Domingo, 21 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1046
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Folha-Time: jornalismo 3S em versão brasileira (com novo drible no artigo 222)

Por lgarcia em 05/04/1998 na edição 42

 

S

imple, Short and Stupid” são os 3S de um tipo de jornalismo hoje amplamente praticado nos Estados Unidos. O semanário Time, que, até a sua incorporação ao império Warner, mantinha um razoável padrão de qualidade, aderiu à formula simplista do telejornalismo impresso. Hoje, é uma sombra do que foi, inclusive em matéria de prestígio.

A fórmula começou a entrar semanalmente no Brasil, a partir de 2/4, nas páginas da Folha, justamente o jornal que apregoa um compromisso crítico. Todas as quintas, a Folha está publicando um tablóide de 24 páginas simulando uma versão brasileira da Time: média de sete matérias, internacionais, sempre no gênero light, com uma página ainda mais light, tipo “Gente” (americanos, claro).

O Jornal do Brasil já faz o mesmo com a Fortune (do mesmo grupo), também a Gazeta Mercantil com uma publicação mais densa, o Foreign Affairs. O Estadão reproduz semanalmente quatro páginas do Wall Street Journal.

Estas publicações simuladas ou disfarçadas nada têm a ver com a tradicional publicação de artigos isolados, comprados aos grandes jornais internacionais (New York Times, Financial Times, The Guardian, El País, Le Monde, etc.).

São inseminações artificiais, preparação para o lançamento no país de edições autônomas em português. Sem nenhum benefício direto ao mercado jornalístico brasileiro, a não ser a contratação de tradutores.

São igualmente ensaios de parcerias empresariais ou parcerias empresariais disfarçadas para driblar o artigo 222 Constituição, que, teoricamente, vedaria a entrada de capitais externos em empresas jornalísticas brasileiras.

No caso da Time, a iniciativa faz parte da luta Abril versus Globo. Como se sabe, a Editora Globo, pertencente ao grupo Roberto Marinho, vai lançar breve um semanário para concorrer com a Veja. Do projeto fazia parte um contrato com a Time para a compra de suas matérias.

A Abril correu e não deixou. Em troca, aceitou lançar People em português (velho desejo dos americanos) e negociou para a Folha a compra dos direitos do semanário que, assim, entra sub-repticiamente no mercado brasileiro.

Com uma parcela ínfima destes investimentos poderíamos ter jornais com mais espaço e correspondentes brasileiros fixos nas principais capitais do mundo – como sempre foi da tradição brasileira.

Todos saem ganhando, menos os leitores.

 

OS OBSERVADORES

 

LEIA TAMBEM

1997, Ano Marrom, uma agenda para não repetir

Transparência que falta

Mais uma burla ao artigo 222!

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem