Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

PRIMEIRAS EDIçõES > CASO JOELMIR BETING

Conflitos de interesses devem acabar. Todos

Por lgarcia em 30/12/2003 na edição 257

CASO JOELMIR BETING

Alberto Dines

No debate sobre a demissão do veterano analista de economia do Globo e do Estado de S.Paulo foi pouco mencionada a expressão "conflito de interesses".

Mas ela está na raiz do castigo imposto a Joelmir Beting. E o esquecimento não é casual. A mídia é implacável quando identifica conflitos de interesses na esfera pública. Mas é desatenta ? ou leniente ? com os seus próprios tropeços na matéria.

Este observador está à vontade quando se trata de coibir situações abusivas em que o jornalista faz o papel de garoto-propaganda. Joelmir não foi o primeiro a aceitar a dupla condição e o Bradesco não foi o único a seduzir profissionais de imprensa para convertê-los em publicitários.

O Unibanco usa o expediente há mais tempo e, aparentemente, como estratégia. A colunista social Márcia Peltier e a apresentadora Maria Gabriela têm sido usadas há tempos para vender suas mensagens. Como trabalham para veículos que não se importam ou até mesmo vangloriam-se desta duplicidade, a infração não chamou a atenção.

Mas o Observatório da Imprensa tem focalizado regularmente estas e outras infrações. Sem eco ou providências. Inclusive dos sindicatos. Aqui talvez se localize o único argumento em favor do jornalista demitido: os jornalões têm sido rigorosamente acríticos nestes e outros episódios em que princípios deontológicos fundamentais conflitam com os interesses dos grandes anunciantes.

Neste clima de generalizada condescendência com princípios que em outras partes do mundo são pétreos, o jornalista Beting deixou desarmados os alarmes que poderiam denunciar uma situação irregular.

Nas suas inúmeras colunas assinadas, O Globo, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo jamais se importaram com as aberrantes irregularidades exibidas em comerciais televisivos e cinematográficos com duas vedetes da mídia. Reparem que a questão chegou a ser assunto de uma "Urn@ eletrônica" deste Observatório (edição n? 250, 11/11/03): à pergunta "O jornalista perde credibilidade ao fazer anúncios comerciais?", 79% (582) dos leitores responderam "sim" e 21% (151), não ? num total de 733 votos.

Não aconteceu em sua seara, não era com eles. Calaram-se, omitiram-se e, mais uma vez, permitiram que o erro se convertesse em paradigma. Agora os complacentes assumem-se como puritanos. Puro farisaísmo.

Leia também

A toque de caixa… registradora ? A.D.

Jornalista pode fazer comercial? ? A.D.

Repórteres
como garotos-propaganda
? A.D. [rolar a página]

A
"sinergia" jornalismo-publicidade (I) e (II)
? A.D.
[rolar a página]

Ainda a questão do jornalista/garoto-propaganda ? A.D.

Dez toques ? Ricardo A. Setti [ver nota 4, "Gerente é fonte?"]

 Um minuto para os nossos comerciais ? Claudia Vassalo [rolar a página, Entre Aspas, Exame, 24/9/97]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem