Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > GOVERNO LULA

Ivson Alves

Por lgarcia em 27/01/2004 na edição 261

GOVERNO LULA

“Dois pesos, duas medidas”, copyright Comunique-se (www.comunique-se.com.br), 26/01/04

“Lá pelo fim do ano passado, a imprensa informou que o Governo Lula ficou desconcertado com a percepção da população de que a corrupção oficial cresceu no país em 2003. A perplexidade ficou por conta do fato de o governo não ter escorregado muito neste campo – a não ser nas mordomias usufruídas por Benedita da Silva (agora devidamente defenestrada), na Argentina, e Agnelo Queiroz, na República Dominicana – , e, ao contrário, ter instituído a Controladoria Geral, a cargo de Waldir Pires, que vem fazendo um bom e sério trabalho para impedir o desvio de verbas federais, o mesmo se podendo dizer da Polícia Federal em relação a diversas investigações. Então por que o aumento da percepção?

Ora, custa a crer que um governo tão ?media oriented? como esse não tenha sacado a resposta. É que a mídia tem dois pesos e duas medidas também quando se trata de corrupção. Quando o suspeito é um político ou servidor público – seja ele magistrado ou barnabé -, os veículos de comunicação vão para cima com tudo, chegando ao exagero de condenar o suspeito sem lhe dar chance de defesa. Mas quando a corrupção tem origem no setor privado, aí a coisa é diferente: todo mundo olha para o outro lado.

Exemplo? Vamos a um recente. Na mesma época em que soubemos da perplexidade governamental, o poderoso Abílio Diniz disse, com todos os efes e erres e numa entrevista coletiva, que duas redes de supermercados cariocas sonegavam impostos e por isso vendiam mais barato que a concorrência. A imprensa registrou a denúncia, repercutiu burocraticamente e… enterrou o caso. Não se fez uma investigação sobre a questão, nem mesmo se procurou aquelas sempre prestativas fontes da Receita. Nada. Nothing. Rien. Niente. Nichts. O assunto simplesmente ?mórréu?.

Semana que vem escrevo sobre as razões pelas quais, acredito, ocorre semelhante fenômeno.

Reforma on line – O meu vizinho de portal Mário Lima Cavalcanti pode me corrigir, mas creio que o governo Lula realmente inovou em termos mundiais. Tenho a impressão de que esta deve ter sido a primeira vez que uma reforma ministerial foi transmitida pela internet, em tempo quase real. O auge foi na sexta-feira, dia D das mudanças. Desde a manhã, os sites dos principais jornais mandaram para a Rede flashes dando conta que o presidente fez isso ou aquilo, que o líder do partido tal tinha acabado de chegar, ou sair, do Planalto, que o ministro fulano estava sendo cogitado para ser defenestrado do poder, ou, dez minutos depois, sendo transferido para outra pasta etc.

Na próxima reforma, é bem capaz de ter transmissão pela tevê, com narração do Galvão Bueno.

Quem avisa… – Na Época da semana passada saiu nota numa coluna dando conta que há arapongas grampeando membros da família do presidente e que isso poderia acabar mal, pois Lula não iria perdoar algo como a repetição do Caso Lurian (se você é jovem demais para lembrar disso, dá uma procurada no Google). O aviso, obviamente, não era para os arapongas, que esses não irão se deter por advertências – apenas tomarão mais cuidado em suas trampolinagens. O recado foi para os veículos de comunicação, pois a fabricação de dossiês para chantagem e/ou uso político só se sustenta porque a mídia brasileira se viciou em publicá-los, fazendo o jogo dos chantagistas. Dessa maneira, está todo mundo avisado: quem publicar ?reportagens investigativas? que sejam oriundas de grampos sofrerá as conseqüências. É bom lembrar que aquela graninha amiga do BNDES (o ?hospital do Dr. Lessa?, como prefere a Veja) ainda não saiu.

Sinalização – Por falar em colunas…Semana passada foi divulgado o símbolo que irá aparecer nas embalagens de produtos que contenham ingredientes transgênicos. É um ?T? no meio de uma triângulo, num leiáute muito parecido com aquele de placas de trânsito. Os jornais e revistas poderiam aproveitar e também fazer uso do símbolo em muitas de suas colunas. Para especificar o tipo de plantação.”

“?Contratos devem ser respeitados?, afirma Eunício Oliveira”, copyright Telecom Online, 23/01/04

“O ministro das Comunicações, Eunício Oliveira, que foi empossado pelo presidente Lula agora à tarde juntamente com outros oito ministros, afirmou que os contratos assinados com as operadoras de telecomunicações serão respeitados pelo governo. Ele fez esta afirmação quando indagado se iria também se insurgir contra os reajustes tarifários do setor, a exemplo do ex-ministro Miro Teixeira. Oliveira ressaltou que o atual governo estará sempre sensível aos preços e tarifas que afetam a população brasileira, mas que irá sempre respeitar os contratos assinados. Quanto ao relacionamento com a Anatel, que foi bastante tumultuado no início da gestão Miro Teixeira, o novo ministro afirmou que ? é conciliador por natureza.? O novo ministro deverá dar continuidade ao projeto nacional de TV Digital. Segundo ele, existem no mundo 7 bilhões de habitantes, e, se Brasil, Índia e China unirem-se em prol de uma tecnologia própria serão 2 bilhões de habitantes que optaram por este padrão. ? Por que não podemos desenvolver um projeto próprio??, indagou.

O ministro confirmou ainda que é proprietário de três emissoras de rádio no estado do Ceará, mas não vê qualquer conflito com o novo cargo que assume. ?Não estou pleiteando qualquer outra nova emissora. Possuo estas emissoras há muitos anos. Não vejo nenhum problema?, afirmou.

Na próxima segunda-feira (26) o ministro terá encontro com Miro Teixeira e sua equipe para se inteirar dos temas de sua pasta e na terça-feira haverá a transmissão do cargo. Oliveira deixou claro que o PMDB, que passa a integrar o primeiro escalão do governo, quer exercer todo o seu poder. ? O PMDB vai fazer o comando dos ministérios que lhe pertencem?, afirmou. Na solenidade de posse dos novos ministros, o clima era muito mais de despedida do que de comemoração pela formação da nova equipe. O presidente Lula dedicou a maior parte do seu discurso explicando porque teve que fazer a reforma. ??E doloroso do ponto de vista político e humano. Mas quando se está no papel de chefe de estado devemos fazer coisas boas e ruins, como dizer ao companheiro que ele não está mais no governo?, afirmou o presidente. Embora Eunício Oliveira tivesse com seu nome sacramentado há vários dias, hoje, na solenidade, o presidente Lula quase esquece de anunciá-lo. Depois de ler o nome dos oito ministros e do novo líder do governo da Câmara Lula afirmou: ?está faltando um nome na minha lista. Ah sim, é o companheiro Eunício Oliveira, que será o nosso ministro das Comunicações?.

Tomaram posse os ministros Tarso Genro, para o ministério da Educação; Ricardo Berzoini, ministério do Trabalho; Amir Lando, ministério da Previdência Social; Patrus Ananias, Desenvolvimento Social e Combate à fome; Eunício Oliveira ministério das Comunicações; Eduardo Campos, ministério da Ciência e Tecnología; Aldo Rebelo, ministério da coordenação política e institucional; Jacques Wagner que virou secretário especial do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social; e Nilcéia Freire na Secretaria Especial de Mulheres.”

“Ministro prepara cronograma de ações para 2004 para entregar ao sucessor”, copyright Telecom Online, 21/01/04

“O ministro das Comunicações, Miro Teixeira, preparou um levantamento das principais ações do Ministério, previstas para este ano, para entregar ao seu sucessor. O documento, segundo ele, foi apresentado na semana passada na reunião da Câmara de Política Social do governo. O documento apresenta o valor aprovado para investimento em cada projeto e a expectativa de geração de empregos. Os números do orçamento, entretanto, não devem ser levados em conta, na avaliação de Miro Teixeira, porque recursos adicionais podem ser liberados de acordo com a necessidade. ?É o caso do Fust?, afirmou. Segundo ele, a liberação de recursos será de acordo com os projetos. E isso já está acertado com o ministro da Fazenda, Antônio Palocci. No documento, o ministro informa que a previsão orçamentária é de aplicação de R$ 40 milhões de recursos do Fust neste ano (R$ 20 milhões na implantação do Fust Banda Larga – Conexão de Computador, R$ 10 milhões para o Fust Telefonia, e R$ 10 milhões para o Fust Banda Larga – Conexão). O Funttel entrará com R$ 71,779 milhões para custear 20 projetos de fomento ao desenvolvimento de novas tecnologias nas telecomunicações e R$ 47,167 milhões para 12 projetos da TV Digital. Ainda serão investidos R$ 900 mil, de recursos de taxas e do Tesouro, em outorga de rádios e televisões, especialmente as comunitárias e educativas. Miro Teixeira elencou ainda os projetos da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, como o Banco Postal e CorreiosNet. Nesses dois programas, a ECT vai investir R$ 59 milhões, este ano. No Correio Híbrido – correspondência transmitida por meio eletrônico em parte do trajeto – serão investidos R$ 20 milhões e na ampliação da infra-estrutura de produção e distribuição, R$ 17,8 milhões.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem