Quinta-feira, 20 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1042
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Carlos Heitor Cony

Por lgarcia em 25/09/2002 na edição 191

ELEIÇÕES 2002

"Lula, Serra, Ciro e Garotinho no ?Big Brother?", copyright Folha de S. Paulo, 20/09/02

"Alguns leitores ficaram chocados com o tédio que venho demonstrando para com a atual sucessão presidencial. Cheguei mesmo, em crônica publicada na página 2, no dia seguinte ao debate que teve Boris Casoy como mediador, a sugerir um ?reality show?, tão em moda, tipo ?Big Brother? e ?Casa dos Artistas?, substituindo as apresentações a que estamos assistindo -ou melhor, a que vocês estão assistindo, pois me faltam tempo e interesse para isso.

A idéia, que ofereço de graça aos candidatos, à Justiça Eleitoral e às emissoras, era juntar os quatro postulantes numa casa, trancá-los durante uma semana, sem empregados e sem contato com o mundo exterior, tal como os cardeais quando vão eleger o novo papa e ficam trancafiados no conclave, do qual só podem sair quando um deles é eleito e o cardeal-carmelengo pode anunciar, do alto da sacada da basílica de São Pedro: ?Habemus papam?.

Seria bom ver, ao longo de uma semana, como Lula, Serra, Ciro e Garotinho se virariam. Um deles teria de varrer a casa, outro de ir para a cozinha tratar do rancho, outro de atender o telefone, outro de lavar a louça e de arrumar as camas. E todos obrigados a viverem juntos, a brigarem, a se reconciliarem, a torcerem pelo Brasil no caso de haver jogo da seleção no período, a rezarem ou não rezarem antes de dormir, a lavarem a própria roupa, enfim, a serem como são e não como são produzidos pelos marqueteiros durante a campanha e por si mesmos durante a vida pública que tiveram ou que ainda pretendem ter.

Somente assim os eleitores poderão saber como realmente são, qual o mais cordato, o mais educado, o mais disciplinado, o mais sincero, o mais saudável, enfim, qual o melhor. Do jeito que eles se vendem ou que estão sendo vendidos pelos marqueteiros e assessores especiais, são abstrações fantasmagóricas, belas e fagueiras, ou monstros de solérica e trevas, tal como se acusam mutuamente.

Digo isso porque, em eleições passadas, trabalhando numa revista semanal, fui encarregado de cobrir um dia inteiro de campanha de cada candidato à presidência daquele ano. Evidente que fui bem tratado e que tratei bem todos eles, dizendo claramente que ali estava, ao lado deles, levantando a bola para que cortassem e fizessem pontos.

Contando o milagre sem revelar o santo, fiquei pasmo com a mobilidade física, mental e espiritual dos candidatos. Um deles dispunha de excelente estrutura eleitoral, um ônibus enorme, com banheiros, cozinha, ar refrigerado, sala de reuniões, equipamento de vídeo e pequeno estúdio para produção de entrevistas.

Digamos que, em determinado período daquele dia, a comitiva foi à cidade A, fez o que tinha de fazer e depois seguiu para a cidade B, distante meia hora da primeira. Quando voltamos para o ônibus, que nem o Batman teria melhor e mais eficiente, folgamos com o ar refrigerado e os refrescos que nos esperavam, pois fazia um calor de dar insolação ao próprio demônio.

Logo após, uma equipe de assessores desabou sobre o candidato. Na tela do estúdio passou um vídeo sobre a cidade que seria visitada, dados sobre população, superfície, história do município, vultos ilustres que ali nasceram ou viveram, produção agrária ou industrial etc. etc.

Por acaso, na cidade a ser visitada, existia uma freirinha que vivia em cheiro de santidade, uma espécie de frei Damião ou de irmã Zélia, mas guardada ferozmente pela população local, receosa de que o lugar se transformasse em lugar de peregrinação e que virasse bagunça, como a Juazeiro do padre Cícero. Era um patrimônio guardado com avareza por todos.

O candidato, aliás ninguém da comitiva, tinha ouvido falar daquela santa, mas, dias antes, um escalão avançado havia desencavado a freirinha e constatado a importância dela para os eleitores daquele pedaço.

Vi o candidato desembarcar do ônibus com os olhos vidrados, em êxtase espiritual. Assomou o palanque armado na praça principal diante de um povo mais ou menos indiferente. Ele estava em último lugar nas pesquisas daquela zona eleitoral.

Com voz sombria, como se confessasse um pecado hediondo do qual se penitenciasse publicamente, o candidato começou sua arenga: ?Meus amigos, eu não podia continuar a minha campanha sem antes vir aqui, a esta gloriosa cidade, pedir a bênção e os conselhos da nossa freirinha, de cuja santidade sou devoto desde criancinha. Ela me tem guiado e inspirado ao longo da vida. Aqui estou como um peregrino à porta do templo, não vim pedir votos, mas a bênção sem a qual não poderei ajudar a Nação a construir um futuro de paz, esperança e justiça social para todos vocês?.

O povo, como nos romances de capa-e-espada, estrugiu de entusiasmo. O candidato
foi arrastado a uma capelinha, ao fundo da qual viviam meia dúzia
de religiosas, entre as quais a extraordinária freirinha,
que recebeu o inesperado devoto sem saber de quem se tratava. Deu-lhe
a bênção rotineira, prometendo-lhe saúde
e paz doméstica. Apesar de não ter sido eleito, o
candidato teve 98% dos votos daquela cidade. E meses depois teve
pneumonia e uma crise conjugal que quase acabou em divórcio."

 

"É manipulação", copyright Folha de S. Paulo, 19/09/02

"A tática (desconstruir o adversário) parece ser a mesma que a campanha José Serra adotou, com êxito aliás, contra Ciro Gomes.

Mas uma das duas salvas disparadas anteontem contra o PT muda de qualidade e invade o território da manipulação.

No caso de Ciro, o tucanato usou palavras do próprio adversário no contexto em que foram pronunciadas. Fisgou Ciro pela boca.

Mas, no caso do programa de terça-feira, a vida real foi reescrita para caber na propaganda contra o PT.

Refiro-me à exibição do discurso do presidente do PT, deputado José Dirceu, aos professores em greve, no qual fala em bater nas urnas e nas ruas o tucanato, seguido pelas cenas da agressão de professores ao então governador Mário Covas.

O próprio Serra chegou a dizer que, ?provavelmente?, José Dirceu não foi o responsável pela agressão a Covas. É evidente que não houve relação de causa e efeito entre discurso e agressão. Ela ocorreu porque Covas foi a um ponto de concentração de grevistas, valendo-se do inalienável direito de ir e vir, e acabou sofrendo agressão absolutamente injustificável.

Daí, no entanto, a colar discurso e agressão como cara e coroa da mesma moeda é manipulação.

Há no PSDB quem até justifique esse tipo de apelação grosseira com o argumento de que seja a única maneira de derrubar Lula do pedestal olímpico em que se instalou.

Não é eticamente aceitável (como não é aceitável, de resto, que o PT se omita sobre a tentativa, também sórdida, de envolver Serra em um caso de corrupção mesmo tendo o procurador responsável pela denúncia afirmado que não há prova nenhuma contra o candidato tucano).

Quem imaginou que um segundo turno entre Lula e Serra seria o definitivo diploma
de modernidade para a política brasileira pode começar
a rever os seus conceitos."

 

"Elenco do SBT recheia horário eleitoral na TV", copyright Folha de S. Paulo, 19/09/02

"Se na Globo os artistas que estão no ar são proibidos pela emissora de participar de campanhas eleitorais, no SBT eles usufruem ao máximo a liberdade dada pela empresa, que diz ?não interferir na participação de seus profissionais no processo eleitoral?.

Convocando os eleitores desempregados a ?tirar o emprego? do governador Geraldo Alckmin, votando em Antonio Cabrera (PTB), Carlos Massa, o Ratinho, estreou ontem na campanha pelo governo paulista.

É o quarto apresentador do SBT a aparecer no horário político: Gugu Liberato, Sônia Abrão e o próprio Silvio Santos já são frequentadores assíduos.

Ratinho conta que decidiu anteontem participar da campanha de Cabrera, por um pedido do próprio candidato. Ele já havia ameaçado entrar na Justiça para impedir que um trecho do ?Programa do Ratinho? fosse usado pelo petebista.

Ontem, após ?mudar de idéia? com um pedido de desculpas de Cabrera, disse na TV que o candidato ?foi o melhor ministro da Agricultura? e, apesar de ter se recusado a criticar Alckmin na propaganda, não alterou seu estilo: ?Tem quem fale que vai votar em um candidato porque ele é bonzinho. Então vote num padre!?. O apresentador aparece ainda na propaganda para um candidato a deputado, o ?médico do Ratinho?.

Dono do maior ibope do SBT, Gugu é o que mais aparece no horário eleitoral: é um dos garotos-propaganda da campanha presidencial de José Serra e apresentador esporádico do programa de Alckmin.

Gugu nunca escondeu sua amizade com o ex-ministro da Saúde, que era frequentador assíduo do seu ?Domingo Legal?.

Já Sonia Abrão, do ?Falando Francamente?, diz que ?não pode dizer? o que a levou a participar da propaganda de Paulo Maluf (PPB). ?Só conto que estou gostando muito e quero me tornar marqueteira política.?

Silvio Santos, sem dúvida o mais popular de todos, não declara apoio a ninguém. Mas já apareceu na propaganda de Alckmin com um depoimento, tirado de uma rádio, elogiando a atuação do governador no episódio de seu sequestro, em 2001. No programa de Maluf, aparece quase diariamente, em trecho tirado do ?Show do Milhão?, em que elogia o ex-prefeito."

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem