Terça-feira, 26 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº959

PRIMEIRAS EDIçõES > Combinação

Noticiário sobre nova equipe beira a provocação

Por lgarcia em 01/01/2003 na edição 205

CASCAS DE BANANA

Alberto Dines

O Globo, sexta, 13/12, manchete de oito colunas, duas linhas: "Lula põe banqueiro do PSDB no BC e mercado ainda desconfia".

Folha de S.Paulo, mesmo dia, manchete de oito colunas: "Lula põe ex-banqueiro tucano no BC".

O Globo, sábado, 14/12, manchete de oito colunas, duas linhas: "Lula leva para seu ministério dois empresários que apoiaram Serra"

Dos três jornalões de referência nacional, Folha e O Globo excitaram-se mais com as novas indicações do presidente Lula. Exageram na "análise" e forçaram conclusões. Curiosamente, O Estado de S.Paulo, único a assumir apoio ostensivo ao candidato Serra, não participou do show.

Este tipo de excitação pode ser explicada com algumas palavras-chave:

** Malícia com relação às promessas de mudança do candidato Lula;

** Provocação aos setores mais radicais do PT;

** Fazer barulho na entressafra da transição;

** Novo tipo de jornalismo analítico;

** Combinação das anteriores.

Não há nenhuma inverdade nessas manchetes: Henrique Meirelles foi efetivamente eleito deputado na legenda do PSDB; Luiz Fernando Furlan e Roberto Rodrigues efetivamente deram apoio ao candidato Serra, mas os atentos guardiões da veracidade esqueceram que o novo chanceler Celso Amorim ? como o faria qualquer funcionário público de carreira ? também serviu ao governo anterior em postos importantes (entre os quais a representação do Brasil nas Nações Unidas).

E se o nome do jogo é "interpretação", conviria lembrar que Antonio Palocci foi o primeiro prefeito do PT a aderir à idéia da privatização e José Dirceu, um dos esteios do processo de modernização do PT que permitiu a vitória de Lula em outubro passado.

E daí?

Se todos concordam que esta transição é um avanço em matéria de entendimento e democracia, por que aferrar-se aos modelo predatório que sempre caracterizou as trocas de governo?

FHC chamou Francisco Weffort (figura conhecida do PT) para chefiar a área da Cultura e o manteve no cargo ao longo dos dois mandatos. Ninguém estrilou, ninguém maliciou, ninguém provocou. Normal, faz parte do jogo político.

Se José Serra fosse eleito, poderia convocar o sanitarista Eduardo Jorge do PT para o Ministério da Saúde e ninguém estranharia ? seria aplaudido de pé.

Quando o empresário Eugênio "Gradiente" Staub declarou ser tucano de carteirinha mas que votaria em Lula houve debates sobre o teor das suas declarações. Mas quando seu nome apareceu como ministeriável não houve jogadas para desqualificá-lo como ex-tucano.

O processo político é dinâmico, transcende ao "gremialismo" sobretudo quando se trata de partidos com algumas afinidades.

Estranha foi a naturalidade com que a mídia recebeu o apoio a Lula de Antonio Carlos Magalhães e José Sarney ? dois notórios reacionários.

O "neo-interpretativismo" de alguns jornalões em suas manchetes tem algo de caipira e muito de ardiloso. Expressado com tamanho destaque no início do processo de substituições é, no mínimo, precipitado. Tem um quê de provocação.

Dá idéia do que virá depois.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem