Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Folha de S. Paulo

Por lgarcia em 03/10/2001 na edição 141


WALTER AVANCINI, 1935-2001

"Morre inovador da telenovela brasileira", copyright Folha de S. Paulo, 27/09/01

"O diretor Walter Avancini, 66, considerado um dos pioneiros da televisão brasileira, morreu ontem à tarde na clínica São Vicente, na zona sul do Rio, onde estava internado desde o dia 6.

Segundo boletim médico divulgado pela clínica, a morte, ocorrida às 14h25, foi decorrente ?de uma insuficiência respiratória provocada por um quadro de patologia prostática?. Ainda de acordo com o boletim, Avancini vinha sofrendo de discrasia sanguínea (alteração na coagulação) e hemorragia digestiva.

O médico do diretor, Sérgio Abramoff, não deu entrevistas para esclarecer as causas da morte, mas os telejornais da Globo, onde Avancini trabalhava, disseram que ele tinha câncer de próstata.

Estiveram na clínica, durante a tarde, amigos e parentes, entre eles os quatro filhos de Avancini. Ninguém falou com jornalistas.

Dezenas de pessoas, a maioria do meio artístico, como o diretor de TV Daniel Filho e os atores Ney Latorraca, Stênio Garcia, Elizabeth Savalla e Otávio Augusto, passaram ontem à noite pelo velório de Avancini, no cemitério São João Batista, em Botafogo (zona sul do Rio). A família não permitiu a entrada de jornalistas. O corpo seria cremado hoje, às 14h, no cemitério do Caju.

Avancini, que estreou na TV Globo no início da década de 60, havia retornado à emissora no ano passado, depois de dez anos afastado, para levar ao ar a novela ?O Cravo e a Rosa?.

No período em que esteve fora da Globo, o diretor trabalhou no SBT e na extinta TV Manchete.

Ele dirigia ?A Padroeira? quando, doente, teve de se afastar da televisão, deixando a continuação para Roberto Talma e o autor da novela, Walcyr Carrasco.

Avancini dirigiu novelas que foram marcos da teledramaturgia brasileira, rompendo com o estilo ?dramalhão? e trazendo uma linguagem ágil e com expressões coloquiais. Ele também inovou ao fazer uso de cenas externas.

Outra novela que contou com sua direção foi ?Gabriela? (1975), que continha, pela primeira vez, cenas ousadas de sexo e nudez. De ?Gabriela? a ?Xica da Silva? (1996), acentuaram-se as cenas de sensualidade, que se tornaram sua marca registrada.

Apesar da fama de durão, era admirado como grande diretor de atores, que valorizava o trabalho dos profissionais, buscando interpretações diferentes em cada um.

O jeito extremamente exigente de Avancini permitiu relações de amor e ódio de atores com o diretor. É o caso da atriz Taís Araújo, protagonista de ?Xica da Silva?. ?Numa das primeiras cenas, a personagem precisava suar, e ele não aceitava artifícios, queria realismo?, contou Taís. ?Só que eu não suo nem fazendo ginástica. Ele me deixou tão nervosa que acabei suando em bicas. Perdi meu grande mestre?, disse ela."

 

"Diretor encerra a carreira com ?A Padroeira?", copyright Folha de S. Paulo, 27/09/01

"Walter Avancini encerra sua carreira de mais de 50 anos na TV com a novela ?A Padroeira?, que a Globo exibe atualmente às 18h.

Sua assinatura é, no entanto, simbólica. Poucos dias depois da estréia, em junho, o diretor foi afastado por problemas de saúde.

Paulista, filho de pedreiro, Avancini teve uma infância pobre. Começou como ator de rádio aos 7 e, aos 9, era o maior salário da família. Sua origem talvez explique a opção por buscar uma linguagem realista e se afastar do melodrama. Levava a idéia ao limite, adotando um estilo de direção perfeccionista.

Angariou inimigos. Mas isso conta pouco em um dos currículos mais importantes da TV. ?Gabriela? foi um marco de sua trajetória. Tirou Sônia Braga de ?Vila Sésamo? e a levou ao estrelato. Já com ?A Deusa Vencida? (Excelsior, 65), transformou Regina Duarte na ?namoradinha do Brasil?.

Outro mérito foi a implementação de minisséries. Com ?Morte e Vida Severina?, deu à Globo, em 82, um Emmy, considerado o Oscar da TV nos EUA.

Fora da Globo, revolucionou a teledramaturgia em Portugal e montou núcleos no SBT, Band e Manchete. (Colaborou Daniel Castro, colunista da Folha)"

    
    
                     

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem