Domingo, 08 de Dezembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1066
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Mudanças e prorrogações na surdina

Por lgarcia em 03/04/2002 na edição 166

MEC

Victor Gentilli

Em junho de 2001, o MEC fechou o protocolo para pedido de abertura novos cursos superiores. Anunciou-se, então, que iriam ocorrer várias mudanças, que o sistema seria informatizado e que haveria dois períodos no ano para que as instituições entrassem com novos pedidos. Evidente: as faculdades isoladas, pois os Centros Universitários e Universidades têm autonomia para criar cursos.

À época, a imprensa noticiou bem as novidades. Embora as mudanças tivessem aspectos positivos e negativos, só os positivos foram destacados nos noticiários, sempre baseados nos informes oficiais.

Pois em fevereiro passado o protocolo abriu para fechar no dia 30 de março (na verdade dia 28, último dia útil do mês). Seria o caso de os jornais procurarem o MEC. Teoricamente, teríamos muitos dados interessantes. Quantas instituições pediram novos cursos, quais os cursos cuja autorização é mais solicitada, como se localizam geograficamente etc.

A demanda foi tamanha ? e as dúvidas tantas ? que o MEC optou por prorrogar o prazo de inscrição eletrônica por mais um mês.

Tudo isso sob o mais completo, absoluto e total silêncio da imprensa.

Em março, a Folha de S.Paulo entrevistou Francisco César Sá Barreto, o novo secretário da Secretaria de Ensino Superior (que vinha sendo dirigida por Maria Helena Guimarães de Castro, que a acumulava com o Inep). O secretário, que ocupava a reitoria da Universidade Federal de Minas Gerais, referiu-se ao sistema antigo e ninguém percebeu ou chamou a atenção.

Que falta que faz um release.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem