Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

PRIMEIRAS EDIçõES > INDONÉSIA

Jornal independente volta a circular

Por lgarcia em 27/01/2004 na edição 261

ZIMBÁBUE

O Daily News, único jornal diário independente do Zimbábue, voltou a circular na semana passada após quatro meses de proibição, por decisão do juiz Tendai Uchena. O jornal havia sido fechado em 12 de setembro pela pol&iacuiacute;cia, por ordem do governo do presidente Robert Mugabe.

Na época, o veredicto dado pela Corte Suprema foi a proibição do funcionamento do jornal porque ele não havia respeitado as novas leis impostas pelo presidente, segundo as quais os veículos de comunicação do país deveriam se registrar junto à comissão de informação e mídia controlada pelo governo. O Daily News se recusou a fazer o registro por considerar a nova legislação inconstitucional.

O jornal voltou a circular no último dia 22, com uma edição especial de 100 mil cópias. No conteúdo, estavam artigos que haviam sido publicados anteriormente. Segundo o chefe executivo do Daily News, Sam Sipepa Nkomo, esta primeira edição serviu apenas para mostrar aos leitores que o jornal está de volta. Em editorial na primeira página, ele afirmou que ainda levará aproximadamente uma semana até que as coisas voltem ao normal e o jornal possa ser publicado apropriadamente.

Nkomo conta também que a polícia ainda não devolveu alguns computadores e outros equipamentos apreendidos em setembro. A polícia também não devolveu o banco de dados do jornal, o que impediu que esta primeira edição fosse entregue aos assinantes em suas casas. [The Guardian, 22/01/04]

 

INDONÉSIA

Um tribunal da Indonésia condenou o jornal Koran Tempo a pagar US$ 1 milhão a um executivo indonésio. O jornal, um dos mais importantes do país, foi processado pelo executivo após afirmar em uma reportagem que ele estaria planejando abrir um cassino, mesmo com as leis do país, que proíbem o jogo.

O caso é apenas mais um entre tantos processos contra jornalistas e veículos de comunicação nos últimos anos. Os processos são movidos por executivos, políticos e militares, que se ofendem com reportagens e não pensam duas vez para tomar uma atitude. Defensores dos direitos humanos afirmam que esta onda de julgamentos está criando uma atmosfera de tensão entre jornalistas e ameaçando a liberdade de expressão conquistada após o fim da ditadura de Suharto, em 1998.

A ameaça não se restringe aos processos. A censura prévia é outro problema enfrentado pela imprensa indonésia. O governo ainda restringe a publicação de alguns temas, como por exemplo o conflito separatista na província de Aceh, no oeste do país. Mesmo assim, contrariando as previsões, o jornalismo investigativo cria raízes e começa a questionar e fiscalizar as instituições públicas, amplamente criticadas por corrupção.

O resultado deste "atrevimento" da imprensa é o aumento do número de processos. E, o pior, afirmam alguns especialistas legais, é que a maior parte dos tribunais acabam "comprados" com dinheiro e influência política, o que prejudica um julgamento justo. Até o presidente Megawati Sukarnoputri já processou um editor do tablóide Rakyat Merdeka por difamação. O porta voz do governo, que havia sido condenado por corrupção, processou outro editor do mesmo tablóide. Como era de se esperar, os dois editores foram considerados culpados. [The Washington Post, 22/01/04]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem