Sábado, 19 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

PRIMEIRAS EDIçõES >

Naya é estrutural

Por lgarcia em 20/03/1998 na edição 41


O

desabamento do edifício construído por Sérgio Naya revelou também os dilemas estruturais da imprensa brasileira. Jornalismo reativo. Conta o drama de vítimas de tragédias que não soube ajudar a prevenir. Competente na cobertura do acontecido – desde que não ocorra nas periferias -, desarmado diante de armações que se fazem e refazem no cotidiano.

A televisão repete centenas de vezes a cena da implosão, os jornais publicam dezenas de vezes as mesmas fotos. Isto não é informação. É clima. Criação ou reprodução de um clima febril que falta na hora de pautar e apurar.

As partes – Congresso, governos, Justiça, jornalistas, vítimas e seus parentes, vizinhos solidários – reagem, segundo as regras da democracia mediática, ao que supõem ser a expectativa das outras partes, em processo de realimentação múltipla. Intermediários, além de atores, são os meios de comunicação.

Apenas esmagar Naya, “o” vilão, seria uma operação criminosa, com ou sem dolo. Naya deve ter o que merece, sim. Mas o que interessa é o “sistema Naya”, que já se chamou Calmon de Sá, Lutfalla/Maluf, Andreazza, Wolney Atalla, Levison, Assis Paim, Garnero, Nahas/Camões, PC/Collor – retorno, em escala megalomaníaca federal, aos velhos Adhemar e Lupion.

Naya é inconcebível sem sub-Nayas e super-Nayas, e coniventes e omissos. Eles o antecedem e lhe sobreviverão. É a isto que se precisa dar resposta.

Os Observadores

 

LEIA TAMBEM

O Circo da Notícia

Dez linhas

Entre aspas

Caderno do Leitor

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem