Sábado, 22 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Marcelo Marthe

Por lgarcia em 24/10/2001 na edição 144

DAVID NASSER

"Repórter em causa própria", copyright Veja, 24/10/01

"O repórter David Nasser é uma figura lendária na imprensa brasileira. Por três décadas, ele foi a principal estrela da revista O Cruzeiro, que chegou a ter tiragens acima dos 700.000 exemplares e foi o veículo mais influente do país entre os anos 40 e 60. Dono de um texto afiado e de uma incrível disposição para sair em busca de notícias, ele revolucionou o jornalismo brasileiro. Seus textos eram cheios de elementos literários. Quando achava que a notícia por si só não tinha muita graça, o repórter não relutava em dar asas à imaginação. ?Se o fato atrapalhasse, ele punha de lado?, resume Jorge Ferreira, um jornalista da época. Isso nunca foi mistério. Mas, além desse aspecto quase folclórico de sua trajetória (a que se junta sua atividade como compositor de quase 300 canções populares, entre elas Nega do Cabelo Duro), Nasser também teve um lado nefasto. Usou seu talento para angariar vantagens e enriquecer, perseguir desafetos e defender uma monstruosidade como o Esquadrão da Morte. Com lançamento previsto para esta semana, a biografia Cobras Criadas (Senac; 600 páginas; 45 reais), do jornalista Luiz Maklouf Carvalho, explora a fundo pela primeira vez as duas faces do repórter.

Nasser começou a escrever em O Cruzeiro em 1943. Fez uma parceria famosa com o fotógrafo francês Jean Manzon. São muitos os exemplos de matérias bombásticas produzidas pela dupla. A mais conhecida delas, Barreto Pinto sem Máscara, de 1946, mostra o deputado e amigo do ex-ditador Getúlio Vargas trajando fraque e uma cueca samba-canção. A ousadia escandalizou o país. Barreto Pinto acusou os jornalistas de o terem enganado, dizendo que só publicariam as fotos da cintura para cima – o que não evitou que ele tivesse o mandato cassado. Outra reportagem nada ortodoxa é o relato ?exclusivo? sobre a estadia no Brasil de madame Chiang Kai-shek, mulher do líder anticomunista da China. A matéria descreve em detalhes um encontro com a personagem, arredia à imprensa, e exibe uma foto dela ao longe. Anos depois, em entrevista a outro jornalista brasileiro, madame desmentiu qualquer contato com Manzon e Nasser. Até mesmo a fotografia foi falsificada – quem aparecia em seu lugar, desconfia-se, era o próprio Nasser, de quimono. Na reportagem Nós Voltaremos!, narra um mirabolante plano para derrubar o presidente Dutra e restabelecer a ditadura de Vargas. Pasme: o ponto de partida para a matéria era um manuscrito encontrado dentro de uma garrafa na Praia de Copacabana por um desconhecido. Maklouf resgata esses casos, contrapondo depoimentos e analisando cada detalhe inverossímil. Mostra como Nasser inventava fontes de informação, descrevia lugares e situações em que nunca estivera, e por aí afora. ?Minha geração já sabia que ele era um cascateiro, mas o livro é demolidor, não resta um fiapo de credibilidade?, diz o escritor Fernando Morais, autor de Chatô – O Rei do Brasil, que teve acesso às primeiras versões da biografia.

Nasser foi imbatível nesse tipo de malandragem, mas não era o único. Na imprensa daquela época, o conceito de ética revelava-se bastante elástico. Ofensas pessoais e distorção dos fatos faziam parte do arsenal aceito para uso jornalístico. O próprio Assis Chateaubriand, dono de O Cruzeiro, era um polemista sanguinário. Fez de Nasser o seu preferido justamente por apreciar seu jeito ?amoral?. Com o tempo, porém, o repórter foi alargando ainda mais as fronteiras do que era permitido. Cobras Criadas revela como ele vendeu a sua influência para construir um patrimônio considerável. Nasser foi relações-públicas do empreiteiro André Cateyson, para quem teria intermediado favores junto a Juscelino Kubitschek, então governador de Minas Gerais. Numa época de crise na produção de ferro, conseguiu – ?diversas vezes?, segundo uma testemunha – que JK liberasse minério da estatal Belgo-Mineira para as obras do empreiteiro. Nos arquivos do jornalista, Maklouf encontrou comprovantes de que o construtor bancou, em agradecimento, uma reforma num de seus imóveis. Daí para a frente, tomou gosto pela atividade de lobista e pela intriga política, o que lhe permitiu usar seus artigos como moeda de troca em negociatas, graças às quais ganhou até fazendas de presente.

Suas melhores conexões eram com a direita. Ele foi ativo conspirador do golpe militar de 1964, por exemplo. Mas a menina de seus olhos, no final da vida, foi mesmo a chamada Scuderie Le Cocq – o Esquadrão da Morte formado por policiais civis cariocas que eliminava bandidos (e também gente inocente) nos anos 60 e 70. Mais do que defensor inflamado, trouxe os ?jagunços?, como dizia, para dentro de casa. Gostava de passear de carro com essa corja e apontar criminosos que gostaria de ver ?apagados?. Ele até se oferecia para tomar parte de batidas – o que nunca lhe foi permitido. Quando Nasser morreu, em 1980, aos 63 anos, a bandeira do grupo cobriu seu caixão."

 

NYT EM CRISE?

"Queda nos anúncios mexe com lucro do grupo The New York Times", copyright O Estado de S. Paulo, 18/10/01

"O grupo The New York Times Co., controlador dos jornais The New York Times e The Boston Globe, anunciou ontem perdas de 41,6% no lucro líquido do terceiro trimestre por causa da queda na receita de anúncios.

Nos meses de julho, agosto e setembro, o lucro da companhia totalizou US$ 43,8 milhões (US$ 0,28 por ação). No mesmo período do ano passado, esse número chegou a US$ 75 milhões (US$ 0,44 por ação).

A empresa já havia alertado no mês passado que os atentados do dia 11 de setembro contra o World Trade Center e o Pentágono afetariam seu resultado nesse período.

Exluindo custos referentes a redução de pessoal de US$ 0,02 por ações no último trimestre, a companhia obteve um lucro de US$ 0,30 por ação,resultado que confirmou as previsões dos analistas do Thomson Financial/First Call. O lucro anual caiu para US$ 696,9 milhões de US$ 767,7 milhões no ano passado. Segundo o grupo, a receita com anúncios ficou 14,5% menor.

A indústria de comunicação registra este ano a maior perda em receita com anúncios da década. A desaceleração econômica atingiu em cheio a demanda por publicidade e os atentados pioraram esse cenário. Na análise de especialistas, os comerciais perderam espaço na TV e nos jornais para o noticiário sobre a guerra e as mensagens de condolências."

    
    
                     
Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem