Ensaios sobre guerrilha tecnológica | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES > TELEJORNALISMO & INTERNET

Ensaios sobre guerrilha tecnológica

Por lgarcia em 02/10/2002 na edição 192

TELEJORNALISMO & INTERNET

Telejornalismo, internet e guerrilha tecnológica, de Antônio Cláudio Brasil, 375 pp., Editora Ciência Moderna, Rio de Janeiro, 2002. Preço: R$ 35,10. E-mail: <lcm@lcm.com.br>, tel. (21) 2201-6662

Introdução de Antônio Brasil

Se você está folheando este livro e lendo a introdução é porque, provavelmente, se interessa por televisão, telejornalismo ou guerrilha. Mas vou logo avisando, a nossa proposta, tanto de televisão como de guerrilha é radicalmente diversa das expectativas mais comuns. Este livro não é um manual de telejornalismo ou de combate. Ele pretende ser, antes de tudo, uma série de provocações para o leitor ou telespectador insatisfeito com a nossa comunicação social e, principalmente, com a nossa televisão.

O livro está disposto na forma de uma coletânea de ensaios críticos, na qual se busca lançar uma reflexão sobre o meio televisivo numa perspectiva de transformação e de mudanças. A leitura deste livro demanda, antes de tudo, uma atitude de contestação otimista, jamais fatalista. O problema em relação à TV é grave, mas creio que ainda tem solução. O segredo é uma certa dose de ousadia sem perder jamais a esperança, tanto na televisão como na nossa criatividade. A reflexão acadêmica ou a profissional não deveria dispensar o bom senso e o bom humor. Mais do que nunca, eles são necessários para enfrentar um mundo em fase de transição de paradigmas estabelecidos e com direito a crise de velhos valores. A televisão está mudando, invade o mundo digital ou migra para a internet, ainda não sabemos bem o destino, mas, com certeza, encontra enormes desafios tecnológicos que indicam o surgimento de novas linguagens.

Nossa opção pela "guerrilha tecnológica" é uma atitude alternativa às demandas cada vez mais prementes da sociedade por mudanças e por uma maior democratização dos nossos meios de comunicação. Criticar é sempre fácil, mas neste livro, procura-se indicar soluções. Você não precisa concordar com todas elas, algumas são mais provocações do que soluções. A idéia é fazer você pensar sobre as alternativas.

Em tempos de televisão digital, internet, convergência das mídias e novíssimas tecnologias, nosso objetivo também é sempre lembrar o passado, discutir o presente e apontar caminhos para o futuro. Não necessariamente um futuro único, pré-programado ou (pré) destinado, principalmente, para um segmento tão dinâmico como o da produção de notícias na televisão.

Até aqui, tudo bem. Se você ainda está lendo esta introdução e ainda não desistiu totalmente do livro, segue outro aviso importante: este não é mais um manual de telejornalismo. Aqui não se ensina as mais recentes e eficientes técnicas profissionais para você se tornar uma estrela dos nossos telejornais. Este também não é mais um livro de "teleajuda". Muito pelo contrário. Apesar da minha paixão confessa por televisão, resultado de muitos anos assistindo, persistindo e produzindo programas de TV, este livro, infelizmente, não garante a ninguém um "televidão". Pena!

O conteúdo do livro está voltado para o debate de diversos temas relacionados ao meio televisivo: os descaminhos e desventuras dos nossos telejornais atuais, as alternativas tecnológicas oferecidas pela internet ou as novas tecnologias. Também discute os problemas da área de ensino e pesquisa de telejornalismo no Brasil, além de procurar discutir diversos outros assuntos polêmicos que devem ser do interesse de estudantes, professores e pesquisadores de comunicação. A idéia é oferecer aos leitores diversos temas relacionados ao campo da comunicação social. Os artigos visam, primordialmente, a garantir aos leitores uma boa oportunidade para discutir melhor sobre aquilo que adoramos falar mal: a nossa televisão.

Todos nós adoramos "odiar" o principal meio de comunicação em todo o mundo. Não deixamos nunca de assisti-lo para criticá-lo ainda mais. Pelo menos, pretende-se com este livro, que você vai poder continuar falando bem ou mal da TV mas com um pouco mais de informações. Obviamente, você não precisa concordar com as opiniões aqui apresentadas.

Televisão é antes de tudo… paixão. Uma rara mistura de muita emoção e pouquíssima razão. Ela cria hábito, hipnotiza e vicia. Ficar sem ver televisão causa um isolamento social incontestável. Corre-se o risco de não se ter assunto para conversar com os amigos. Mas televisão também costuma ser um acúmulo de críticas na forma de velhos "achismos". Fala-se muito sobre o que não se conhece. São muitos anos de muitas críticas totalmente alheias à verdadeira experiência profissional. Quem faz ou gosta de televisão não costuma ter tempo ou interesse em defender o meio. A situação é ainda pior em relação às pesquisas acadêmicas sobre os noticiários de televisão. São raras e muitas vezes, totalmente superficiais. Em televisão quase tudo é opinião.

Neste livro, procuramos oferecer subsídios para as suas opiniões. Pelos assuntos escolhidos, procura-se estimular "discussões", tanto nas salas de aula como nos bares da vida, sobre a boa e velha televisão, principalmente sobre o segmento telejornalístico.

Também é importante lembrar que muitos dos artigos aqui publicados tiveram o privilégio de serem divulgados e amadurecidos anteriormente no sítio do Observatório da Imprensa <www.observatoriodaimprensa.com.br>. Ou seja, eles são resultado do apoio e da colaboração de muitos colegas que acreditaram na proposta original. Todos os artigos possuem uma linguagem com cara de internet: coloquial e descontraída. Mas como o autor é um velho jornalista de televisão, respeita-se as palavras mas procura-se escrever sempre com o recurso das imagens ou da própria imaginação.

Mais uma recomendação: este livro definitivamente também não é mais uma obra acadêmica. Apesar de estar concluindo um doutorado em Ciência da Informação e pesquisar há muitos anos o papel das imagens no conhecimento gerado pela internet, o estilo desse livro foge às regras da academia. Creio que é meio irreverente e, muitas vezes, até mesmo irônico. Num sentido mais amplo, os artigos deste livro têm a pretensão ou a ambição maior de inspirar uma reação no leitor similar àquelas provocadas pelas boas fotografias jornalísticas ou pelas reportagens de TV mais representivas. Procura-se conviver com as palavras, mas se inspirar sempre nas imagens.

Por último, as idéias aqui expostas são obviamente o produto da experiência pessoal e profissional do autor mas não procuram ser somente voltadas para o passado e indiferentes ao futuro. Não se trata de coletânea de velhas memórias ou obra saudosista. Os textos aqui apresentados respeitam o passado mas possuem um compromisso e uma cumplicidade com o futuro. Com o futuro de toda uma geração que tenho o privilégio de conviver diariamente nas universidades e compartilhar com eles a esperança de dias melhores. Tenho certeza de que um dia estarei vivenciando e assistindo a esse novo mundo pelo olhar mais crítico e capaz dessa mesma geração.

Este livro pretende ser um alerta sobre o presente mas é, sem dúvida, uma tentativa de contribuição para o futuro da nossa televisão.

(*) Coordenador do Laboratório de TV UERJ, <www.telejornalismo.com/tjuerj>

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem