Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

PRIMEIRAS EDIçõES >   COMUNICAÇÃO GOVERNAMENTAL

Milton Coelho da Graça

Por lgarcia em 27/01/2004 na edição 261

EUA / MÍDIA & CONCENTRAÇÃO

“Diversidade e qualidade em perigo”, copyright Comunique-se (www.comunique-se.com.br), 26/01/04

“Nunca as grandes empresas americanas de comunicação fizeram um lobby tão forte como agora, ?empurrando? a FCC (a agência federal reguladora) para uma mudança que permita maior concentração de propriedade de jornais, rádios e tevês – tanto horizontal (número de regiões atingidas pelo mesmo grupo) como vertical (número de meios na mesma região).

Essa decisão poderia ter enorme influência no futuro da legislação e do controle da mídia no Brasil. O presidente da FCC é filho do Secretário de Estado, Colin Powell, mas suas opiniões até agora parecem mais afinadas com as do magnata Rupert Murdoch, comprovadamente adepto de um catecismo superconservador em seus jornais e emissoras além de francamente defensor da concentração empresarial ilimitada.

Felizmente tem sido forte a resistência às mudanças desejadas por Powell, tanto por uma boa parte da mídia (onde se destaca o New York Times) até um bom número de ONGs alinhadas com a defesa dos interesses e direitos da cidadania. No site da Common Cause, além de muito material sobre o assunto podem ser encontrados os sites de muitas outras organizações empenhadas nessa luta.

Um bom trabalho vale um bom prêmio

Para os mais jovens: é bom saber que a Oficina da Palavra, lançada com o objetivo de informar sobre os bastidores da política, tem Carlos Átila entre seus dirigentes. Átila era jornalista no Rio Grande do Sul, quando foi convidado para ser o porta-voz do governo ditatorial do general Médici. Nessa atividade, ele se esmerou muito especialmente em negar uma epidemia de poliomielite que superlotava os hospitais do Rio e de São Paulo.

É difícil precisar números, mas certamente uma boa percentagem das crianças mortas e aleijadas pela epidemia poderia ter sido poupada se o governo e, naturalmente, seu porta-voz não mentissem tanto sobre o assunto e informassem corretamente a população. Ao final de seus bons serviços, o sucessor de Médici, general Figueiredo, premiou-o com uma vaga no Tribunal de Contas da União.”

 

COMUNICAÇÃO GOVERNAMENTAL

“Terceiro Setor e comunicação governamental em debate”, copyright Meio & Mensagem, 19/01/04

“O 2? o Fórum Social da Publicidade e Comunicação abordou a participação da mídia em ações de responsabilidade social. Reunião do Fórum dos Secretários Estaduais de Comunicação ocorreu em paralelo ao encontro

Sob o tema central ?Responsabilidade Social da Comunicação?, a cidade de Porto Alegre foi sede, nos dias 15 e 16, da 2? edição do Fórum Social da Publicidade e Comunicação. Promovido pela Associação Latino-Americana de Agências de Publicidade (Alap), o encontro reuniu cerca de 400 pessoas, entre especialistas em Terceiro Setor e profissionais da Comunicação Social do Brasil e do exterior. A meta foi debater caminhos, alternativas e avanços da mídia no apoio à Responsabilidade Social. Paralelamente ao evento, também ocorreu o 4? Fórum Nacional dos Secretários Estaduais de Comunicação Social.

O evento contou com a presença dos senadores Paulo Paim (PT-RS) e Sérgio Zambiasi (PTB-RS); do presidente da Associação de Agências e Conselhos de Comunicação da França, Jaques Bille; e de um dos diretores do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Jair Grava, entre outros. A valorização da terceira idade recebeu destaque nesta edição do fórum, com diversos painéis sobre o tema e um concurso especial para premiar as melhores peças e campanhas relacionadas ao assunto. ?Temos aqui a presença de gente que aprendeu a fazer marketing social ao longo dos anos. Não existem livros e escolas sobre o assunto – que não é abordado nem nas faculdades?, destaca Carlos Abbud, presidente desta segunda edição do Fórum. O publicitário explica que a programação deste ano buscou exemplificar o tema com cases bem-sucedidos de marketing social. Já o secretário-geral da Alap e idealizador do Fórum, João Firme de Oliveira, ressalta que neste ano realizou, pela primeira vez em encontros na América do Sul, a premiação de peças e campanhas de publicidade social.

Nesse sentido, ações da Associação Brasileira das Agências de Propaganda (Abap) vêm prestando contribuições singulares, segundo afirmações do presidente do capítulo gaúcho da entidade, Diki Schertel. ?A Abap tem funcionado como uma provocadora do encontro entre as agências voluntárias e as entidades necessitadas?, acredita Schertel. Um levantamento entre as agências gaúchas certificadas pelo Conselho Executivo das Normas-Padrão (Cenp) indicou uma média de 4,6 trabalhos sociais realizados por ano por agência.

Comunicação governamental

Já o Fórum Nacional de Secretários Estaduais de Comunicação Social reuniu titulares e representantes desta pasta, vindos de 11 unidades da federação. Presidido pelo Secretário de Comunicação do Rio Grande do Sul, Ibsen Pinheiro, o encontro teve em sua pauta, entre outros temas, os mecanismos de premiação de peças governamentais, a relação com veículos e agências e a interface com a Secretaria de Comunicação Federal e suas verbas em relação aos Estados. Neste tópico, Pinheiro destacou uma das deliberações da reunião. ?Deveremos escolher uma comissão para buscar o estreitamento com o governo federal para sustentar a regionalização das verbas federais de publicidade?, pontua.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem