Esporte é negócio | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Terça-feira, 14 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº999
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES > TELETIPO

Esporte é negócio

Por lgarcia em 30/10/2002 na edição 196

TELETIPO

Emissoras de TV americanas estudam ampliar o uso de anúncios virtuais ? aquelas propagandas criadas por computador que entram em tempo real, como se estivessem no estádio ? nas transmissões televisivas de eventos esportivos, pois o custo dos direitos de transmissão aumentou mais que o ganho com publicidade. A tendência é polêmica. "Onde vamos parar? Vão preencher os assentos vazios com gente artificial?", disse Albert May, presidente do Departamento de Jornalismo da Universidade George Washington ao USA Today [18/10/02]. Na Grã-Bretanha, segundo o Guardian [18/10/10], os clubes é que querem faturar com publicidade. Estádios de futebol devem ganhar propagandas nos assentos, para que o torcedor de trás seja obrigado a vê-las. Pesquisa feita com amostra de 7.500 lugares em um estádio mostrou que, na saída, 94,4% das pessoas se lembravam dos anúncios.

O clima foi de euforia nos estúdios da Rádio Sawa, emissora do governo americano para jovens árabes, quando chegaram os resultados de sua última pesquisa de audiência. A estação, que opera em FM, AM, satélite e internet, seria líder de audiência de seu segmento em Amã, capital da Jordânia. Jornalistas ocidentais relatam que no Iraque a rádio faz boa concorrência à Voz da Juventude, emissora de propriedade do filho de Saddam Hussein, Uday. A programação da Sawa mistura música árabe com pop americano e notícias. Editoriais como os da Voz da América foram deixados de fora. Músicas indecentes ou que promovam violência também não entram. Natan Guttman, do Ha?aretz [15/10/02], nota que, pela primeira vez, os EUA conseguiram penetrar no mundo árabe com suas transmissões.

A Academia Mexicana de Artes e Ciência Cinematográficas escolheu o controverso filme O Crime do Padre Amaro para concorrer ao Oscar de melhor filme estrangeiro. Na história, um padre seduz uma menina 16 anos. Outros dois constroem hospitais com dinheiro do tráfico de drogas e dão proteção a guerrilheiros. Bispos e políticos conservadores do México fizeram campanha de boicote contra o filme, que, mesmo assim, bateu recorde de bilheteria. As informações são da Reuters [18/10/02].

O jornal britânico The Observer subiu seu preço de capa de ? 1,20 para ? 1,30 (aproximadamente R$ 7,50), tornando-se o segundo dominical mais caro depois do Sunday Times, que custa ? 1,40. O aumento que o Times praticou em agosto mostrou que os leitores não se incomodaram com o novo preço e a circulação até aumentou. Há um consenso de que por muito tempo os jornais estiveram baratos demais na Grã-Bretanha. A baixa de nove anos se deveu à guerra de concorrência deflagrada por Rupert Murdoch. No mês passado, The Daily Telegraph, Independent e The Guardian também tiveram aumento. As informações são do Guardian [16/10/02].

Todos os comentários

Siga o Observatório da Imprensa
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Termos de Uso
x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem