Terça-feira, 19 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

PRIMEIRAS EDIçõES > CRIANÇA

Gilberto Dimenstein

Por lgarcia em 13/06/2001 na edição 125

ASPAS

SANDY & MORALIDADE

"A virginal Sandy e a promiscuidade sexual", copyright Pensata (www.folha.com.br/pensata), 11/06/01

"Raramente vejo qualquer capítulo de novela, por absoluta falta de tempo e de interesse. Daí meu espanto atrasado com a Estrela Guia, protagonizada por Sandy. Não fosse a novela protagonizada pela rainha das virgens, transmitida em horário infantil, talvez, muito provavelmente, não tivesse razão para espanto.

Numa das cenas do sábado passado, a mulher flagra o marido fazendeiro, na sua própria casa, com duas amantes que, obviamente, estavam interessadas apenas em dinheiro. Eles discutem, mais fica por isso mesmo: a esposa aceita que as amantes durmam em casa e, no dia seguinte, confraternizem num majestoso café da manhã da fazenda. Não é só.

A mesma esposa traída, peruíssima, dança sensualmente, numa festa ao ar livre, com o musculoso capaz. E na frente do marido, que também está com as duas amantes _ uma delas, também interessada no tal capataz. Misturado a prazer e alegria, aquela promiscuidade aparece, com ares de normalidade, nas telas.

Não sou do tipo moralista e, aliás, tenho horror de quem fica preocupado com os prazeres alheios, em cruzadas que, na maioria das vezes, são hipócritas. O problema é que, naquele horário, cenas como essas transmitem valores para crianças ainda sem capacidade de discernimento. São esses valores que consideramos corretos?

Vive-se, no país, uma crônica crise moral, estampada em manchetes todas as semanas: nesta semana, abordam, mais uma vez, o presidente do Senado, Jader Barbalho, com novas revelações. É uma crise de falta de princípios.

Tudo bem que a mídia queira mais Ibope, faturar com a audiência, entende-se, é a regra do jogo, mas daí a estimular a total falta de princípios, num horário infantil, vai uma longa distância.

Goste-se ou não, queria-se ou não, o papel dos comunicadores e educadores responsáveis é servir de contraponto ao clima de descuido, omissão e irresponsabilidade que testemunhando no país."

"Sandy sobe faturamento do Shoptime", copyright O Estado de S. Paulo, 5/06/01

"Prestes a encerrar seu expediente para a novela Estrela Guia – esta é sua última semana de gravações – Sandy é a grande surpresa em vendas do site criado a partir do canal Shoptime.

O colar da personagem Cristal é o alvo de tanto espanto. ?No mês de abril foram vendidos sete colares?, diz Marcelo Duarte, diretor da Central Globo de Desenvolvimento Comercial. Detalhe: cada peça custa R$ 2.700,00.

Outra fonte que deve render lucros é o Mais Você. Imãs de geladeira que imitam bichos e outros itens do cenário de Ana Maria Braga são as próximas novidades a serem vendidas no site. Os produtos devem estar disponíveis neste mês. ?Quando tivermos maior capacidade de armazenamento e entrega, pretendemos vender fogão e o sofá, por exemplo?, diz Duarte.

Focado na dramaturgia – Malhação acaba de integrar o catálogo – o site promete estar mais ligado às tramas da Globo na próxima leva de novelas, lançando os produtos simultaneamente às cenas na TV.

O próximo passo desse comércio pode ser com Luciano Huck e Xuxa. ?Temos de estudar quais os produtos que despertam o desejo dos telespectadores?, afirma Duarte. Por isso, A Grande Família não entra no pacote. ?Os objetos da casa não têm o perfil do nosso público do site?. Segundo Duarte, grande parte dos compradores são das classes A e B."

CRIANÇA

"Programação infantil vive do passado", copyright Folha de S. Paulo, 10/06/01

"Se, como no desenho ?Futurama?, uma criança fosse congelada em meados dos anos 80 e acordasse, não mil anos depois, como o personagem Fry, mas em uma manhã qualquer do ano 2001, não iria ficar tão desnorteada. Pelo menos não se ligasse a TV.

Apesar da invasão de Pokémons e Power Rangers, que tomaram conta da televisão nos últimos anos e, sem dúvida, fazem sucesso, personagens como Picapau, Tom & Jerry e Perlonga -todos já sessentões, criados nos anos 30 e 40- continuam povoando programas e canais infantis e ainda têm lugar garantido na lista dos preferidos entre as crianças.

No Cartoon Network -canal de desenhos que segundo o Ibope é o mais assistido da TV paga em São Paulo e no Rio- o ?talk show? comandado pelo super-herói Space Ghost, criado em 1966, é o terceiro mais visto pelos assinantes, apesar de o líder do canal ser o moderninho ?Pinky e Cérebro?.

Os ?velhinhos?, aliás, marcam presença na classificação do Ibope para os desenhos mais vistos da TV paga. Na sexta posição dessa lista, está o clássico ?Tom & Jerry?, que existe desde 1940 e também é exibido pelo Cartoon. ?Picapau?, exibido pelo Fox Kids, aparece em 11? lugar, ?Os Flintstones?, em 16?, e ?Pernalonga?, em 22? (ambos no Cartoon).

O sucesso dos desenhos clássicos é tão grande que o grupo Turner -a quem pertence o Cartoon- vai lançar no Brasil um canal dedicado exclusivamente a eles (leia texto ao lado).

?Esses desenhos são atemporais, seus personagens não envelhecem nunca. O humor inocente usado nos desenhos da dupla Hanna-Barbera ainda é popular entre as crianças de hoje?, explica Cindy Kerr, vice-presidente de programação do Cartoon para a América Latina.

Para a psicanalista infantil Ana Olmos, o segredo do sucesso desses desenhos é que as crianças se identificam com os conflitos criados pelos personagens. ?Os desenhos mostram sentimentos centrais, como amor, raiva, medo, muito definidos, o que ajuda a criança a identificar esses sentimentos?, diz.

Mas não é só na TV paga que os ?velhinhos? fazem sucesso. Em boa parte das manhãs, o SBT consegue vencer a Globo na guerra pela audiência exibindo desenhos com personagens como Papa-Léguas, Ligeirinho, Gaguinho, que já divertiram gerações passadas. A ?Hora Warner?, faixa de horário na qual são exibidos, frequentemente ganha da Globo ou empata com a programação da emissora, que no horário (das 8h às 9h) está exibindo o ?Mais Você?, com Ana Maria Braga.

?Nós sempre renovamos o contrato para exibição desses desenhos, porque são sucesso garantido entre crianças e até adultos -que formam boa parte do seu público?, diz Mauro Lissoni, diretor de programação do SBT.

Concorrendo diretamente com o infantil ?Bambuluá com Angélica?, que tem atrações como ?O Máskara? e ?Rocket Power?, o ?Bom Dia & Cia.? (das 9h às 12h), também do SBT, é outro que incomoda a audiência global com desenhos clássicos.

Mas a mais antiga ?pedra no sapato? da Globo é o seriado mexicano ?Chaves?, que começou a ser produzido em 1975. Exibido pelo SBT desde 1984 e reprisado à exaustão -já que é diário e a emissora possui cerca de 140 episódios- a série já fez o programa de Ana Maria Braga na Globo mudar de horário e quase diariamente derrota (ou pelo menos empata com) a novela exibida no ?Vale a Pena Ver de Novo?.

?O ?Chaves? é nosso coringa. Atinge todas as faixas sociais e etárias, tem uma audiência garantida, e, melhor, nunca pede aumento nem sai de férias?, diz Mauro Lissoni. A cada cinco anos, o SBT renova automaticamente com a rede mexicana Televisa o contrato de exibição da série.

O sucesso do seriado fez o canal passar a exibir, há dois sábados, o ?Clube do Chaves?. A produção, que data de 1990, traz Roberto Bolaños (o Chaves) vivendo personagens diferentes e contracenando com os atores do seriado original.

Um exemplo nacional de permanência continuada no vídeo é o humorista Renato Aragão, que está no ar pelo menos desde a década de 70. Mesmo com o final de seu grupo, ?Os Trapalhões? (com a morte dos colegas Mussum e Zacharias), permaneceu no gosto das crianças, primeiro com uma sequência de reprises de velhos programas, depois com ?A Turma do Didi?, ainda exibida na Globo.

?Baixinhos?

E se a tal criança que foi congelada nos anos 80 no início deste texto fosse um pouco preguiçosa e esperasse até o final deste ano para acordar, poderia ainda (re)encontrar Xuxa à frente de um programa infantil diário.

Há duas semanas, a apresentadora anunciou que vai voltar a ter uma atração diária. O projeto deve se chamar ?Xuxa só para Baixinhos? -e, pelo jeito, não será muito diferente do ?Xou da Xuxa?, exibido pela Globo de 86 a 92.

?Pode até parecer repetitivo para quem assistia ao programa antigo, mas não para as crianças de hoje, que nunca viram o ?Xou da Xuxa?, diz Marlene Mattos, diretora do projeto.

Não é apenas o público infantil, no entanto, o alvo do ?revival? que atinge a televisão. A partir de amanhã o canal Fox Kids estréia o ?Bloco Insônia?, das 23h às 2h. Além de desenhos antigos, o programa resgata a série ?Batman?, estrelada por Adam West, sucesso nos anos 60."

    
    
                     

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem