Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > DEMOCRACIA & TECNOLOGIA

Nelson Pretto e Maria Helena Bonilla

Por lgarcia em 28/02/2001 na edição 110

E-NOTÍCIAS

DEMOCRACIA & TECNOLOGIA

"Sociedade da informação: democratizar o quê?", copyright Jornal do Brasil, 23/02/01

"O programa Sociedade da Informação www.socinfo.org.br foi desenvolvido por diversos países, no mundo inteiro, com o objetivo de elaborar políticas de inserção neste mundo de conexões, tecnologias e globalização muito intensa. A idéia desses países sempre foi a de juntar um grupo de especialistas em diversas áreas do conhecimento para elaborar propostas iniciais em termos de educação, saúde, cultura, trabalho, transportes, governo eletrônico, política de desenvolvimento científico e tecnológico, entre outras, criando-se o chamado Livro Verde (Green Book).

No Brasil, esse livro foi lançado oficialmente pela Presidência da República, em agosto do ano passado, sendo esta, apenas, a primeira etapa do processo. Agora, ele tem que ser amplamente discutido com a sociedade para que possa se constituir em políticas que efetivamente atendam às necessidades da sociedade brasileira.

Do ponto de vista filosófico e político, quando se elabora um programa como este é necessário ter bem definido que projeto de sociedade se deseja, muito mais que a simples identificação do projeto para uma sociedade da informação. Temos que saber com qual concepção de sociedade estamos trabalhando.

Entre tantas concepções, a predominante contempla exclusivamente a questão do mercado, pelo fenômeno da globalização. Nesta concepção, é a universalização do acesso às tecnologias de informação e comunicação que vai oferecer a infra-estrutura necessária à informatização e ao desenvolvimento da economia, o que trará, como conseqüência natural dessa visão de mundo, o desenvolvimento da sociedade como um todo, não sendo, portanto, prioritário investir em questões sociais.

A história recente tem nos mostrado que essa lógica – primeiro o econômico e depois o social – não está conseguindo dar conta das crônicas desigualdades sociais no mundo todo. As questões econômica e de mercado, na nossa concepção, devem ficar subjacentes à questão social. E aqui a questão da universalização do acesso é condição necessária, mas insuficiente.

Falamos da necessidade de formar um cidadão pleno, mas o que percebemos é que o conceito de cidadania está enfraquecido. Atualmente, ele está associado, apenas, aos direitos do consumidor, o que é apenas uma parte da cidadania. Para que a cidadania seja plena, precisamos investir na autonomia do cidadão e na democratização da informação, o que implica potencializar processos horizontais de organização, produção e aprendizagem coletiva que se constroem com o acesso às informações.

Não podemos, portanto, nos contentar com o simples oferecimento de cursos ligeiros e baratos, presenciais e a distância, que oportunizem o (auto)aprendizado de noções básicas para o uso de serviços de informática e internet.

Assim, o grande desafio será o de articular todas as organizações da sociedade – universidades e faculdades (estaduais, federais e particulares), governos federal, estaduais e municipais, a iniciativa privada – buscando, efetivamente, a formação de cidadãos ativos e autônomos, universalizando o acesso à internet e promovendo a democratização da informação.

A articulação de todas essas instâncias favorecerá a montagem de uma grande conexão em rede, criando-se com isso uma rede científica, cultural e educacional de sustentação e fortalecimento do tecido social. Imaginamos que um trabalho conjunto do sistema educacional com as demais organizações não-educacionais possa vir a potencializar essas conexões, tornando-as plenas de sentido para quem as utiliza, com conteúdo criado localmente, de forma a trabalharmos na direção de uma inclusão digital ativa e contextualizada para toda a população.

Aqui, a inclusão é, também, entendida no sentido pleno, o que implica algo muito mais do que ter condições de, pela internet, comprar, acessar informações e participar de cursos a distância. Significa a participação efetiva, onde os indivíduos têm capacidade não só de usar e manejar o novo meio, mas, também, de prover serviços, informações e conhecimentos, conviver e estabelecer relações que promovam a inserção das múltiplas culturas nas redes, em rede.

O capítulo Educação na Sociedade da Informação do Livro Verde trata, com uma certa intensidade, da educação a distância, apontando-a como a metodologia adequada para resolver o problema da qualificação profissional, como se essa qualificação fosse suficiente para inserir a população no mercado do trabalho e, principalmente, no mercado de consumo.

Temos que estar atentos para o enfoque que queremos dar a essa questão. O que precisamos hoje é fortalecer a conexão do sistema público de ensino, mais do que centrar fogo nas questões de educação a distância, apesar de sabermos que elas são importantes e devem ser consideradas. No entanto, no nosso ponto de vista, isso é o que mais tem gerado equívocos.

Fala-se muito nas questões de alfabetização digital, mas não podemos esquecer que a alfabetização digital não está desvinculada das demais alfabetizações – da língua, dos números, da ciência, da expressão corporal. Em outras palavras, ou articulam-se estes saberes intensamente ou a alfabetização será parcial, podendo gerar o analfabetismo funcional digital. Não há como simplesmente dizer que se vai qualificar um trabalhador ensinando rudimentos de informática, porque, desse modo, ele será, também, um profissional de segunda categoria.

Portanto, utilizar educação a distância para ensinar a navegar na internet é um grande equívoco. Não é necessário ensinar aos jovens a navegar na internet. A meninada sabe fazer isto tranqüilamente. E, se estas tecnologias forem colocadas dentro da escola, eles vão inclusive passar a utilizá-las de formas diferenciadas das previstas.

Quanto à argumentação de que os adultos têm mais dificuldades com a tecnologia, nossa experiência mostra-se divergente. A Faculdade de Educação fez, recentemente, um trabalho com o Movimento dos Sem-Terra e, numa única tarde, os monitores dos assentamentos já estavam navegando e utilizando o correio eletrônico. Também tivemos uma experiência com os professores do Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet-BA), e foi fantástico presenciar a familiarização-relâmpago que aconteceu com os professores, que, no final do primeiro encontro, já estavam demonstrando uma certa desenvoltura, dando explicações do porquê estavam agindo desta ou daquela forma.

Esses são exemplos de que não há barreiras, sejam elas de idade, sejam elas da área de onde o sujeito advém, para a inserção nessa cultura tecnológica. Também mostram que não são necessários cursinhos do tipo introdução à informática, organizados linearmente, para ensinar a navegar. A navegação é uma coisa absolutamente simples e, mais do que colocar a população como usuária, como consumidora, ela deve ser colocada na qualidade de produtora de conhecimento.

Todo ser humano, seja ele jovem ou adulto, vai se familiarizando à medida que interage com a máquina, à medida que futuca de acordo com seus interesses e necessidades, não existindo razão para a imposição de pré-requisitos, a qual serve mais para barrar o processo de construção do que para estimulá-lo. O que precisamos é formar uma população ativa que se aproprie das possibilidades tecnológicas, para a efetivação de uma consciência coletiva inteligente, em busca de uma cidadania global."

Volta ao índice

e-Notícias – texto anterior

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem