Sábado, 25 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

PRIMEIRAS EDIçõES > Importante

Mais ondas (curtas) do rádio

Por lgarcia em 12/06/2002 na edição 176

RADIOESCUTA

Célio Romais (*)

Brasil ? Quem ouviu o primeiro jogo da Copa, entre França e Senegal, pelas freqüências de 6090, 9645 e 11925 kHz, da Rádio Bandeirantes, de São Paulo (SP), pode não ter percebido, mas a emissora narrou os lances diretamente de um estúdio, no Brasil. A estratégia foi notada pelo radioescuta Valter Aguiar, de Santos (SP). Bem ao contrário foi a cobertura da Rádio Gaúcha, de Porto Alegre (RS), em 6020 e 11915 kHz, que narrou diretamente de Seul. Pontos para a emissora gaúcha que, em grandes eventos, sempre coloca toda a sua infra-estrutura a serviço dos ouvintes.

Alemanha ? Até o final de 2004, a empresa alemã Deustche Telekom deve mandar para casa 22 mil empregados. A medida seria tomada de uma forma "socialmente responsável", de acordo com seu presidente, Ron Sommer. As informações são da Agência Reuters. A empresa aluga os transmissores de ondas curtas para algumas emissoras.

Bolívia ? Bartolina Sisa foi heroína da libertação das nações quechua e aymara naquele país. Uma emissora de rádio a homenageia. Samuel Cássio Martins, de São Carlos (SP), ouviu a emissora, na freqüência de 6883 kHz, em 23 de maio, às 9h45, com programação religiosa, em aymara, é lógico.

Brasil 2 ? A Rádio Nacional da Amazônia está transmitindo, novamente, em 11780 kHz, em 25 metros. O objetivo do restabelecimento da freqüência é atingir os ouvintes das regiões Norte e Nordeste do Brasil. O presidente da Radiobrás disse a deputados, em audiência pública na Comissão da Amazônia da Câmara, que a Rádio Nacional da Amazônia recebe 85 mil cartas por ano. O deputado Eurípedes Miranda (PDT-RO), autor do requerimento solicitando a presença de Zarur, acrescenta que a rádio atende à população mais humilde do Brasil, que muitas vezes encontra na programação respostas sobre assuntos diversos, como gravidez, métodos contraceptivos, doenças e atendimentos emergenciais. Já a deputada Socorro Gomes (PCdoB-PA) entende que a Rádio Nacional da Amazônia tem prestado excelente serviço à população, "mas precisa ser mais informativa e interativa". As informações são do sítio <www.camara.gov.br>.

Bulgária ? Uma das preocupações da humanidade, atualmente, é com o meio ambiente. A Rádio Bulgária compartilha dessa opinião. Por isso, leva ao ar, aos domingos, um pequeno programa intitulado Tema de Ecologia. Pode ser captado, em espanhol, à 1h, nas freqüências de 9500 e 9700 kHz.

Cidade do Vaticano ? O responsável pelo Programa Brasileiro da Rádio Vaticano, frei Nelson Rabelo, acredita na força do rádio em ondas curtas no Terceiro Mundo. O religioso informou que a Santa Sé vai usar o veículo rádio por muitos e muitos anos, mesmo com o avanço de novas tecnologias. Segundo ele, os ouvintes de rádios em ondas curtas são muitos em países como o Brasil. Ele mesmo era um ouvinte, quando residia no país.

França ? O rádio em ondas curtas é importante para o continente africano. Muitas emissoras internacionais encerraram suas emissões para o Brasil. Mas o português, para a África, foi mantido no ar. É o caso da Rádio França, que transmite para os países de fala portuguesa, em dois horários: às 17h, em 12015 e 15530 kHz, e, às 20h, em 15530 kHz. A emissora mantém correspondentes em diversos países. Além disso, envia jornalistas para coberturas especiais. Recentemente, um integrante da RFI, que se identificou apenas como Álvaro, esteve na província de Huambo, em Angola, com o intuito de retratar os destroços da guerra. O resultado foi assustador: ele presenciou a morte de uma criança, nos braços de um médico francês, da organização Médicos Sem Fronteiras. "Foi a imagem que jamais esquecerei na minha vida", disse.

Atualmente, aproximadamente 18 mil crianças agonizam em campos de refugiados. "Angola é um país completamente arrasado!", concluiu o jornalista da RFI. A equipe em português para a África da Rádio França enobrece o rádio em ondas curtas. Enquanto isso, os jornalistas brasileiros da emissora trabalham normalmente, cobrindo pautas bem mais amenas, como futebol e cinema. Vale lembrar que a Rádio França deixou de transmitir, em ondas curtas, para o Brasil, sem dar qualquer explicação. Seus programas podem ser ouvidos na internet e em poucas emissoras brasileiras, em horários não convencionais, como 5h30, na Rádio Bandeirantes de Porto Alegre. Eis a diferença e a importância entre as duas equipes de língua portuguesa da emissora.

Líbia via França ? A Rádio Jamahiriya, de Trípoli, na Líbia, transmite em diversos horários, via transmissores franceses de Issoudun. Pode ser captada, no Brasil, entre 18h e 20h, em 15205 e 17750 kHz.

Marrocos ? Dia vai, dia vem e a programação das emissoras brasileiras, especialmente a musical, piora. Quem tem acesso ao rádio de ondas curtas é um privilegiado. E quem sintoniza 9575 kHz é mais ainda! Chega de pagode, chega de letras pornográficas! Quem sintonizar a Medi Un, de Nador, tem música de qualidade: o melhor do rock intercalado com músicas típicas do país é o cardápio principal. E tem mais: jazz, canções francesas e até a bossa nova estão presentes na Medi Un. Faça como o radioescuta Claudir Ghiggi, de Nova Prata (RS), e tantos outros que não se deixam levar pela idiotice que impera na música e em emissoras brasileiras: sintonize todos os dias, a partir de 20h30, em 9575 kHz e, de quebra, aprimore o seu francês e aprenda algumas palavras em árabe!

Portugal ? Já estão em testes os novos transmissores, de 300 quilowatts, da Rádio Portugal. Uma das freqüências em que a emissora espera melhorias na recepção, na América do Sul, é 15295 kHz, entre 23h e 2h.

Importante ? Todos os horários mencionados são UTC.

(*) Jornalista e radioescuta

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem