Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

PRIMEIRAS EDIçõES > PROGRAMAÇÃO REGIONAL

Cláudia Croitor

Por lgarcia em 26/08/2003 na edição 239

REALITY SHOWS

"Em ?Faking?, leigos viram profissionais", copyright Folha de S. Paulo, 24/08/03

"Há quem passe anos estudando, fazendo caros cursos de culinária e dando duro em cozinhas de restaurantes até conseguir o cobiçado e refinado posto de chef. Mas o inglês Ed Devlin não precisou de nada disso. Em apenas quatro semanas, ele passou de um simples ?fritador? de hambúrguer em uma barraca no interior da Inglaterra para chef de cozinha. Criou pratos e comandou jantares complexos, conseguindo enganar três renomados críticos de culinária.

Ed foi um dos participantes de ?Faking It? (Fingindo), premiado ?reality show? inglês, do Channel 4, exibido no Brasil pelo canal pago GNT, de seg. a qui., às 23h20.

Batizado aqui de ?Tudo É Possível? (nem tudo, é a conclusão a que se chega depois de alguns episódios), o programa pega pessoas comuns e tenta transformá-las em algo bem distante do que são ou fazem: um advogado em um cantor de rap, um ex-oficial da Marinha em uma drag queen, um vigário em um vendedor de carros usados. Tudo em um mês.

Diferente dos ?reality shows? tradicionais, em que anônimos têm suas vidas acompanhadas pelo público por meses e disputam prêmio em dinheiro, ?Faking It? é exibido em forma de documentário, em um episódio de uma hora. E a única recompensa é conseguir enganar os juízes na prova final: ao fim das quatro semanas, o participante é inscrito em um concurso, com profissionais de verdade. Além de tentar vencê-los, não pode deixar que os juízes descubram que é ele o farsante.

A ?cobaia? passa as quatro semanas sendo orientada por especialistas, tem de aprender a atividade e até passa a morar com um deles. Mas, apesar de todos se esforçarem por um objetivo comum, a convivência nem sempre é das melhores.

Brigas, broncas e conflitos de ego são corriqueiros. David Keith, um operador de raio-X que estava aprendendo a fotografar editoriais de moda, chegou a chorar em uma conversa com seu mentor, um renomado fotógrafo inglês (o episódio vai ao ar na terça).

Na maioria das vezes, tudo é esquecido na prova final, quando os mentores acompanham, nervosos, o desempenho do pupilo. Mas nem sempre é assim. No episódio de quarta, Phil Deane, um testador de videogames que tenta se transformar em piloto de corridas, irrita tanto seus mentores que eles torcem por seu fracasso.

Além dos aspectos técnicos da nova atividade, os participantes têm de aprender um novo estilo de vida. Stuart Matheson, um web designer que passava o dia em um escritório e tentou virar um surfista, teve bem mais do que aulas de surfe. Tingiu os cabelos e ganhou um novo corte, fez bronzeamento artificial, aprendeu gírias e teve aulas de teatro para aprender a andar, falar e agir como um legítimo surfista. O resultado pode ser visto amanhã.

Com o sucesso do ?reality show?, os EUA criaram a sua versão do ?Faking It?, no canal TLC. Transformaram o líder de um clube de bebedores de cerveja em um sommelier, um carpinteiro em decorador… A GNT negocia a compra dos episódios americanos. Resta saber quando irão inventar um ?Faking It? brasileiro."

 

PROGRAMAÇÃO REGIONAL

"Globo e SBT começam a investir em regionalização", copyright Folha de S. Paulo, 24/08/03

"Dois eventos -um da Globo e outro do SBT- realizados na última semana comprovam: mesmo antes de se tornar obrigatório por lei, o investimento em programação regional já está entre as prioridades das duas redes.

O projeto de lei que determina cotas horárias para a exibição de programas locais nas TVs foi aprovado na Câmara no último dia 13. Dois dias depois, cerca de 140 pessoas chegavam a um resort em Porto de Galinhas (PE) para um congresso organizado por nove afiliadas do SBT no Nordeste.

Representantes de anunciantes e de agências de publicidade tiveram contato com executivos das emissoras nordestinas. Foram apresentados pacotes de patrocínio em eventos regionais, como festas de São João.

O encontro custou perto de R$ 400 mil. O investimento se justifica: em 2002, a primeira edição rendeu R$ 4 milhões em anúncios aos radiodifusores do chamado Comitê Nordeste. Das oito cotas, sete foram comercializadas. Animadas, as afiliadas criaram 12 cotas para a nova temporada. O valor unitário aproximado de quatro delas é de R$ 4,5 milhões e o de oito, R$ 2,5 milhões.

O projeto Nordeste conta com o apoio de Silvio Santos. Superintendente de rede, Julio César Casares, disse que, há quatro anos, mostrou ao empresário o plano de regionalização. Silvio teria duvidado da importância. ?Disse a ele: ?A regionalização vai virar lei, e temos que sair na frente?. E ele resolveu apoiar?, disse Casares.

O departamento de rede do SBT, que vende programas das afiliadas, foi criado há três anos. Segundo Casares, as vendas cresceram 25% de 2001 para 2002 e 40% no último ano -taxas superiores às de crescimento das redes. O SBT também pretende trazer conteúdos regionais à programação e, se Silvio Santos colocar em prática o investimento em jornalismo, há a intenção de criar um jornal nacional com reportagens de afiliadas.

A 7? Feira de Eventos e Projetos Regionais, da Globo, aconteceu na Câmara Americana de Comércio, em SP (dias 18 e 19). Segundo a emissora, compareceram as suas 115 afiliadas, responsáveis por selecionar os eventos mais importantes regionais, que ?mobilizam multidões e movimentam a economia local?. Para a Globo, ?o objetivo é atrair cada vez mais o interesse das agências e anunciantes para os projetos realizados em todo o Brasil?.

Com recursos escassos, anunciantes estão optando por campanhas mais focalizadas, com custos menores. Ricardo Monteiro, gerente de mídia da Procter & Gamble, afirmou que sua empresa passou a investir em anúncios regionais. Em 2002, produziu uma campanha para as afiliadas do Nordeste e teve um crescimento de vendas na região 240% acima de suas expectativas.

Enquanto o mercado já começa a ditar essa regra, a lei que obriga as TVs a exibirem programação local segue para o Senado. Pela lei, cerca de 20% da programação das afiliadas teriam de ser com produções locais, exibidas entre 5h e 20h. Dessa cota, 40% teriam de ser de independentes. A deputada Jandira Feghali (PC do B-RJ), autora do projeto, acredita que a tramitação será rápida, pois já houve negociação com as TVs durante as votações na Câmara.

A repórter Laura Mattos viajou a convite do SBT Nordeste"

"Globo e SBT mostram projetos de suas afiliadas pelo Brasil", copyright Meio & Mensagem, 25/08/03

"A Rede Globo e o SBT apresentaram na semana passada, para agências e anunciantes, projetos regionais de suas afiliadas para os próximos meses – a primeira com a realização da sétima edição de sua Feira de Eventos e Projetos Regionais, em São Paulo, e o segundo com a organização de um encontro em Recife. No caso da Globo, marcaram presença suas 115 afiliadas por todo o Brasil. Já o evento do SBT foi organizado pelo comitê das afiliadas nordestinas e centrou foco nas propostas da região (ver box).

Cerca de 2 mil pessoas visitaram a feira da Globo, que este ano trouxe algumas novidades para o período que vai de outubro de 2003 a setembro de 2004. Por exemplo, a Corrida e Caminhada contra o Câncer de Mama, em 2004, será ampliada e se realizará num circuito que inclui as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Recife, Brasília, Salvador, Ribeirão Preto e o Vale do Paraíba. Duas cotas estão à venda.

No Sul, a RBS está lançando o Dreadlocks Reggae Festival, em Florianópolis, aproveitando o espaço no qual é realizado o festival de música Planeta Atlântida. Considerado um dos maiores festivais da América Latina, o Planeta Atlântida surgiu no Rio Grande do Sul e hoje tem também sua versão catarinense. A Globo São Paulo trouxe como novidade o programete Agronegócio Paulista, com informações sobre o setor.

A Globo Rio mostrou o Fitnessfest, que acontecerá na Lagoa Rodrigo de Freitas, enquanto as afiliadas do interior fluminense promovem a Supercopa de Futsal do Rio Interior. Minas também tem seu evento de futebol de salão, a Copa TV Grande Minas de Futsal (que acontece em 14 cidades), além de projetos como o Caminhar (vídeo e ações educativas) e Iron Biker (corrida de mountain bike). Já o Espírito Santo aposta na força de seu folclore, arte e culinária com o projeto É Festa, que divulga a cada mês dois eventos típicos da cultura capixaba.

Projetos integrados

Brasília oferece, de março a setembro de 2004, sete concertos de música de câmara e, em agosto próximo, a transmissão do Campeonato Brasileiro de Vôo Livre. A Rede Anhangüera, de Goiânia, promete mobilizar a população da cidade no Dia da Solidariedade, e a Rede Matogrossense vai mostrar o Festival Internacional de Pesca Esportiva do Pantanal. No Norte, destaque para o Círio de Nazaré (em Belém) e os projetos Coisas de Boi-Bumbá e Verão na Amazônia.

As afiliadas da Globo no Nordeste oferecem ao mercado publicitário alguns projetos integrados, do qual participam todos os Estados. É o caso do São João (correspondente ao período das festas juninas), do Rally Cerapió 2004 e do Circuito Nordeste de Beach Soccer. Completam o cardápio os programetes Gostinhos do Nordeste e Roteiro da Fé, respectivamente sobre culinária e manifestações religiosas locais.

Festa no interior

As dez afiliadas do SBT no Nordeste apresentaram no final de semana de 16 e 17 de agosto, no Recife, três projetos integrados para 2004: São João da Tradição, Micaretas e Férias no Nordeste. Segundo o superintendente de rede da emissora, Júlio César Casares, desta vez optou-se por oferecer as micaretas (festas carnavalescas fora de época) em vez do carnaval tradicional, porque elas permitem uma programação mais longa de inserções comerciais.

No ano passado, Procter & Gamble (com o sabão Ace), Seagram (rum Montilla), Kaiser (com as cervejas Kaiser e Bavaria) e Bunge Alimentos (margarina Primor) patrocinaram a transmissão das festas de São João pelo SBT, e Kaiser, Farmácia Pague Menos, Tele Sena e Baú da Felicidade, as micaretas. Novo, o projeto Férias no Nordeste será dividido em duas partes (junho de 2004 e janeiro de 2005) com atividades recreativas e educativas para os freqüentadores das praias da região.

?Alguns eventos são de fácil conceituação e dominam rapidamente o mercado, como o Festival de Parintins. Outros são novos para o mercado, apesar do sucesso local, como o festival de truco que acontece em Belo Horizonte?, lembra João Almeida, responsável pela venda dos eventos regionais e locais do SBT. Criado em 2001, seu departamento cresceu 25% no ano passado e 45% nos primeiros seis meses deste ano. ?A programação regional só terá impulso se tiver o apoio do mercado publicitário?, defende Casares."

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem