Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > TERRORISMO

José Paulo Lanyi

Por lgarcia em 13/01/2004 na edição 259

SÉRGIO KALILI

“?Outro lado é uma mentira?”, copyright Comunique-se (www.comunique-se.com.br), 8/1/04

“Sérgio Kalili não foi ao Iraque só para trabalhar. ?Eu escolhi o povo iraquiano?, diz o repórter que questiona um preceito basilar do jornalismo contemporâneo: ouvir o outro lado. Heresia, dirão alguns; hipocrisia, responderá. ?Sou antiadministração Bush e a política de desinformação da administração Bush. Sou contra a política externa americana, que fica brincando no mundo como se fosse um jogo de xadrez. Sou antiimperialista, antiglobalização, que faz a gente ter desigualdade?.

Kalili passou cerca de setenta dias no Oriente Médio, como correspondente do site AOL, no Iraque e no Irã, e da revista Reportagem (de Raimundo Pereira, ex-diretor dos jornais Opinião e Movimento), no Irã. Escreveu também para a revista Caros Amigos.

O único correspondente brasileiro a demorar-se no Iraque, em meio à ocupação americana, percorreu as localidades de Bagdá, Tikrit, Falluja, Samarra e Najaf, entre outras. A foto ao lado, de sua autoria, mostra uma pausa ?turística? dos soldados americanos no esconderijo de Saddam Hussein.

Cobriu também o terremoto na cidade iraniana de Bam. Aproveita a entrevista para fazer um reparo: ?A gente tem que acabar com essa história de que o iraniano é fundamentalista, fanático. Isso é uma outra mentira. Tem iraniano que é menos religioso do que muita gente aqui. Tem gente que nem vai na mesquita. É como qualquer outro país. Só que eles são um país islâmico, nós somos um país católico?.

Entrevistou guerrilheiro no Iraque; no Irã, fingiu que era casado para poder ficar no hotel, onde dividiu a cama de casal com uma repórter-fotográfica americana.

Voltou ao Brasil no domingo. Hoje (8/1) faz 35 anos.

Kalili considera-se um ?jornalista de direitos humanos, de casos sociais?. Por quê?, pergunto eu. ?Por causa dos temas humanos que escolho. Violência urbana no país, fome no mundo, miséria no Vale do Ribeira, a juíza ameaçada em Patos de Minas porque estava tentando buscar justiça para os trabalhadores rurais, o médico que era chamado de Dr.

Quixote porque lutou contra toda a categoria dele, contra uma coisa chamada Máfia de Branco?.

Mas jornalista não deveria mesmo se ocupar dessas coisas? ?Seria legal se todos os jornalistas tivessem um perfil mais humano, mas a gente também precisa de jornalista em outras áreas, senão ia ficar muito chato?.

Ele é filho de Narciso Kalili, grande repórter da revista Realidade, na década de 60, um dos melhores textos do jornalismo brasileiro. O pai se foi em 1992. O filho tem-no como exemplo moral, como você verá logo mais.

Carreira

Sérgio Kalili formou-se em Jornalismo pela PUC-SP, em 93. Começou a trabalhar dois anos antes, como rádio-escuta da Jovem Pan. Logo depois, foi, por três anos, produtor-assistente, editor e repórter do ?Globo Ciência?, na produtora Ver & Ouvir. Em 94, ganhou uma menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog, por sua reportagem ?Fome?, sobre a desnutrição de crianças de até cinco anos.

Em 96, passou a produzir o ?CBN Campo?. Integrou, ainda, o projeto da Rádio Globo Rural. A iniciativa foi abortada, mas Kalili permaneceu com o programa na CBN. Em 97, venceu o Prêmio Vladimir Herzog por sua reportagem ?Vale do Ribeira? para o ?CBN Campo?.

Escreve para a Caros Amigos desde o surgimento da revista. Foi o primeiro a entrevistar o quase sempre inacessível Mano Brown, em 97. Até então, o rapper tratava a imprensa a monossílabos, nas coletivas. Deu capa. No ano seguinte, o making-of da entrevista foi publicado na revista Exame Vip (em maio de 99, o texto seria finalista do XXIV Prêmio Abril de Jornalismo).

Além da entrevista com Mano Brown, dois outros artigos viraram capa da Caros Amigos: um, enviado de Nova York, em 2002, sobre os movimentos antiglobalização; o outro, exclusivo, em 2003, sobre o relatório de execuções sumárias no Brasil.

Kalili foi correspondente da Caros Amigos nos Estados Unidos, de 99 a 2002. Em março de 2003, ficou dez dias no Iraque, no limiar do conflito. O dinheiro acabou, teve de voltar um dia antes do início da guerra.

Seguiu escrevendo para a Caros Amigos. Após a explosão do prédio da ONU em Bagdá? com a morte de Sérgio Vieira de Mello-, acertou com João Wadih Cury, diretor de conteúdo da AOL, a cobertura da ocupação do Iraque. ?Fui para ficar duas semanas e acabei ficando mais de dois meses?.

Forçou a mão nas reportagens, como diz na entrevista a esta coluna. Gozou de sua independência relativa. ?Consegui fazer isso na AOL porque tinha o João Wadih Cury, mas tinha um limite, não pude ir tão longe quanto eu vou quando estou na Caros Amigos, por causa do público deles [AOL] e porque é uma empresa da grande imprensa. Mas consegui ir bastante longe, tanto que tinha muita gente que ficava escrevendo dizendo que eu era antiamericano?.

Não se iluda com o tom rebelde. O humor é inalterável, sempre pra cima. Às vezes chega a destoar do conteúdo. Sérgio Kalili é um bom-papo.

Link SP? Como foi a influência do seu pai na sua carreira?

Sérgio Kalili? Mais do que o jornalismo, a minha atitude, as minhas opiniões críticas, tentando ser independente e justo, vêm basicamente dele, ele era assim. Até esse negócio de jornalismo ter lado, de escolher um lado. Você não consegue ser isento, não existe isso, você escolhe um lado para defender. Simplificando, é claro que as coisas não têm um lado só, você defende aquela situação escolhida através das suas matérias durante a sua vida toda, sempre batalhando. Por exemplo: na guerra eu escolhi o povo iraquiano, eu tento defender o povo iraquiano, sou contra a presença americana num país que não é o deles.

Link SP? Ao escolher um lado, você não corre o risco de forçar a mão?

SK? (sorri) Corro e forço mesmo.

Link SP? Mas isso não implica um desequilíbrio no trato da informação…

SK? Equilíbrio é relativo…

Link SP? …no aspecto de que não existe apenas uma verdade? Você pode até escolher um lado, desde que também ouça o outro lado. Ou não? Ou não precisa ouvir o outro lado?

SK? Não, porque é uma mentira isso, a mentira da imparcialidade. Você vai ouvir o outro lado só para disfarçar a sua opinião. Você sempre vai reforçar mais um dos lados. Até a ordem em que você coloca as declarações dos dois lados. O tempo todo você vai jogar, editar, colocar uma versão da história.

Link SP? É uma hierarquização.

SK? Existe sempre. Não existe esse negócio de ser imparcial. Mas existe independência. Você pode ser independente, mas parcial.

Link SP? Você não é independente do veículo.

SK? Se você é muito, te expelem fora do veículo (risos). Você vai até um limite.

Link SP? Então não é uma independência.

SK? Depende da situação, onde você está trabalhando. Por exemplo, eu estou trabalhando para a AOL. Eu tenho contrato no Iraque. Eu tenho independência total, teoricamente. Mas o que acontece? Eu estou escrevendo e me pautando. A gente até fez uma pauta prévia, mas chegando lá a história muda, você faz algumas coisas da pauta, mas vai fazendo outras coisas que vão aparecendo e que parecem ser mais interessantes. Com independência. Afinal, a gente tinha um contrato de independência, eles sabiam quem eu era. Mas tem o limite. Eu escrevi uma matéria, por exemplo, sobre abusos de direitos humanos cometidos por soldados americanos no Iraque, e eles não quiseram colocar. Eu dei para a Caros Amigos. Então, tem esse limite. Mas eu não mudei, continuo sendo o Sérgio Kalili.

?Americanos fecham jornais?

Link SP? Como está a cobertura da ocupação do Iraque?

SK? A gente tem um controle total da imprensa internacional. Os jornalistas iraquianos que estão lá trabalhando são presos direto e somem. As tropas americanas prendem os caras e somem com eles. As famílias não sabem onde eles vão parar, as empresas… Eles denunciam algumas coisas, os caras pegam e somem com eles. Eles são iraquianos.

Link SP? Prendem por quê?

SK? Porque o cara vai lá e escreve uma matéria dizendo que as tropas americanas mataram tantos jovens que estavam protestando num bairro de Bagdá chamado Aadhamyia, onde eles são antiamericanos, são anticoalizão. Fecharam jornais iraquianos. Depois que os americanos dominaram o país, abriram mais de 150 jornais. Muitos que fazem oposição foram fechados pelos americanos. Eles censuraram, fecharam jornal. Ninguém fala isso.

Ser iraquiano no Iraque hoje em dia é não ser cidadão. É melhor ser estrangeiro, americano. Ou você [iraquiano] é colaborador deles, e aí eles te dão uma força. Por que a imprensa internacional não fala nada? Repórter americano se autocensura porque desde pequeno aprende a ser patriota e não vai fazer nada que seja contra o próprio país. De modo geral, é isso que você vê na TV. E a gente compra tudo de agência, né. Aí você vê como é importante, por exemplo, ter um brasileiro lá dentro. A gente não ia cobrir a favor de nenhum deles.

Link SP? E o europeu?

SK? O europeu não conhece a história de tortura e de abuso da
política internacional americana na Ásia e na América do
Sul e Central como a gente conhece. A gente teve o Chile, a Argentina, o Brasil,
El Salvador, Nicarágua, Cuba. A gente sabe que os caras torturam, abusam,
matam, fazem guerra suja, apóiam ditador e terrorista para conseguir
os objetivos deles. Oferecem dinheiro mesmo, contratam bandido. A CIA está
de volta aí com autorização para matar, como tinha antigamente,
na época dos anos 70 até 80. O europeu não acredita nisso.
?Ai, você acha que o americano vai torturar? Não vai. Eu não
acredito. Só vendo?. O cara quer ver o cara sendo torturado, na frente
dele. E aí você vê que três soldados foram afastados
por tortura, por abusar dos prisioneiros. Mas você vê isso na mídia
porque o exército falou. Quando o exército fala, eles acreditam.
Mas quando o povo iraquiano fala, é apenas rumor, não vale a pena
colocar. Por isso é importante mandar gente lá, não adianta
ficar pegando de agência. Vê como é diferente você
ter uma pessoa do seu país lá, a sua empresa mandar um repórter
lá. É mais caro? É. Mas é muito melhor do que você
ficar comendo de agência, com a cabeça dos caras.”

 

SADDAM NA INTERNET

“Na internet, ‘lembrança’ do front”, copyright O Estado de S. Paulo, 8/1/04

“WASHINGTON ? O site americano military.com ? página especializada da internet em temas militares ? reproduziu uma suposta fotografia inédita da captura do ex-presidente iraquiano Saddam Hussein em 13 de dezembro, no Iraque.

Na foto, de autoria desconhecida, Saddam aparece deitado e subjugado por um soldado americano, cujo rosto foi desfocado para evitar a identificação. O militar olha para a câmera, como se estivesse posando. Outros três americanos apontam armas para Saddam. Aparentemente, a foto não foi distribuída pelo Pentágono. Ela pode ter sido feita por um soldado, como ?lembrança? da captura.

Na terça-feira, o diário árabe Al Sharq al-Awsat, de Londres, informou, citando como fonte autoridades iraquianas, que Saddam limpa seu banheiro e é interrogado 12 horas por dia. (EFE e DPA)”

 

FLAGRA NO IRAQUE

“TV exibe imagem de um helicóptero matando suspeitos”, copyright O Estado de S. Paulo, 11/1/04

“WASHINGTON ? A rede de TV americana ABC News divulgou na sexta-feira à noite imagens de um helicóptero Apache dos EUA disparando projéteis de canhões de 30 milímetros contra três iraquianos suspeitos de pertencerem à insurgência.

As imagens foram captadas pela câmera de visão noturna do próprio helicóptero no dia 1.? de dezembro, numa estrada da periferia norte de Bagdá.

Um iraquiano é visto deixando no chão um longo objeto cilíndrico que os pilotos do Apache identificam como uma arma, enquanto outros dois suspeitos conversam perto de um caminhão e um automóvel parados no acostamento. Os pilotos recebem a ordem de disparar, matando os três e destruindo os veículos. Um analista militar ouvido pela emissora disse que os pilotos tinham o direito legal de disparar contra o grupo porque os suspeitos tinham uma arma. (France Presse)”

 

TERRORISMO

“?A al-Qaeda não existe?”, copyright O Globo, 10/1/04

“Saddam Hussein foi preso, mas o homem que mais medo inspira no mundo, o saudita Osama bin Laden, continua sendo, de acordo com o poderio anglo-americano, a maior ameaça à paz. Nesta entrevista, o suíço Richard Labévière, autor do polêmico ?Les coulisses de la terreur? (Os bastidores do terror), lançado na Europa no fim de 2003 pela Grasset, afirma que a al-Qaeda, liderada por Bin Laden, não existe. Na opinião do jornalista, autor de ?Os dólares do terror? ? obra premonitória dos atentados de 11 de Setembro ? e especialista em Oriente Médio da Rádio França Internacional, a guerra contra o terrorismo jamais será vencida enquanto não se lutar contra as reais causas dos atentados, que, diz ele, são sobretudo locais. Segundo Labévière, que realizou uma profunda pesquisa, a estratégia de expansão militar dos EUA é a maior vitoriosa da idéia de que a al-Qaeda é uma rede tentacular e planetária. Sua tese mereceu um desmentido formal da CIA, central de inteligência dos EUA.

Risco de confundir resistência com terrorismo

Mas que questões locais poderiam ser a causa de tantos atentados?

LABÉVIÈRE: O atentado de Bali foi cometido por pessoas formadas e treinadas pelo Exército indonésio e que, com a independência do Timor Leste, não tiveram as retribuições econômicas e políticas que esperavam e se voltaram contra o governo. Em Mombaça, o duplo atentado contra um avião israelense e o hotel freqüentado pelos israelenses, reivindicado por um exército do povo palestino, um movimento desconhecido, foi na verdade praticado por gente envolvida na guerra somali, por comunidades locais. Os atentados de Casablanca foram cometidos por marginais das favelas de Casablanca e Tânger, desempregados e analfabetos. Mais da metade da população do Marrocos é analfabeta e os ideólogos salafistas se aproveitam da ignorância e da pobreza. Enfim, os atentados de Riad foram cometidos por filhos de famílias sauditas ou de grandes famílias iemenitas que querem ter acesso aos negócios e ao poder. Em maio, as autoridades sauditas, o príncipe Abdala e o ministro do Interior reconheceram que os atentados não foram cometidos pela al-Qaeda, mas por gente da família e que seria preciso controlar os religiosos e a educação para erradicar ideologias extremistas de escolas e mesquitas.

E os atentados de Istambul?

LABÉVIÈRE: As investigações levaram à prisão de uns 30 ativistas islâmicos turcos, formados pelo Exército turco para serem utilizados contra o Partido Trabalhista Revolucionário Curdo, o PKK, que luta por independência. São, portanto, questões locais que nada têm a ver com a al-Qaeda.

Mas nunca existiu uma al-Qaeda?

LABÉVIÈRE: Al-Qaeda, no árabe, quer dizer A Base. Certamente esse termo foi usado por Bin Laden e seus amigos. Mas antes dos atentados de 11 de Setembro nunca tinha se ouvido falar nisso. Só o serviço secreto inglês conhecia esse termo, no fim dos anos 90, como referência para todos os atos cometidos pelos afegãos-árabes e ativistas salafistas. Eu nunca falei de al-Qaeda, mas do movimento de Bin Laden e de sua organização. Essa organização existe com seus membros, mas ela está ligada a Bin Laden e não tem nada da organização tentacular e planetária que a imprensa quer nos vender. A al-Qaeda não existe como organização internacional estruturada como foi o Comintern ou a Internacional Comunista. A al-Qaeda não é uma organização piramidal que comandou todos os atentados cometidos no mundo.

E por que inventar uma al-Qaeda?

LABÉVIÈRE: A invenção de uma al-Qaeda todo-poderosa é estratégica para a política americana, pois quando se diz que a al-Qaeda está por tudo, isso justifica o fato de se colocarem soldados americanos em todo o mundo. Não podemos esquecer que o 11 de Setembro serviu de álibi para a nova distribuição de soldados do regime militar americano, o mais importante depois da Segunda Guerra. Atualmente, basta uma lata de lixo explodir para que a imprensa vaticine, antes mesmo de uma investigação, que foi a al-Qaeda. Para lutar contra o terrorismo é necessário acabar com os problemas regionais que alimentam o terrorismo, como disse em 2001 o então chanceler francês, Hubert Vedrine. E a mais importante dessas crises regionais é o conflito entre palestinos e israelenses.

Qual é a relação do conflito no Oriente Médio com o terrorismo?

LABÉVIÈRE: Quando as imagens das TVs árabes mostram soldados israelenses batendo em crianças ou civis palestinos nos territórios ocupados, isso cria mal-estar e ressentimento e favorece o terrorismo. Além disso, a intervenção americana no Iraque criou um problema de terrorismo onde antes não havia nada. O regime do Iraque não era nenhuma maravilha, mas era o único país do Oriente Médio que não tinha usado o terrorismo para a promoção de seus interesses nacionais, não fazia parte de sua tradição. A guerra anglo-americana criou um foco de terrorismo no Iraque. O terrorismo atual é conseqüência da guerra anglo-americana no Iraque e da gestão catastrófica e calamitosa do conflito entre israelenses e palestinos. E não de uma al-Qaeda fantasma, que na verdade não existe, mas que só serve para estabelecer uma confusão entre terrorismo e resistência. Bush foi advertido de que uma guerra no Iraque iria favorecer os xiitas e as disputas entre os curdos, no norte do Iraque, os sunitas, no centro, e os xiitas, no sul. É o que está acontecendo. Mas os americanos estavam interessados na divisão do Iraque em muitos Estados e previram a fragmentação da Arábia Saudita e de outros países árabes, como a Síria. A teoria americana para acabar com esses Estados é a de ativar as etnias e as comunidades religiosas. Embora possa haver problemas eleitorais, o que acontece no Iraque corresponde exatamente ao plano do governo americano.

E como vê a jihad?

LABÉVIÈRE: A jihad representa o esforço de purificação individual, mas é também a guerra santa contra os infiéis, que serviu para justificar as grandes guerras de expansão do Islã, a partir do século VI. Hoje o conceito da jihad depende da interpretação que se faça do Alcorão. Os salafistas fazem uma interpretação literal para justificar a guerra contra os infiéis. Quanto mais os americanos dão apoio a Sharon e fazem guerras como a do Iraque, mais os árabes sentem-se agredidos pelos ocidentais. Depois do 11 de Setembro, Bush falou em cruzada do bem contra o mal e usou termos religiosos. Sem isso, a ideologia da jihad dos fundamentalistas perderia muito do seu sentido. O que dá coragem ao terrorista? As guerras injustas, o desemprego, o analfabetismo.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem