Sábado, 23 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº992
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES > ***

Nelson de Sá

Por lgarcia em 31/10/2001 na edição 145

GUERRA & TERROR

"Mandar no mundo", copyright Folha de S. Paulo, 29/10/01

"FHC voltou a uma emissora da Globo, agora de rádio, a CBN, para mais uma vez dizer pouco, em mais uma longa entrevista. O locutor Heródoto Barbeiro bem que tentou, perguntando, por exemplo, do discurso de ?oposição? de Tasso Jereissati e José Serra.

FHC escorregou, elogiou o número de candidatos tucanos como se fosse qualidade e fez o que ele e Pedro Malan mais gostam: atacou o populismo do petista Lula, desta vez pelo programa contra a fome.

Só foi fazer algo além de campanha eleitoral bem mais tarde, com registro em outra rádio, a Jovem Pan -que virou a grande sombra da CBN na cobertura política, agora que seu sinal chegou a Brasília.

O que o presidente fez que surpreendeu, na Pan como nos telejornais todos, a começar do JN, foi uma inusitada crítica aos Estados Unidos.

Evidenciou que prefere, no comércio exterior, a relação com a Uni&atiatilde;o Européia, não a Alca. Questionou a concentração de poder nas decisões globais e, diretamente, os EUA:

– A potência dominante não pode mandar sozinha.

Não ficou claro, de início, o porquê disso tudo. Mas aos poucos as coisas se esclareceram, sobretudo quando disse:

– O Brasil, país ético e de cultura plural, tem todas as características para influir.

Era campanha, de novo. Mas agora em favor de alguém do Brasil que possa ajudar a mandar no mundo.

Não é só no Brasil que a campanha eleitoral começa a dar sinais de seu vale-tudo. Nos EUA, uma candidata ao Senado vem explorando descontroladamente os atentados.

Num de seus comerciais, uma das torres do WTC é atingida -e na sequência a imagem muda para a torre Sears, que fica em Chicago, Illinois.

Noutro comercial visto na internet, a própria candidata surge dizendo que não vai ?ceder ao terror? e vai seguir lutando por mais obras."

***

"Sim, é possível", copyright Folha de S. Paulo, 24/10/01

"Foi preciso que as Nações Unidas viessem a público confirmar que um hospital tinha sido atingido pelos Estados Unidos.

Daí o Pentágono admitiu, mas não tudo. Afirmou, segundo a BBC, que ?problemas no sistema? haviam levado ?pelo menos? três bombas americanas a saírem à solta pelo Afeganistão.

Uma delas teria atingido, segundo a porta-voz do Pentágono, um asilo para idosos. Que talvez seja, de fato, um hospital? ?Sim, é possível.?

É possível, mas nada de muitos mortos, nada de cem mortos, como afirmou o Taleban anteontem. ?Quase tudo o que nós ouvimos (do Taleban) nas últimas semanas era mentira?, reagiu a porta-voz.

Talvez cem mortos seja mentira, realmente, mas a bomba no hospital não foi.

O episódio expôs até o secretário de Defesa, que comanda o Pentágono e disse anteontem, em resposta ao Taleban, ter ?certeza? que os EUA não haviam atingido um hospital.

Pior, foi no mesmo dia, anteontem, em que o secretário anunciou às câmeras que cobriam sua entrevista coletiva diária:

– Nós não vamos fornecer informações que possam pôr em risco o êxito dos nossos esforços para acabar com as redes terroristas.

Não é fácil, para as redes americanas e ocidentais em geral, acreditar e reproduzir o que têm ouvido nas últimas semanas -e não só do Taleban.

Morte de crianças, ataque a hospital, não importa.

Segundo pesquisa Gallup, divulgada pela CNN, 85% dos americanos acham que a morte de civis é inevitável na guerra. Só 13% dizem que elas poderiam ser evitadas.

Então, não é maior problema para o governo George W. Bush, junto à opinião pública interna, se ?pelo menos? três bombas saírem matando, no Afeganistão, quem não tem nada a ver com a história.

Na mesma pesquisa da CNN, 60% dos entrevistados afirmaram que a mídia está exagerando a ameaça de antraz. Isso, é claro, nos Estados Unidos.

Na grande comédia nacional, já que José Serra, Tasso Jereissati e Roseana Sarney estão mais interessados uns nos outros, ainda é o ministro Pedro Malan quem faz as vezes de candidato governista.

Ontem, na Rede Globo, ele voltou a atacar a ?demagogia? de Lula."

***

"Essas falcatruas", copyright Folha de S. Paulo, 23/10/01

"De volta à grande comédia nacional, Paulo Maluf surgiu ontem nos intervalos comerciais, no horário nobre, com aquela indefectível inflexão de voz, falando das denúncias que envolvem Marta Suplicy e Geraldo Alckmin:

– Essas falcatruas eles não explicam. Por isso preferem atacar o Paulo Maluf. No ano que vem vamos derrotá-los.

O comercial tentava mimetizar uma campanha, mas era mesmo uma reação ao indiciamento de Maluf -que estava, não nos intervalos, mas nas manchetes dos telejornais.

Manchetes que destacaram, no Jornal Nacional, o ovo que passou ?de raspão? pela cabeça de Paulo Maluf.

Mais comédia em comercial: Roseana Sarney declarando que ?o destino das mulheres não é eternamente ser vice?, mas, é claro, ?as mulheres, se quiserem, podem ser vice?.

Quarta-feira passada, a TV do Irã deu a notícia dos soldados americanos no Afeganistão. Deu detalhes de localização, combates, helicópteros.

Só alguns sites menores, como o Ananova de Londres e o Villagevoice de Nova York, reproduziram.

No dia seguinte, canais como a CNN especularam sobre uma mensagem de propaganda dos Estados Unidos, usada no Afeganistão, que podia dar a entender o envio de tropas. Mas nada disseram dos soldados já enviados e da TV do Irã.

Só na sexta-feira o fato foi virar notícia no Ocidente, quando afinal confirmado pelo governo americano.

Até ontem, por outro lado, CNN e demais não haviam descoberto de onde estavam saindo os Rangers e outros que vêm descendo no Afeganistão. Seria Omã, talvez.

O problema é que, escaldados pela Guerra do Vietnã e satisfeitos com o controle que tiveram na Guerra do Golfo, os militares americanos não querem mais saber de mídia por perto.

Ela só serve para reprodução de informações e imagens rigidamente controladas -como aquelas esverdeadas, da mesma sexta, mostrando soldados no Afeganistão.

Dia após dia, o telejornalismo americano se vê mais enredado pela guerra de propaganda -que o próprio telejornalismo aceitou, de início.

Mas há sinais de reação, ao que parece pela motivação simples de não ficar para trás. A CNN, assim, teria desistido dos videofones e enviado um ?link? de satélite para Candahar, para uso do correspondente do canal Al Jazeera, do Qatar. Em troca, imagens de qualidade e informações exclusivas.

Até o nacionalismo da TV americana tem limites, quando se trata de levar furo."

    
    
                     
Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem