Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > FÓRUM DE PROFESSORES DE JORNALISMO

Fechados em seu próprio umbigo

Por lgarcia em 27/05/2003 na edição 226

FÓRUM DE PROFESSORES DE JORNALISMO

Enecos (*)


"O professor dialoga, não apenas dá aula. Sem diálogo ele não ensina", nos diz o professor e atual ministro da Educação, Cristovam Buarque.

"A educação é comunicação, é diálogo, na medida em que não é transferência de saber, mas encontro de sujeitos interlocutores que buscam a significação dos significados", deixou registrado o mestre Paulo Freire.


Que tipo de professor, sobretudo na universidade, é capaz de discutir e refletir sobre o processo de formação educacional sem levar em conta o estudante enquanto sujeito ativo (alvo e interlocutor fundamental deste processo)? Alguns professores de Jornalismo do Brasil conseguem ? ou supõem conseguir ? a proeza.

Mais uma vez, teremos a realização do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo ? a sexta edição, de 1? a 4 de maio, em Natal ? sem a participação efetiva e institucional dos estudantes de Comunicação/Jornalismo, organizados na Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social (Enecos).

Um pedido formal para que a Enecos fosse incluída nos debates foi feito desde fevereiro. Somente há duas semanas recebemos a resposta, negativa, à nossa solicitação: "Os estudantes, através de suas entidades, estão convidados a participarem da solenidade de abertura do evento". A justificativa era a de que o caráter do Fórum é voltado apenas a profissionais e jornalistas.

A fundação do Fórum de Professores de Jornalismo ? organização digna de todo o louvor, daí o interesse da Enecos de dialogar em tal espaço ? tem o objetivo declarado de ser "o espaço de debates e troca de experiências entre aqueles que se preocupam com a formação profissional de jornalistas". No entanto, é impossível não questionar criticamente a posição da coordenação nacional do Fórum, que permitiu a participação dos estudantes ? também preocupados com a formação profissional ? tão somente no debate de abertura. Em que medida qualquer debate sobre o ensino superior pode ser considerado inteiro sem a participação dos estudantes?

Respeitamos a deliberação do FNPJ, mas externamos aqui nossa preocupação e nosso lamento por tal medida, na esperança de que seja repensada em ocasiões futuras. Tal postura revela um corporativismo desmedido, uma falta de sensibilidade e percepção política e uma prática que distorce o conceito de educação enquanto processo social coletivo.

Os estudantes, com "E", e não alunos (cuja etimologia indica "sem luz"), com "A", não se resignam em ser meros ouvintes dos "doutos iluminados", mas se dispõem a ser co-responsáveis pelo êxito do processo educacional.

Acerca do debate em pauta, a Enecos e o movimento estudantil de comunicação têm contribuído significativamente há muito tempo. Foi num seminário da Executiva, em 1995, que nasceu o Movimento Nacional pela Qualidade de Formação em Comunicação. Tal movimento, entre outros méritos, foi decisivo na elaboração das novas Diretrizes Curriculares para a Comunicação. Neste exato momento, a Enecos está buscando a sua rearticulação, por meio de diálogo com diversas entidades (Fenaj, Intercom, Compós, Fitert e outras). O próprio Fórum de Professores de Jornalismo foi convidado para se juntar ao movimento. Além disso, várias campanhas nacionais foram implementadas pelos estudantes ao longo dos anos; um Grupo de Estudo e Trabalho (GET) se dedica exclusivamente ao assunto; dezenas de monografias qualificadas versaram sobre o tema; documentos temáticos e projetos têm sido elaborados regularmente (como o Avaliação pra Valer!) e a interação com outras entidades da área é permanente, sobretudo nos nossos congressos, encontros, seminários e noutros espaços.

Enfim, reiteramos o grande valor do FNPJ para a discussão a que se propõe e reafirmamos a nossa disposição em contribuir organicamente com este espaço no futuro.

(*) Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social

O atraso na publicação deste texto é de minha exclusiva responsabilidade exclusiva. Assumo integralmente o erro. Qualquer tentativa de responsabilização do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo ou deste Observatório da Imprensa é indevida. Feita a ressalva imprescindível, registro que fui informado que o autor do texto acima, Rogério Tomas Jr., então diretor da Enecos, participou da reunião do Fórum. Eu não participei dessa reunião, pelo mesmo motivo que me levou ao erro.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem