Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

PRIMEIRAS EDIçõES > MINAS EM GREVE

Eugênio Bucci

Por lgarcia em 31/07/2002 na edição 183

MICROFONES

“A função dos microfones”, copyright Folha de S. Paulo, 28/7/02

“O de Adriane Galisteu é branco. E volumoso. Talvez seja branco por ser volumoso. Ou talvez pareça volumoso por ser branco, o que não importa nada. É o de Adriane Galisteu. O de Raul Gil tem elementos dourados. Seria ouro? Seria falso? Não faz diferença: ele reluz sob os holofotes feito uma jóia da coroa, um cetro real. O de Jô Soares é a miniatura de um bem grandão, daqueles de mesa, de estúdio de rádio. Assim, mínimo, infinitesimal, fixado sobre uma blusa cacharrel vermelha, bem na altura do coração, exerce a devida função humorística. Sua majestade o microfone alcança uma centralidade corporal e cósmica jamais sonhada. Ah, sim, é verdade que o de Sílvio Santos, que em outros tempos parecia uma torre de comando de aeroporto alemão, é hoje mais singelo e, também, sugere uma centralidade e tanto. Como um aviãozinho na vertical, ele parece pronto a decolar da gravata do animador com um poder de sedução quase mágico, provavelmente similar àquele do projeto de Brasília idealizado por Lúcio Costa, que, sabe-se lá por que transcendências arquitetônicas, fisgou de cara a paixão de J.K.. O de Sílvio Santos é federal.

As câmeras que nos perdoem, mas o microfone é fundamental. É ele quem confere o dom da palavra. Pelo dom da palavra, indica quem é que manda no terreiro. Em televisão, o direito a voz é muito mais importante que o direito de voto. Direito de voto qualquer uma das ?colegas de trabalho? de Sílvio Santos tem. Qualquer uma grita, bate palmas, canta junto, vaia o Pedro de Lara. Qualquer uma participa das grandes decisões sobre quem é que vai para o trono ou não vai. Mas tudo isso é perfumaria. O poder pra valer é de quem manda no microfone. Eu sei que a alusão é fácil e óbvia, mas ela é inevitável: o microfone, em televisão, é o falo.

O repórter de TV nunca deixa que o entrevistado pegue no dele. É só dele. É o que lhe dá o controle da situação. Basta um movimento de braço, e ele cassa a palavra à sua fonte, ou seja, cassa-lhe a existência. A questão, entretanto, é que esse cassar a existência só ganha sentido porque é visível: o telespectador testemunha com os olhos a ida e a vinda do poder, à medida que assiste às idas e vindas do falo, digo, do microfone do repórter. São microfones curiosos esses, os dos telejornais. Eles são do repórter mas, ao mesmo tempo, são da emissora a que pertence o repórter. Assim, o do repórter leva, como tatuagem, como circuncisão, a marca da emissora. É a sua identificação de microfone, digo, de falo. Microfones, sendo falos, trazem inscrito em si o nome do poder que os institui. Conforme a marca que se crava no microfone, mais ou menos portas ele abre. Mais ou menos imperativa é a ordem que ele emite ao entrevistado: ?Agora você fala!?

Eu sei que o trocadilho é fácil e óbvio, mas é irresistível, e eu irei decliná-lo. Quem manda no microfone, diante das câmeras, parece desafiar permanentemente o seu interlocutor: ?Você não fala como eu falo. E só fala com o meu falo?.

Penso então que o falo de Adriane Galisteu é branco e volumoso. Penso e me divirto com tamanha baixeza. Há, no programa de Adriane, os filhotes desse grande falo branco que é o pai de todos. São filhotes todos pretinhos e, a esses, os convidados têm o direito de empunhar. Só falam, contudo, segundo autoriza a fala do falo da apresentadora. Os microfones filhotes, os pequenos falos submissos, estão sempre sujeitos ao grande falo castrador. Jô Soares também dispõe de microfones para as visitas. Antigamente, havia um que o entrevistado acabava, mais cedo ou mais tarde, estapeando involuntariamente. Ou seria um ato falho? O sujeito gesticulava para lá, para cá, até que esmurrava o falo filhote. Hoje, não mais. Acho que mudaram a posição do bicho.

Falos, microfones, atos falhos. A televisão é um labirinto circular.”

 

MINAS EM GREVE

“Jornalistas mineiros em estado de greve”, copyright Comunique-se (www.comunique-se.com.br), 24/7/02

“O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais anunciou, através de nota oficial, que os jornalistas do Estado de Minas, Diário da Tarde, Hoje em Dia e O Tempo, principais diários do Estado, estão em estado de greve, porque as empresas se recusam a ?negociar o acordo salarial para a categoria, apesar de todos os esforços do sindicato?. Segundo revela o diretor do SJPMG, Délio Rocha, os patrões ?tiveram desde o último dia 01/07 para apresentar uma contra-proposta às reivindicações apresentadas, que são 9,31% de aumento e piso salarial de R$ 1 mil (o piso atual é de R$ 830), além de 24 outras exigências. Mas até agora não o fizeram?.

A decisão, por unanimidade, pelo estado de greve foi tomada nas assembléias realizadas nas redações das quatro publicações. ?Enquanto os donos de empresas jornalísticas faturam alto nesta época de eleições, como ocorreu durante a última Copa do Mundo, têm o desplante de propor um reajuste de apenas 5%, para uma inflação de 9,31% no período. O curioso é que, no interior, já assinamos acordos com o percentual de 9,31%?, acentua Délio Rocha.

Rocha assinala ainda que os jornalistas destas empresas desejam ?o mesmo que escrevem em seus jornais diariamente: remuneração justa, vale transporte, vale refeição e pagamento de horas extras. Há quem trabalhe durante 10 horas diárias e só recebe cinco?.

Segundo o diretor do sindicato, os patrões ?fogem das negociações com táticas protelatórias, em uma tentativa de nos levar ao dissídio, na esperança de que, na Justiça, consigam retirar as poucas conquistas já obtidas pela categoria em Minas?.

O estado de greve, conforme ressalta Délio Rocha, vai perdurar até a próxima terça-feira (29/07), véspera do vencimento da data-base, quando o SJPMG espera que ?os patrões voltem a exercer o saudável costume do diálogo?.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem