/2003 na edição 207

NARCODITADURA & A ARTE…

“Souza e Noblat confrontam limites éticos do repórter”, copyright Folha de S. Paulo, 11/01/03

“O mercado editorial brasileiro tem registrado nos últimos dois anos um aumento significativo da oferta de títulos escritos por jornalistas como resultado da sua prática ou de suas reflexões a respeito da atividade.

Não chega a constituir um paradoxo inexplicável o fato de isso ocorrer exatamente num período em que a circulação total de exemplares de veículos periódicos impressos no país deixou de registrar índices de crescimento expressivo, como ocorrera nos primeiros anos da década de 1990.

A tiragem dos livros de e sobre jornalismo no Brasil é em geral pequena e parece atender à demanda especialmente de estudantes das centenas de cursos de comunicação social em todo o país. O fenômeno também expressa o amadurecimento do interesse pelos meios de comunicação de massa por parte de seus consumidores formados ao longo dos últimos 20 anos.

A proliferação desses livros é, em si mesma e sem dúvida, algo a ser celebrado, já que a bibliografia existente nesse campo específico foi sempre reduzida e dominada por autores estrangeiros. A circulação de idéias a respeito do assunto só pode resultar em algum tipo de aprimoramento da profissão, por mais difícil que seja sentir esses efeitos no cotidiano.

Dois lançamentos recentes ilustram essa hipótese. Um, ?Narcoditadura?, de Percival de Souza, trata especificamente do caso Tim Lopes, o repórter da Rede Globo assassinado por narcotraficantes no Rio, no ano passado. Outro, ?A Arte de Fazer um Jornal Diário?, mais genérico, reúne observações do autor sobre sua experiência acumulada em 35 anos de jornalismo.

Ambos sofrem de descuidos editoriais elementares, que, infelizmente, são a regra no mercado de livros brasileiro e prejudicam as melhores intenções, em especial em trabalhos que, como estes, têm no público acadêmico um alvo preferencial, como a ausência de índices remissivos e bibliografia extensiva.

Os livros de Souza e Noblat, no entanto, estão repletos de conceitos e exemplos que ajudam muito a pensar o jornalismo brasileiro e travam entre si, involuntariamente talvez, um interessante debate a respeito de um deles: os limites éticos da investigação por parte do repórter.

Percival de Souza, um dos mais respeitados jornalistas da área policial da imprensa do país, faz uma elegia ao amigo Tim, a quem se refere sempre no texto como Arcanjo (primeiro nome de Lopes), e conclui que ele estava ?no lugar certo? quando foi sequestrado por bandidos. Já Noblat, responsável pelo notável aprimoramento do ?Correio Brasiliense? nos últimos anos e que dá a um de seus subcapítulos o título ?Jornalista não é Deus?, afirma que ?quem aplicou o golpe fatal [em Lopes? (…) foi um conceito de jornalismo que degrada a profissão?.

Esse e outros assuntos, para os quais provavelmente não haja respostas definitivas, merecem ruminação intelectual aprofundada no Brasil para que jornalistas e público sejam capazes de definir com precisão como esta sociedade específica pode se beneficiar ao máximo da atividade informativa dos seus meios de comunicação de massa. Por isso, quanto mais trabalhos desse gênero aparecerem no mercado editorial, melhor para todos.

Narcoditadura Autor: Percival de Souza Editora: Labortexto Editorial Quanto: R$ 35 (272 págs.) A Arte de Fazer um Jornal Diário Autor: Ricardo Noblat Editora: Contexto Quanto: R$ 23,90 (176 págs.)”

 

FIM DO ACESSOCOM

“Comunicado de encerramento de atividades do Serviço AcessoCom”, copyright Epcom (www.acessocom.com.br), 6/01/03

“Caros e caras assinantes:

O serviço jornalístico AcessoCom está encerrando as suas atividades na data de hoje, 06/01/2002. O boletim que circulou com esta data é a nossa última edição. Como decorrência, também deixaremos de disponibilizar nossos demais serviços, como a versão resumida do boletim e o banco de dados. Os assinantes que tenham adiantado o pagamento de mensalidades serão ressarcidos e, para estes, enviaremos brevemente uma correspondência informando a forma de reembolso. Às instituições com as quais mantemos convênio também será enviada uma correspondência formalizando o final do relacionamento.

O encerramento do serviço AcessoCom deve-se a dificuldades comerciais. Mantido pelo Instituto de Estudos e Pesquisas em Comunicação (Epcom), nos seus três anos e meio de funcionamento o referido serviço não logrou obter o número de assinaturas pagas necessárias para a cobertura dos seus custos. Neste período de existência, tivemos a satisfação de registrar que o serviço foi muito prestigiado por seus assinantes e por destacados setores profissionais e acadêmicos, assim como por segmentos sociais e pessoas preocupadas com a democratização da comunicação e com a crescente influência da comunicação sobre a cultura, a economia e a política.

Em 2001, o serviço AcessoCom recebeu o ?Prêmio Luiz Beltrão de Ciências da Comunicação 2001? na categoria Grupo Inovador. Como se sabe, tal prêmio é conferido pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares de Comunicação (Intercom) – instituição, aliás, que nos honrou como assinante dos nossos serviços, até agora.

Através do Epcom, manteremos as atividades ligadas à pesquisa e à produção de informações especializadas em comunicação. Provisoriamente, nosso site e seu banco de dados – que hoje conta com 21.500 mil textos produzidos pelo serviço e mais de 200 mil referências bibliográficas – continuarão indisponíveis, enquanto procedemos ajustes técnicos decorrentes da mudança de provedor. Posteriormente, tentaremos disponibilizá-lo com acesso gratuito. Mesmo nesta fase de transição, entretanto, procuraremos continuar produzindo e fornecendo, gratuitamente, informações especializadas para subsidiar a atuação do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), cujos propósitos inspiraram a criação do Epcom.

Ultrapassado este período, pretendemos desenvolver projetos que não dependam exclusivamente de capital próprio, como até agora ocorreu. Deste modo, continuaremos atuando em favor da capacitação da sociedade e dos cidadãos para o conhecimento e a ação na área da comunicação.

Atenciosamente, Daniel Herz – Diretor do Epcom”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem