Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Maher ainda na ABC

Por lgarcia em 17/10/2001 na edição 143

ENFANT TERRIBLE

O veterano Jim Rutenberg, de The New York Times, conta que Bill Maher, âncora do talk show Politically Incorrect, mantém a diretoria da ABC pisando em ovos. Maher disse que os "terroristas suicidas foram indiscutivelmente corajosos em sua missão, ao passo que a política americana de ataques aéreos é covarde". O público pediu sua cabeça, anunciantes e emissoras afiliadas debandaram. A Casa Branca comentou que este exemplo mostra por que as pessoas precisam "ter cuidado com o que falam".

Mas a ABC não vai demitir Maher imediatamente. O escândalo pode na verdade ter ampliado seu tempo na emissora, porque aumentou sua audiência para 2,8 milhões de espectadores. Além disso, Maher se tornou um ícone da Primeira Emenda [constitucional que garante a liberdade de expressão] e uma vítima da intolerância do público pela divergência.

A presença de Maher na rede nunca foi bem aceita, vista mais como um caso clássico de contratação de um personagem jovem para fazer frente ao permissivo mundo da TV a cabo, onde surgiu seu sarcástico talento. No início dos anos 1990, Politically Incorrect era um programa de baixa audiência na TV a cabo Comedy Central. Arrogante, de olhar raivoso, ataca seus entrevistados. Os críticos, famintos de novidade, o engoliram. Em 1997, a ABC o "roubou", apresentando seu programa após o Nightline, num desafio a David Letterman e Jay Leno. A ABC espera que a maioria das 17 afiliadas romperam contrato volte quando as coisas esfriarem: 9 emissoras já haviam reconsiderado no dia em que a matéria de Rutenberg foi publicada.

    
    
                     

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem