Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

PRIMEIRAS EDIçõES > ROBERTO MARINHO (1904-2003)

Morreu o imperador do mar

Por lgarcia em 19/08/2003 na edição 238

ROBERTO MARINHO (1904-2003)

Marcelo Salles (*)

Aos seis dias deste agosto cinzento morreu o imperador do mar.

Em seu funeral, a confraria marinha esteve reunida. Tubarões e peixes grandes de todo tipo foram render homenagem àquele que reinou sobre o mar durante a segunda metade do século 20.

Uns choraram, outros não. Mas é bom que se diga: todos os peixes grandes se alimentaram das sobras da rede imperial. Os peixes-estrela e os peixes-diretores que, juntos, foram incumbidos de encantar os peixes-povo, pareciam órfãos de pai e mãe. O imperador marinho havia faltado.

No dia seguinte, o mar amanheceu turbulento. O império agora se dividia nas mãos dos três herdeiros. Outros tubarões observavam atentos o desenrolar dos fatos e espreitavam, aguardando o melhor momento para tentar abocanhar parte do império. Por isso, durante todo o dia, os peixes-apresentadores se apressaram em ler e reler a nota da família, em que o poder do império era sublinhado por generosos adjetivos. Até na hora da morte a soberba se impunha aos corações maculados pela ganância.

Mas o complexo sistema marinho não parou. Embora as correntes possam ser fortes e divergentes nas profundezas, acabam convergindo quando na superfície. Assim, os peixes-estrela e os peixes-diretores continuam encantando os peixes-povo para dominar o mar. Dessa forma, as pérolas extraídas deste rico oceano seguem para outras paragens, sem que ninguém fique sabendo.

Onde quer que esteja, o imperador marinho deve estar orgulhoso. O canto da sereia platinada segue ecoando.

(*) Estudante de Jornalismo da Universidade Federal Fluminense

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem