Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

PRIMEIRAS EDIçõES > LEITURAS DA MÍDIA

Contra o fogo-fátuo do modismo

Por lgarcia em 12/02/2003 na edição 211

LEITURAS DA MÍDIA

Afonso Caramano (*)

O exercício da crítica exige certo distanciamento do objeto (de estudo) para visualizá-lo em sua totalidade ? exercício esse do pensamento ?, chave necessária para a abordagem histórica dos acontecimentos. Analisar o momento histórico, no instante mesmo em que se vivenciam os fatos, é tarefa dificílima, que o digam historiadores e pensadores, supostamente mais bem preparados e aparelhados.

A mídia ? em seu segmento jornalístico ? assume muitas vezes essa tarefa de crítica e análise da realidade, sem no entanto mergulhar profundamente na apuração dos acontecimentos, confundindo o trabalho de abarcar todas as informações (como se isso bastasse) com o de averiguação crítica acurada. Navegando-se na superficialidade das notícias, recai-se no achismo, no adivinhismo.

Sintomático dessa situação é o que se tem produzido (seria esse o termo adequado?) como notícia no primeiro mês do governo Lula. Decerto que a poeira da posse começa a assentar e o governo apenas inicia os primeiros passos (também envolvido numa atmosfera de otimismo e esperança). É um período de adaptação ? inclusive para a mídia que, quando não se acautela na espera dos acontecimentos, reproduz os lugares-comuns de sempre ou atira para qualquer lado.

Com raras exceções (sempre as raras exceções) se encontra alguma análise mais perspicaz ou um comentário pertinente. O que se vê em abundância são os preconceitos enrustidos, o jornalismo tendencioso, o comportamento ético enviesado ou o extremo das análises sob o paradigma conceitual da racionalidade de mercado. Conclui-se: não há alternativas ao modelo vigente ? pertencemos a um mundo globalizado e temos de nos adaptar a ele. Se novas idéias e propostas são discutidas em fóruns mundiais, pouca coisa reverbera com intensidade, senão uma torta certeira ou o aspecto espetaculoso, utópico dos eventos. E olha que imprensa é serviço público (por excelência) ? como diz o Observatório.

Vicissitudes e enganos

Aliás basta uma visita às páginas da edição n? 209 deste Observatório para constatar como se tem comportado a nossa imprensa. Avaliá-la é tarefa de todos ? e o exercício crítico é indispensável para o entendimento de nossa realidade ? devendo, portanto, estar acima de interesses privados (o que é muito difícil). Longe de adesismos ou de ressentimentos e rancores ? o momento exige bom senso e pés no chão (além, é claro, de capacidade crítica).

Por enquanto o novo governo sinaliza novos caminhos ? cumprindo no entanto as exigências da velha cartilha nos rumos da economia. Afinal, não podemos inspirar desconfiança ou indisposição no mercado. Somente o tempo ? o tempo só ? dirá de nossos acertos e erros.

A mídia ? e a imprensa em particular ? não está acima dos fatos e se acha atada a circunstâncias díspares que impedem seu exercício pleno. Deve, também, preparar-se, capacitar-se para fugir das vicissitudes e enganos, da avaliação superficial e fácil, do fogo-fátuo dos modismos e da inteligência afetada e arrogante.

(*) Funcionário público municipal em Jaú, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem