Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

PRIMEIRAS EDIçõES > VIDA DE JORNALISTA

Condições de trabalho em debate na ECA-USP

Por lgarcia em 21/10/2003 na edição 247

VIDA DE JORNALISTA

O Núcleo de Jornalismo e Cidadania da ECA-USP promoverá no dia 5 de novembro, quarta-feira, às 19h, um debate com Roberto Heloani e o jornalista e pesquisador Jorge Cláudio Ribeiro, autor de cinco livros, entre eles Sempre Alerta: condições e contradições do trabalho do jornalista. Será no Auditório Freitas Nobre, Escola de Comunicações e Artes, Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443/Bloco A,Cidade Universitária, São Paulo (SP).

A vida pessoal dos jornalistas é precária, com falta de relacionamento familiar por conta das excessivas jornadas de trabalho e vínculos afetivos que se desfazem rapidamente. Eles trabalham em quase todos os finais de semana, mas em compensação resistem bem ao estresse, inclusive se dedicando com paixão à profissão, e nutrindo por ela uma relação de amor e ódio. Nas redações, o ritmo de trabalho a que se submetem é estafante, com jornadas de 12 horas e às vezes, até mais, e estão expostos ao assédio moral e ao rígido controle social.

Ganham muito pouco, se for considerado o grau de exigência que é imposto pelas chefias, o ambiente competitivo em que trabalham, a precariedade das condições de trabalho em muitas redações e a falta de tempo para estudo. Apesar de tudo, têm pouca consciência da importância social de seu trabalho, são muito individualistas e influenciados pela imagem glamourosa que a sociedade possui da profissão, e não acreditam na sua capacidade de organização enquanto categoria profissional.

Estas são as principais constatações de um estudo feito pelo pesquisador Roberto Heloani, advogado, psicólogo, mestre em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas e doutor em Psicologia pela PUC-SP, cujo resumo de tese foi publicado pela Editora ? Organização do trabalho e administração: uma visão multidisciplinar (1994).

Desta vez, sua pesquisa para o pós-doutorado na Escola de Comunicações e Artes da USP, em 2003, levou o título Mudanças no mundo do trabalho e impactos na qualidade de vida do jornalista. "Eu sabia que a rotina desses profissionais era bem complicada, mas não achava que era tanto: foi surpreendente. A deterioração da qualidade de vida do jornalista naturalizou-se, banalizou-se, e isso é grave, pois se trata de formadores de opinião", diz Heloani.

Entrevistas e análise

No estudo, uma realização apoiada por duas instituições ? o Núcleo de Pesquisa e Publicações da FGV e a ECA-USP, ele entrevistou a fundo 44 jornalistas, aplicando testes concernentes ao estresse e à saúde do trabalho, além de fazer discussões em grupos focais. Deste total, o pesquisador escolheu 22 para análise em profundidade, com levantamento de história de vida e entrevistas nos locais de trabalho em várias mídias. Somente as fitas gravadas tomaram mais de mil páginas de transcrições.

Heloani é um pesquisador preocupado com as relações de trabalho depois da reestruturação produtiva empreendida pelas empresas, no mundo todo, há duas décadas. Em 8/10 lançou o livro Gestão e organização no capitalismo globalizado: história da manipulação psicológica no mundo do trabalho, resultado de sua tese de livre-docência na Unicamp.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem