Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > GOVERNO LULA

João Ubaldo Ribeiro

Por lgarcia em 01/01/2003 na edição 205

GOVERNO LULA

"Esse governo de Lula", copyright O Estado de S. Paulo, 29/12/02

"Posso estar enganado, mas eu, que já passei quase dois anos do sessentinha, nunca vi disso, nem quando Jânio ganhou a eleição e fez seguidores fanáticos no Brasil todo, cada cidade contando com pelo menos um sujeito que era a cara do Jânio Quadros, queria ser a cara dele e o imitava em tudo. Em Salvador, havia uns dois, um dos quais até me cumprimentava, passeando de um lado para o outro na Praça Tomé de Souza, com um ar tresloucado, as melenas escorridas pelos lados da testa, os óculos na ponta do nariz, a gravata e o paletó tortos, vassourinha na lapela – tudo, enfim.

Ele era Jânio Quadros.

Mas isso nem se compara ao que se passa agora, depois da eleição de Lula. Às vezes, tentando um distanciamento que sei impossível, fico imaginando que a classe média com que convivo está assim excitadamente ambivalente, como uma criança que torce para que sua travessura traga prazer e não problemas. E ouço gente que até votou nele, mas volta e meia não consegue sopitar uma referência à sua ?falta de preparo? (?erros? de português) e semelhantes atributos. (Harry Truman, um dos presidentes mais afirmativos da História americana, era dono de uma loja de adereços masculinos falida, numa cidadezinha do Missouri. Quando Roosevelt morreu e ele teve de assumir, sofreu um enorme cagaço durante uma noite e depois virou quem virou, a guerra fria que o conte.) O assanhamento é geral e, dos jornais aos papos de boteco, das tevês à internet, já se deve ter produzido, somente da eleição de Lula para cá, mais material do que, por exemplo, todo o governo Dutra, no tempo da manivela (tudo, carro, telefone, toca-discos, máquina registradora, máquina de lavar – o rolo de espremer a roupa -, tudo tinha manivela).

Não, não é só porque a transmissão e o acúmulo de dados são astronomicamente maiores do que no tempo da manivela, é porque parece ter havido algo diferente nessa eleição. Sim, claro que houve, mas não sei bem o que seria de fato importante. A ascensão social e política de um pau-de-arara mostraria como, a despeito de tudo, somos um país onde quem tem competência, denodo e força de vontade pode chegar a limites insuspeitados. Será só isso?

Acho que não. Não consigo botar o dedo no fator desse clima em que agora imergimos. Certamente é porque não se trata de um só fator, mas de uma combinação difícil de dissecar. A verdade é que há um assanhamento e, mesmo que ainda estivéssemos no tempo da manivela, ele seria notável, seria o maior já visto. Às vezes, no decorrer de um dia, tenho a impressão de que está todo mundo discutindo o governo Lula. Sim, porque, para os discutidores, o governo Lula já começou. Faz-se a ressalva retórica de que ele ainda nem tomou posse e passa-se a uma análise apaixonada da situação nacional sob o governo dele.

Nada escapa, como a constatação de que ele usava uma estrela do PT na lapela, ao encontrar-se com Bush, que, para grande vergonha nossa, exibia, se bem me lembro, uma bandeira americana, também na lapela. Caso de alta relevância. Lula não era, nem ainda é, o presidente do Brasil. É o líder mais importante do partido que ele construiu e que, descontadas análises políticas altissonantes e obnubilantes, o levou ao posto que ele ocupará dentro de poucos dias. Mas, na falta de ter o que criticar e não havendo Lula tentado falar inglês, a estrela da lapela já constituiu matéria para discussões, artigos, cartas e palestras. Entretanto, pensem bem, aqui entre nós: será que a vanglória discreta da estrela na lapela não foi apropriada para um encontro como aquele? Eu acho, e não sou do PT, não sou de partido nenhum.

E já assisti a arranca-rabos homéricos, por exemplo, sobre o ministro Gil.

Até eu, que quase nunca o vejo pessoalmente, mas o conheço desde o tempo remoto em que ele era estudante na Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia (e eu era professor, não contem a ninguém), já me meti em discussões, embora deteste discutir. Mas sou baiano e, segundo um debatedor de boteco algo hiperbólico, ?um titã da cultura? – e aí não me deixam ficar fora dos debates. E, reconheço, reconheço, já fiz críticas à escolha de Gil.

Apesar da pouca convivência, sempre gostei dele, nossos santos se dão bem, como se diz, mais ou menos, em nossa terra. Por isso mesmo é que sou contra ele no ministério. Não vai funcionar direito e isso não é agouro, é previsão com enorme chance de acerto. O fato de Gil ser artista não quer dizer nada, nesse caso. Einstein provavelmente traria o caos, administrando o Departamento de Física de uma instituição qualquer. Esse negócio de achar que só um especialista na matéria pode administrar determinadas áreas é bobagem. Grandes médicos podem ser péssimos administradores de clínicas ou secretarias de saúde, o mesmo acontecendo com grandes engenheiros, advogados e assim por diante. Os talentos são diferentes. Podem coincidir no mesmo indivíduo, mas geralmente não coincidem.

E Gil talvez haja sido inábil, quando falou nos 8.000 que não davam para ele, assim ensejando declarar-se hipocrisia geral. Com que então ele ousava dizer que, num país de miseráveis, não pode viver com 8.000? Claro que todo mundo está careca de saber que Gil é um artista, sim, mas as circunstâncias o levaram a também ser uma empresa, muito para além do nível familiar, com uma porção de gente dependendo dele, de músicos a boys. E aí vai ficar o ministro Gil, segundo diz aqui na gazeta, dando uns shows nos fins de semana, com a galera gritando ?Realce, Excelência!?? E como é que o ministro da Cultura vai ser patrocinado? Como é que ele vai bolar shows, ensaiar shows e gravar discos? Como é que um artista necessariamente ocupadíssimo em sua seara vai poder dedicar tempo integral ao Ministério da Cultura, que todo mundo sabe que está precisando, entre muitas outras coisas, de um dia de 48 horas? Gil ser ministro é como um amor e uma cabana – só dá certo em fim de filme americano antigo. Mas há que aceitar-se que cada qual seja como cada qual e, claro, torço por ele. Agora, quanto a outros aspectos do governo Lula, não sei bem; só sei que, quase no dia da posse, ainda não vimos nenhuma realização concreta. (Atenção, leitores, este último período é ironia; o Millôr, o Verissimo e a vida me têm mostrado como é preciso ter o cuidado de fazer este lembrete.)"

 

"A nova e grande mídia chapa branca", copyright Comunique-se (www.comunique-se.com.br), 27/12/02

"Assumirá o poder federal nos próximos dias o PT, partido que conta com a simpatia e militância de nove entre dez jornalistas brasileiros. A expectativa resume-se no comportamento que irão adotar estes profissionais diante dos primeiros conflitos e problemas a serem enfrentados e administrados pela maior agremiação esquerdista do país, agora no comando da nação, após 22 anos de espera.

Veremos em pouco tempo qual a postura que irá adotar a imprensa, e quando digo imprensa, refiro-me aos seus profissionais, não aos controladores das empresas de comunicação. Estes, inapelavelmente, irão apoiar os detentores do poder de plantão, não havendo qualquer surpresa neste movimento adesista e de troca de interesses.

Minha curiosidade é maior, portanto, no que diz respeito aos editores e repórteres petistas que, de fato, controlam as redações dos principais jornais, revistas e emissoras do país. Sabemos, por exemplo, que é costume de partidos como o PT culpar os outros pelos próprios erros e atribuir ao ?inimigo? à mão os eventuais fracassos de suas administrações.

Dada a sua natureza, para o PT será normal e freqüente a existência de bodes expiatórios nas fileiras do ?capitalismo ianque?, na ?globalização? e entre os ?opressores do povo?. Diante disso, será interessante observar até que ponto os jornalistas irão subscrever este comportamento auto-indulgente do partido que adoram, agora não apenas no leme de uma prefeitura mas na Presidência da República.

Irão simplesmente veicular as declarações ?contorcionistas? sem qualquer crítica ou irão além, ou seja, farão com que editorialmente elas atinjam tal grau de veracidade que a todos realmente parecerá que são os outros e não o governo petista quem impede o crescimento do país e o cumprimento de suas metas e promessas de campanha?

Recentemente, tivemos um bom exemplo com a declaração de Lula de que estava sendo difícil para o PT compor seu ministério dado que são muitos os bons ?jogadores? no Brasil, o que tornaria difícil a ?escalação? dos nomes.

Ora, sabemos muito bem que, ao contrário do que diz Lula, foi penoso preencher os cargos de primeiro escalão por outros motivos. O predomínio do próprio PT na Esplanada dos Ministérios já indica que o partido não conseguiu compor com outras legendas para formar um ministério menos partidário, como alegavam seus caciques. O ministério do PT é o do ?se não tem tu, vai tu mesmo? e é diante de situações deste tipo que poderemos aferir a independência da mídia em geral, noticiando ou não a verdade por trás das declarações do presidente e seus assessores.

Mas qual será a participação dela diante da eventual frustração da chamada ?opinião pública?? Conseguirão os jornalistas simpáticos a Lula contornar editorialmente as pedras no caminho da ascensão do socialismo petista? Ou até quando irão eles tolerar os possíveis erros da administração que se inicia em janeiro?

Saberemos em breve se a paixão política e ideológica da imprensa brasileira pelo PT será mais forte que a verdade dos fatos e a admissão dos problemas que, naturalmente, chegarão ao conhecimento do público. Se antes de assumir o poder máximo da República o PT já contava com a ajuda da mídia, agora, mais do que nunca, ele precisará dela para garantir os melhores índices de aprovação ao seu governo, criando-os de fato ou artificialmente.

Como já disse, resta saber até que ponto chegará o tamanho da adesão dos jornalistas àquele que não é mais oposição e sim, agora, o próprio governo. Posso estar enganado, e tomara que esteja, mas veremos nascer em breve, no Brasil, a maior mídia chapa-branca da história da imprensa nacional. Que pelo menos haja espaço para a crítica ao PT. É o que desejo como jornalista à mídia do meu país."

 

"Novo governo", copyright Folha de S. Paulo, 28/12/02

"?Parabenizo a jornalista Gabriela Wolthers pela excelente crítica ao novo ministério anunciado pelo presidente Lula (?Tem gente sobrando?, Opinião, pág. A2, 26/12). Diante do Lula -antes e depois das eleições-, manifestei minha convicção sobre a tarefa e a importância do Ministério do Planejamento, infelizmente reduzido a uma Secretaria de Orçamento. No Planejamento poderia estar englobado todo o processo de definição de proposta de desenvolvimento com suas diretrizes, eixos e prioridades. De fato a jornalista está certa. Vai haver muita trombada. No ?Painel? (Brasil, pág. A4) de 26/12, há duas notas (?Ira santa? e ?Cisma político?) iniciais em que sou mencionado. O título deveria ser ?Santa emulação?. Oxalá a Igreja Católica -da qual sou bispo- colocasse toda a sua estrutura a serviço dos pobres e famintos. Oxalá a Igreja Universal -do bispo Rodrigues- colocasse igualmente toda a sua riqueza para que os excluídos pudessem ter vida com dignidade e esperança. Sem isso acontecer em nossas igrejas, ainda sobrarão pobres sem cidadania. A visão expressa no ?Painel? não combina com a experiência de um encontro pessoal com os bispos Rodrigues e Crivella, em dezembro de 2001, no Maracanã, na presença do governador Garotinho. Posso assegurar ao bispo Rodrigues que passei dois anos no Palácio do Planalto (92 e 93) sem levar nem rádio nem TV para a minha diocese ou para qualquer outra diocese católica. Informo ainda ao reverendo bispo que não tenho nenhuma atribuição no programa Fome Zero. Aliás, depois que ele reclamou, fui excluído da reunião havida em Brasília para tratar do embrião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. Até onde é de meu conhecimento, o Fome Zero está pobrezinho. Quem está bem é a governadora Benedita -que é evangélica- com a sua secretaria. O Fome Zero perdeu um grande bocado para a governadora. Nem foi anunciada a criação -como era previsto- da Secretaria de Segurança Alimentar e do Consea, tendo sido apenas designado o ministro extraordinário de Segurança Alimentar e de Combate à Fome (aliás, uma coisa ou outra). Sem ocultar a minha identidade, participo dos movimentos sociais a título pessoal. Não sou representante da CNBB. Respeito crentes e não-crentes, agnósticos e ateus. Só não tenho tolerância com torturas e torturadores, como ocorre ainda hoje em tantas delegacias. Também não tenho parte com muitas outras formas de torturar e de matar o povo. Até o anúncio do ministério, era membro do Instituto da Cidadania com o companheiro Lula. Suponho que o IC tenha encerrado suas atividades. No mais, paz e bem para o Brasil.? Dom Mauro Morelli, bispo da diocese católica de Duque de Caxias (Duque de Caxias, RJ)"

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem