Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

PRIMEIRAS EDIçõES > COBERTURA DO IRAQUE

EUA querem criar "BBC iraquiana"

Por lgarcia em 23/12/2003 na edição 256

COBERTURA DO IRAQUE

Devido à decisão do governo americano de apressar a constituição de um governo autônomo no Iraque, o Pentágono resolveu não conceder o financiamento de US$ 100 milhões para que alguma companhia opere um jornal, uma emissora de rádio e uma rede de TV nacionais por um ano, como planejava antes. Como o novo regime deve ser implantado até julho de 2004, funcionários americanos estão "explicando" a membros do Conselho de Governo do Iraque como querem que a mídia funcione a partir de então.

O modelo adotado é o da britânica BBC e da Rádio Pública Nacional (NPR) dos EUA. Os americanos admitem, no entanto, que os países árabes não estão habituados com veículos de comunicação desvinculados do governo. Os governantes da região geralmente os utilizam para expressar seu ponto de vista. "Obviamente há uma tendência para a comunicação estatal no Oriente Médio. Esta é uma tendência com a qual não concordamos e que não queremos promover", explica Gary Thatcher, funcionário da Autoridade Provisional da coalizão no Iraque, ao repórter Walter Pincus, do Washington Post [16/12/03].

Enquanto o novo sistema de comunicação de massa não é instalado, o Pentágono decidiu estender o contrato da companhia que opera o que existe atualmente, a Science Applications International Corporation, da Califórnia. Mais conhecida por prover equipamento militar e tecnológico, ela mudou o nome da TV estatal de IMN para al-Iraqiya, reformulando seu logotipo e programação na tentativa de atrair também os usuários de antenas parabólicas, através das quais canais como al-Jazira e al-Arabiya transmitem mensagens desfavoráveis aos EUA.

O presidente americano George W. Bush pode ter derrotado Saddam Hussein, mas perdeu para a socialite Paris Hilton nos índices de audiência da TV na noite de terça-feira, 16/12. Havia mais americanos assistindo a The Simple Life na Fox, que exibia a jovem Paris, herdeira de um antigo hotel, trabalhando em uma fazendo no estado de Arkansas (11,8 milhões de telespectadores), do que a Bush sendo entrevistado por Diane Sawyer na ABC (11 milhões), segundo a Nielsen Media Research.

A entrevista rendeu manchetes com o comentário do presidente de que Saddam deveria receber a "pena máxima" por seu governo enérgico e violento no Iraque. Aparentemente, porém, a audiência se sentiu mais atraída pelas imagens da socialite de 22 anos fazendo uma torta. Informações da Reuters [19/12].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem