Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº959

PRIMEIRAS EDIçõES >  

Fernando Rodrigues

Por lgarcia em 12/06/2002 na edição 176

ELEIÇÕES 2002

"Globo fará sua maior cobertura eleitoral", copyright Folha de S. Paulo, 7/06/02

"Nunca os candidatos a presidente tiveram uma exposição tão grande na TV como terão os atuais. Será a maior cobertura da Globo desde o retorno das eleições diretas, em 89, segundo proposta apresentada a representantes dos presidenciáveis.

A emissora vai enviar por escrito cópia da proposta para os candidatos nos próximos dias, para que apresentem contrapropostas, até chegar ao formato final.

Só no ?Jornal Nacional?, os quatro primeiros colocados nas pesquisas aparecerão duas vezes, ao vivo ou em gravação feita pouco antes de irem ao ar, por dez minutos cada um, na bancada do telejornal, sendo entrevistados por William Bonner e Fátima Bernardes. As entrevistas acontecerão possivelmente nos 45 dias anteriores ao primeiro turno.

No ?Bom Dia Brasil?, a exposição será ainda maior. Luiz Inácio Lula da Silva (PT), José Serra (PSDB), Anthony Garotinho (PSB) e Ciro Gomes (PPS) serão convidados para entrevistas individuais, ao vivo, de 15 a 20 minutos cada uma. No ?Jornal da Globo?, também haverá entrevistas semelhantes às do ?JN?.

Além disso, na GloboNews -canal pago da Globo-, os presidenciáveis serão convidados a dar longas entrevistas para a jornalista Míriam Leitão. O ?Jornal das Dez?, no canal, também terá candidatos na bancada duas vezes, nos mesmos dias do ?JN?.

Os assessores foram informados ainda de que o ?JN? pretende fazer uma série de 48 reportagens, de 12 de agosto a 5 de outubro, sobre problemas brasileiros.

?Todo ano tentamos fazer a melhor e maior cobertura?, diz Carlos Henrique Schroder, diretor da Central Globo de Jornalismo. ?O que diferencia este ano é que ampliamos o debate. Começamos a ouvir os candidatos mais cedo. O resumo é que queremos que os candidatos debatam o que querem fazer pelo país.?

Jô Soares

Os presidenciáveis terão ainda de encontrar tempo para dois debates. Um formal, nos moldes já conhecidos, no dia 3 de outubro -o primeiro turno é no dia 6. Um outro está em discussão para o ?Programa do Jô?, com mediação do apresentador, até 30 de junho, já que a legislação permite que sejam convidados alguns dos concorrentes até essa data.

Lula não quer, pois sua candidatura será oficializada pelo PT nesse dia. Se for marcado para depois de 1? de julho, todos os concorrentes têm de participar, o que não agrada a Jô Soares.

Essa vasta programação foi apresentada a representantes das campanhas anteontem, numa reunião na Globo do Rio. Participaram pela emissora Schroder e Ali Kamel, diretor-geral de jornalismo. Pelos presidenciáveis, participaram, entre outros, o publicitário Duda Mendonça (Lula) e a assessora de imprensa Andréa Gouveia Vieira (Serra).

?Acho que a Globo está sendo muito transparente?, afirmou Vieira, a assessora de Serra. ?É uma postura clara. Não me recordo de ter visto isso em eleições anteriores por parte de outros órgãos de imprensa.?

As entrevistas ao vivo no principal telejornal da Globo -o ?JN? tem cerca de 27 milhões de telespectadores no país- serão com tema livre. Isso obrigará os candidatos a se prepararem por todo o dia para os dez minutos ao vivo do começo da noite.

Outras emissoras, como a Bandeirantes, buscarão fazer uma programação semelhante à da Globo. Se os presidenciáveis aceitarem, a campanha será em grande parte eletrônica. No tempo livre que tiverem, os candidatos terão de ficar em estúdios para gravar a propaganda gratuita de rádio e de TV. Sobrará pouco para campanha de rua.

?Cuidado?

Como terão grande exposição nos telejornais da Globo, a líder absoluta de audiência no país, os presidenciáveis enfrentarão um fato inédito nesta campanha: a propaganda gratuita pode ser relegada a segundo plano pelo eleitor. ?A alta exposição dos candidatos em programas de grande audiência da TV Globo vai mudar, sem dúvida nenhuma, a cara desta campanha?, diz o publicitário Duda Mendonça.

?A Globo merece aplauso pela medida altamente democrática, pois dará a todos os concorrentes oportunidades iguais. Mas é preciso ter muito cuidado, porque, ainda que involuntárias, diferenças de tons e enfoques nas entrevistas podem beneficiar ou prejudicar candidaturas, com enorme repercussão em toda a mídia do país e, consequentemente, na cabeça do eleitor. É fundamental, portanto, que a Globo tenha perfeita e plena consciência da exata dimensão do papel que está assumindo no processo eleitoral e sobretudo diante da democracia brasileira?, diz Mendonça.

Não será permitido nas entrevistas ao vivo no ?JN? que os candidatos façam menções desabonadoras a seus adversários. Se isso acontecer, o entrevistado será repreendido e, se for o caso, o concorrente atacado terá direito de resposta no noticiário do dia seguinte. A ordem das entrevistas será sorteada.

A decisão da Globo de chamar apenas os quatro primeiros colocados nas pesquisas poderá provocar uma disputa judicial. É possível que o número de concorrentes chegue próximo de dez. O minúsculo PSTU, de orientação trotskista, já decidiu lançar o ex-sindicalista José Maria de Almeida. O Prona deve lançar novamente Enéas Carneiro, que será com Lula o único a concorrer nas quatro eleições diretas, desde 89.

A lei manda que os debates sejam com todos os concorrentes que sejam filiados a partidos com representação no Congresso. Há uma brecha para programas jornalísticos. As emissoras podem entrevistar livremente qualquer candidato em seus noticiários. Ainda assim, os que se sentirem prejudicados por não serem convidados podem contestar o critério na Justiça.

Já ficou estabelecido que as imagens das entrevistas dos candidatos não poderão ser utilizadas por eles em seus programas eleitorais. A Globo também se comprometerá a não usar imagens editadas de uma entrevista que foi ao vivo em outros telejornais. Mesmo as entrevistas para o ?Jornal da Globo?, que devem ser gravadas uma ou duas horas antes de o telejornal ir ao ar, serão transmitidas na íntegra, sem cortes.

Bandeirantes

A Bandeirantes também terá uma cobertura intensa. A emissora já programou debates com os presidenciáveis no primeiro e no segundo turnos. No primeiro, o debate ocorrerá em 14 de julho ou em 4 de agosto. Segundo Fernando Mitre, diretor de jornalismo, os assessores dos principais candidatos já aceitaram participar e devem escolher nos próximos dias uma das duas datas.

Além disso, a Band terá duas rodadas de entrevistas individuais com os principais candidatos nos telejornais ?Jornal da Band? e ?Jornal da Noite?. A partir de agosto, colocará no ar o ?Band Eleições?, semanal de uma hora que irá levantar os principais problemas do país e dos Estados."


***

"Eleição eletrônica", copyright Folha de S. Paulo, 8/06/02

"É da maior relevância a decisão da TV Globo de fazer uma cobertura ampla da eleição presidencial em seus programas noticiosos.

Entre outros ineditismos, os candidatos serão entrevistados, ao vivo e mais de uma vez cada um, pelos apresentadores do ?Jornal Nacional?.

Todos os telejornais da emissora farão entrevistas exclusivas com os presidenciáveis. Haverá debates. Será a maior cobertura eleitoral da TV Globo desde a volta da eleição direta para presidente, em 89.

A decisão é excelente. A emissora líder no país demonstra interesse em fazer jornalismo sobre um tema que certamente não dará tanta audiência como a Copa do Mundo.

Mas haverá consequências. A mais evidente é que as outras emissoras de TV certamente também vão desejar fazer o mesmo. É a lei do mercado. A agenda dos candidatos ficará premida por convites para entrevistas e debates nos meios eletrônicos.

Uma entrevista para um jornal impresso é rápida. O candidato fala em qualquer lugar, até pelo telefone.

Aparecer por dez minutos ao vivo no ?Jornal Nacional? requer um preparo maior. Talvez passar o dia todo sem agenda de rua. Ninguém quer aparecer na frente de 27 milhões de telespectadores-eleitores com a cara abatida ou sem as idéias no lugar.

Menos comícios. Mais TV. Esta será a eleição presidencial mais eletrônica de todas as que o Brasil já teve. O horário eleitoral gratuito não poderá falsear demais as imagens dos candidatos. Todos aparecerão ao vivo nos telejornais, mostrando suas reais qualidades e defeitos.

Quem vai se sair melhor nesse tipo de ambiente? Lula, Serra, Garotinho ou Ciro? Difícil dizer.

Por que a Globo tomou esse rumo? Outra pergunta sem resposta. É melhor esperar o resultado para depois, se for o caso, emitir opinião."

 

"Partidos procuram evitar protecionismo na tevê", copyright Jornal da Tarde, 8/6/02

"A má fama que a Rede Globo adquiriu com a edição do resumo do debate entre os candidados Lula e Collor, nas vésperas da votação para presidente em 1989, deixou os partidos com um pé atrás quanto às matérias jornalísticas da emissora nesta eleição 2002. Como se sabe, o PT e partidos coligados protestaram contra o que chamaram de parcialidade da emissora, que teria forçado a mão a favor de Collor, ao pôr no ar maior número de pontos positivos deste no debate e diminuir os de Lula, a dois dias das eleições.

Pois bem. As exigências dos partidos são de que as entrevistas especiais dos candidatos (programadas para todos os noticiosos nacionais da Globo, com duração de 10 a 20 minutos, conforme o telejornal) só possam ser transmitidas ao vivo e integralmente, sem cortes. Mesmo as que forem gravadas com antecedência terão de ir ao ar inteiras. Um telejornal não poderá usar pedaços de entrevistas transmitidas em outros telejornais. Está em discussão outra exigência: não usar trechos de debates entre os candidatos. Ou tudo de novo ou nada.

Michael Fox, humor e coragem

Impressionante a movimentação descoordenada incontrolável do ator americano Michael J. Fox, que sofre do mal de Parkinson. Ele apareceu no programa de David Letterman, no canal pago GNT. Agita-se o tempo inteiro, troca de pernas cruzadas, segura o pé, os braços, quase se levanta, volta, não pára um minuto. Impressiona também a sua coragem na luta contra a doença, que o transformou em um expert. E mais impressionante ainda é a sua capacidade de opor o humor à depressão. Faz piada consigo mesmo. Diz que faz exercícios, pratica hóquei e ginástica, que chama de ?ginástica assimétrica?. Falou da sua vida. Certa ocasião, coube-lhe ficar ao lado da princesa Diana numa pré-estréia de cinema, tolhido pelo protocolo, milhares de ?não podes?. Justo ao começar o filme, teve tremenda vontade de fazer xixi. Não podia. Não podia olhar para trás, se virar, olhá-la de frente, etc. Disse que ficou se remexendo na cadeira, dando pulinhos, sacudindo as pernas, e acrescentou: ?Ironicamente, é como estou hoje.?

Imagens da Copa

Muitos torcedores da Copa são engraçados o suficiente para se dispensar quadros de humor na cobertura. O Adriano do ?BBB1?, apelidado Didi, tem feito matérias ridículas no entremeio dos jogos, na Globo. Também o ?over? Márcio Canuto tem proporcionado momentos constrangedores na telinha.

Chocante a barriga do Chilavert, goleiro paraguaio. O comentarista Sérgio Noronha e o narrador Luís Roberto, da Globo, escandalizavam-se: ?Não consegue pular!?, ?A barriga fica balançando.? O narrador disse que o técnico Maldini não teve peito de barrar o goleiro fanfarrão. Foi o que Felipão teve coragem de fazer aqui, ao barrar Romário.

A torcida argentina comemorava até o hino do país, durante a execução. Não era uma solenidade, mas uma festa. Ninguém cantava, nem os jogadores. Alguns murmuravam a letra. A torcida inglesa ouviu com respeito seu hino, mas pouquíssimos jogadores mexiam a boca. Não são apenas os jogadores brasileiros que não cantam. Pouquíssimos o fazem. Aliás, com a globalização fica difícil.

O narrador Kleber Machado, da Globo, continua com seu cacoete favorito: ?A bola explode.? E explode na trave, na barreira, nas costas de alguém, na perna do adversário. Será que não dá para ele se policiar?

Trocadilho lamentável no ?Globo Esporte? de ontem: ?E a Nigéria? Já ?éria?…?

Novo tipo de investimento?

Como a poupança do Malan e do Armínio Fraga está pagando uma merreca, está surgindo entre a população favelada do Rio um novo tipo de investimento: o tráfico.

O morador investe a sua poupança e recebe dos traficantes rendimentos equivalentes. Como funciona? Veja hoje à noite na Band. Esta é a matéria mais forte do ?Comando da Madrugada?, que voltou ao ar no sábado passado, sob o comando do mesmo Goulart de Andrade, a partir da meia-noite."

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem