Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1060
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Joaquim Fidalgo

Por lgarcia em 12/09/2001 na edição 138

PÚBLICO

"O Público e o ?Publico.pt?", copyright Público, 9/9/01

"Já por diversas vezes se me dirigiram leitores, estranhando deparar com versões não coincidentes da mesma notícia no Público/ edição impressa e no Público/ edição electrónica.

Dois exemplos: há meses, o leitor Carlos Coimbra, residente no Canadá, enviou-me cópia de um pequeno texto que lera no Público, via computador, e onde espantava tão grande quantidade de erros em tão escassas linhas. Como teria aquele escrito escapado às rotinas de revisão que, mesmo com falhas, vão funcionando no jornal? Consultada a versão em papel do mesmo texto, verifiquei, porém, que todas as asneiras estavam devidamente corrigidas.

Agora, o leitor Manuel Ivo Cruz manifestou-me a sua perplexidade por ver que um artigo sobre a sua actividade artística, publicado no suplemento ?Mil Folhas?, vinha inteiro na versão electrónica do Público mas amputado de um trecho no jornal impresso. ?Quero anotar esta novidade do nosso jornalismo que inaugura o conceito, cheio de potencialidades e subtileza, da publicação simultânea de diferentes versões dos [mesmos] artigos?, comenta, para acrescentar: ?Parece-me prática perfeitamente legítima, decorrente da diversa natureza dos ?media?, mas devemos então ficar a saber que o Público on-line não corresponde estritamente ao Público impresso??

Curiosamente, o leitor dava à mensagem que me dirigiu o título: ?O Público virtual e o concreto?. A questão, como adiante se verá, é que ambos os ?PúblicoS? (o ?real? e o ?virtual?) são concretos, embora diversos nas formas que usam – e no próprio conteúdo informativo.

Misturam-se aqui duas questões diferentes, e parece útil explicá-las aos leitores. Por um lado, temos percalços técnicos que fazem com que, involuntariamente, surjam on-line textos do Público não revistos; por outro lado, temos decisões, agora voluntárias, de aproveitar o suporte electrónico para alargar a informação que, na versão impressa, sofre limitações de espaço.

No princípio do on-line, em 1995, havia só um Público, com a novidade de poder ser lido por duas vias: papel (mediante a compra de um exemplar) ou computador (mediante acesso à Internet). Electronicamente era distribuída apenas a versão única do jornal, e tudo estava integrado na mesma empresa, sendo feito pelas mesmas pessoas.

A pouco e pouco, o Público on-line foi-se desenvolvendo e autonomizando, criando, no sítio ?publico.pt?, um conjunto de novos serviços informativos – o Última Hora, por exemplo, com actualizações ao longo do dia – que iam para além do jornal impresso. Este modelo aprofundou-se até ao momento em que o ?Público.pt? se destacou totalmente do Público: hoje trata-se de uma empresa autónoma, com uma Redacção própria, com uma Direcção independente, e que disponibiliza aos utentes, via Internet, um vasto conjunto de serviços. A versão diária do jornal Público é apenas um de entre esses muitos serviços que o ?publico.pt? oferece, com base num esquema de colaboração contratualizado entre ambas as empresas. Há ligações entre as duas equipas, mas há também lógicas independentes.

Daí o dizer-se que temos, hoje, dois ?PúblicoS?.

Este esclarecimento não responde, todavia, às dúvidas acima apontadas. Se o ?publico.pt? disponibiliza, entre múltiplos serviços, a versão diária do jornal Público (aliás, fornecida por ele próprio ao ?publico.pt?), seria expectável que fosse coincidente com a de papel. E então?…

Nuns casos, temos os tais percalços técnicos. Eles ocorrem por causa da tramitação dos textos no interior da Redacção. Em regra, um texto, depois de escrito pelo jornalista, visto pelo editor da secção e revisto pelo serviço de ?copy desks?, é enviado para a paginação (em papel) e, simultaneamente, para o suporte on-line. Ora, com alguma frequência, é necessário proceder a alterações (nos títulos, no tamanho dos textos, neste ou naquele pormenor) já em plena fase de paginação. Essas alterações acabam por ser fixadas na edição em papel, mas podem não o ser na edição on-line, para onde o texto foi enviado antes das ditas mudanças finais. E é este ?esquecimento? de revisão do texto enviado para o suporte on-line que faz com que um escrito saia corrigido no papel mas gralhado na versão electrónica.

O ideal seria que só seguissem para o suporte on-line os textos depois de ?fechados? na sala de paginação mas, como explica o director-adjunto do Público, Nuno Pacheco, o sistema informático ?não está configurado para isso, e é pena?. A coincidência das duas versões fica dependente de uma atenção suplementar das pessoas: correcções de última hora introduzidas na versão papel teriam que ser repetidas também no texto anteriormente enviado para o ?publico.pt?. E isso nem sempre sucede.

Temos, entretanto, a outra situação que já não é acidental, mas deliberada. Volta Nuno Pacheco: ?Muitas vezes há textos que têm de ser cortados na paginação [por razões de espaço] e, nesse caso, opta-se por manter na Internet a versão integral. Se não houvesse on-line, os leitores jamais saberiam que parte da notícia (ou entrevista, ou reportagem) tinha sido suprimida por exigências de espaço, o que é normal na edição jornalística. Mas como há a possibilidade de manter versões integrais dos textos noutro suporte (a net), achamos que isso pode ser benéfico para os leitores e não o contrário?.

Esta particularidade não é, aliás, exclusiva do Público. Outros jornais, mesmo sem edições electrónicas autónomas, decidem por vezes disponibilizar no seu ciberespaço, por exemplo, o conteúdo integral de longas entrevistas que a edição em papel só parcialmente dá. E o leitor é informado: se quiser ler trechos da entrevista que (por razões de espaço e de lógica editorial) foram suprimidos, consulte a versão electrónica do jornal. O mesmo se diga de documentos que são apresentados no jornal em síntese jornalísticamente elaborada, e a cujo conteúdo integral se pode dar acesso via computador. Trata-se, afinal, de aproveitar as especificidades de cada um dos suportes por que é veiculada a informação, sendo que os constrangimentos e as virtualidades de um não são os do outro.

Em resumo: o ?publico.pt? é, hoje, uma entidade autónoma do Público, sendo que, entre outros serviços, disponibiliza também a versão diária do jornal. Aqui, aceita-se que possa dar mais informação (a que não cabe no jornal-papel) mas convém que os leitores disso sejam avisados. O que parece menos aceitável é que a versão diária do jornal Público oferecida (e apresentada como tal) através da Internet contenha erros ou lapsos que foram, entretanto, corrigidos no papel. A tramitação dos textos e o tal sistema informático que, segundo Nuno Pacheco, está na origem destes acidentes técnicos, merecem uma revisão."

    
    
                     

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem