Terça-feira, 17 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

PRIMEIRAS EDIçõES > TELEMONTECARLO & TELECOM ITALIA

Entrou boi na linha

Por lgarcia em 31/01/2001 na edição 106

MONITOR DA IMPRENSA

TELEMONTECARLO & TELECOM ITALIA

Autoridades reguladores do mercado italiano de telecomunicações decidiram, em 14 de janeiro, interromper um processo que deveria culminar na compra da Telemontecarlo pela empresa Seat, editora de catálogos telefônicos de páginas amarelas na Itália. A primeira parte da operação havia sido concluída depois de a Seat ter desembolsado 115 milhões de dólares em troca de 25% do controle da emissora de TV. O passo seguinte implicaria o aporte de mais 247 milhões de dólares, que dariam a Seat a propriedade de outros 50% das ações da Telemontecarlo. Em 1985 esta mesma emissora foi comprada pelas Organizações Globo, que se desfizeram do negócio nove anos depois.

Cinco meses atrás, à época do anúncio da compra da Telemontecarlo pela Seat, a Telecom Italia assumiu 63% da Seat por intermédio de sua empresa de internet – a Tin.it. Se a compra da Telemontecarlo se concretizasse agora, tal como previam os planos da gigante de telecomunicações, a Telecom Italia agregaria ao seu grupo empresarial uma empresa de produção de conteúdos para TV – condição essencial para a rentabilidade dos negócios casados de empresas telecom e pontocom.

O argumento dos defensores do negócio era a possiblidade da criação, na Itália, de um "terceiro pólo" na área de produção de TV, com capacidade de invenção e fôlego financeiro suficientes para fazer frente ao "duopólio" hoje existente no país. Na Itália, o mercado de TV é dividido entre as três cadeias públicas da RAI e as três privadas do grupo Mediaset, este controlado pelo empresário e político Silvio Berlusconi, atualmente na oposição. De acordo com a avaliação de Lola Galán, correspondente em Roma do diário espanhol El País [19/1/01], "a união [Telecom Italia + Telemontecarlo] estava destinada a criar um gigante multimídia, uma espécie de pequeno AOL/Time-Warner à italiana".

O organismo regulador do mercado italiano de telecomunicações impediu a operação com base em legislação conhecida como Lei Maccanico, que, entre outras limitações, veda a uma operadora de telefonia os direitos de propriedade sobre uma emissora de TV.

Embora a Telecom Italia tenha anunciado que apelaria da decisão oficial, uma eventual mudança na legislação estará irremediavelmente prejudicada pela proximidade das eleições gerais no país, marcadas para abril. (
Luiz Egypto
)

Volta ao índice

Monitor da Imprensa – próximo texto

Monitor da Imprensa – texto anterior

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem