Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

PRIMEIRAS EDIçõES > VIDA EM FAMÍLIA

Ficamos sem TV. Que sorte…

Por lgarcia em 30/12/2003 na edição 257

VIDA EM FAMÍLIA

Palmiro F. da Costa (*)

Quando as crianças se preparavam para dormir, uma de nossas filhas perguntou: "Mãe, como faremos quando voltar a televisão?"

Vivemos um período inusitado para uma família dos tempos modernos. Estamos praticamente sem televisores em casa. Uma onda repentina e seqüencial de quebradeira atingiu os aparelhos da família. Algo similar à entrada e ocupação das tropas russas em Pristina, Kosovo. Ninguém esperava, súbita e fatalista.

Não obstante a sensação inicial de desvalia e desconsolo, com o passar das noites fomos observando os benéficos resultados dos indesejáveis enguiços. Ficamos até espantados com tantos benefícios… o tempo de conversa familiar aumentou; o piano (relíquia de família) voltou à ativa. E como…; intensificou-se a leitura de livros, individuais e em conjunto; jantares mais serenos, participativos e conversativos; e, pelo menos uma vez por semana, reunimo-nos para rezar juntos. A despeito dos constantes shows de música e dança encenados pela caçula, o nível do volume de som geral baixou, em tempos de carência de silêncio e excesso de ruído.

Se a falta dos televisores apresentou-nos mais vantagens do que desvantagens, o que tem sido deficiente na televisão?

Primeiramente, o televisor é utilizado como "máquina de fazer silêncio". Não silêncio ambiente, ao contrário, os níveis de som são altíssimos, principalmente quando entram os comerciais. Porém, o silêncio entre as pessoas presentes. Sentados à volta da telinha luminosa (que já não é tão pequenina assim…), quando alguém esboça um comentário qualquer recebe, quase imediatamente: "Espera! Deixa eu ouvir!" Quando não ocorre até o reprovável "Cala a boca!"

Ora, o uso da televisão seria um fantástico meio para gerar discussões e debates sobre assuntos, diferentemente do "você decide, na opção A ou opção B", sem senso crítico, analítico e perscrutador. As possibilidades educacionais do esplêndido meio de comunicação vêm sendo minimizadas. Exceto certos programas das TVs Educativa e Cultura.

Ademais, o nível de qualidade da programação caiu ao ridículo. Mormente uma agenda sensacionalista, exploradora das misérias sociais, morais e artísticas. Os conteúdos temáticos de filmes, desenhos animados, programas diários de variedades e telenovelas têm representado verdadeiro atentado à moral e aos bons costumes.

Nesse período sem TV em casa, ao não acompanharem certos programas, sistematicamente, nossas crianças deixaram de fazer uso de certas expressões verbais, palavras indelicadas e até de "pseudodanças" de gosto duvidoso.

Cabe ainda registrar os efeitos perniciosos das mensagens subliminares das propagandas de bebidas alcoólicas, cigarros e prostituição sexual (nas variantes do tele-sexo) veiculadas em todos os horários. Passam uma concepção, aos seres imaturos, de que aqueles que usam são os mais bonitos, elegantes, fortes e vencedores.

Por tudo isso, o enguiço dos televisores, inicialmente desagradáveis, proporcionaram valiosas oportunidades de análise, reflexão e conclusão, no que diz respeito à acessibilidade de impressões que as crianças recebem. Impressões que podem ajudar ou não no adiantamento delas, de acordo com as contribuições daqueles que estão encarregados de sua educação.

Vibrando com o gol

No momento em que vislumbramos o retorno dos aparelhos (penso que se tornaram indesejáveis…), iniciamos em casa uma discussão circular de como proceder. Para não ficarmos olhando-os como se fossem monstrinhos estabeleceremos certas regras de convivência.

Primeiramente, o tipo de programação será devidamente selecionado, buscando qualidade de vida, a que engrandece o indivíduo e não subestima sua capacidade de discernimento, apuro de gosto e delicadeza humana. Não desejamos programas de baixo nível. Desliga-se…

Outra regra será quanto ao horário de utilização. A hora do jantar, da prece familiar, da música, da conversa… é inviolável. O televisor é complemento, não ator principal.

E o volume? Ih, essa será uma luta… Verdadeiro exercício de respeito ao espaço do outro. O vizinho não está obrigado a acompanhar e ouvir o que estivermos assistindo.

Por fim, a prioridade será absoluta para a conversa. A palavra que vale é "pessoa". O espaço de convivência poderá ser enriquecido com o uso da TV. Todavia, como instigador e estimulante para falar, discutir e conversar. Para estar com o outro.

"Olha, filha… quando voltar a TV nós conversaremos ainda mais, o piano continuará sendo tocado, persistiremos nas nossas leituras e orações familiares, manteremos os jantares com todos juntos e contaremos com mais um recurso, onde buscaremos subsídios para o engrandecimento pessoal e espiritual, nas horas de lazer saudável."

"E nos dias dos jogos do Brasil?"

"Bem, nesses casos, quem impera é a imagem da tela. Todos falam, todos calam… todos nós vibramos juntos com o gol!"

(*) Advogado no Rio de Janeiro

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem