Segunda-feira, 18 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº991
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES > CARTAS

Jornalismo nas manchetes

Por lgarcia em 20/02/2000 na edição 84

Acredito ser viável a realização do Provão, não para medir a qualificação quantitativa dos formandos e suas respectivas universidades, mas sim para avaliar o conteúdo qualitativo das informações, técnicas e didáticas adquiridas no decorrer do curso. Convenhamos, egressos de cursos “técnicos” de 3º grau (Medicina, Engenharia, Informática e outros) devem ser avaliados até para se saber se estão aptos a exercer suas profissões, para que não matem, errem cálculos básicos ou dêem prejuízo à sociedade.

Então, por que não analisar o que nossos “jornalistas” poderão falar, escrever ou mostrar? Eles também podem oferecer risco, independentemente das empresas em que virão a trabalhar (, ou seja, as diferentes linhas editoriais de TVs, rádios e jornais).

Marcelo Romero Tavares

 

LEIA TAMBEM

Kafka não morreu! – Antonio Fernando Beraldo

Bola fora. Outra vez – João Brant

Uma visão política – Victor Gentilli

Provão, provinha – João B. de Almeida

Avaliação e qualificação – Margarethe Born Steinberger-Elias

O primeiro ranking do MEC – Victor Gentilli

Um novo olhar sobre os cursos de Jornalismo – Carmen Pereira

 

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem