Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

O Afeganistão é aqui

Por lgarcia em 10/10/2001 na edição 142

CONCENTRAÇÃO
E GUERRA SUJA

Alberto Dines

Quando os grupos Globo e Folha criaram
o Valor e estabeleceram um novo Tordesilhas que dividiu
entre eles o mercado de jornais, ninguém reagiu. Nem
a pobre Gazeta Mercantil, vítima declarada do
conluio, estrilou ou esperneou. Curiosamente naquela ocasião
nenhum dos parceiros sentia-se ameaçado. Ao contrário:
a Folha impunha-se ao Estadão e o Grupo
Globo era hegemônico. A atração
não foi ditada pela necessidade de sobreviver mas pela
paranóia de dominar.

Todos acharam normal o processo de cartelização que então
se iniciava. As agências reguladoras fingiram que não
viram e a classe política ? compreendidas as oposições
? sequer fingiram. Também as entidades que assumem-se como
representantes da sociedade civil (OAB, ABI e CNBB). Discutir a
mídia é suicídio político. Mesmo quando
a sociedade civil corre perigo.

Obviamente, a discussão só aconteceu no âmbito deste Observatório [veja remissões abaixo].

Pouco mais de um ano depois, os inevitáveis atritos dentro do cartel (ou dentro do Grupo Bolha, como ficou conhecida a parceria), agravados pelo movimento inercial que empurra as Organizações Globo para o domínio do processo informativo no Brasil, provocaram uma fratura. E um realinhamento não menos perigoso.

O conglomerado global esqueceu a divisão do mercado brasileiro, o Tordesilhas acordado entre as partes, e avançou na gorda fatia paulista: comprou o Diário Popular, transformou-o em Diário de S.Paulo e lançou o novo produto com o formidável poder de fogo de que dispõe: emissoras de TV (aberta e a cabo), revistas e jornais.

O movimento obrigou a Folha e o Estadão a esquecerem velhas pinimbas, mágoas e orgulhos: montaram uma imbatível empresa de distribuição estadual e nacional que dominará a entrega de jornais ? e, eventualmente, revistas ? na porção mais rica do país.

Para inibir qualquer denúncia de cartelização, os sócios acolheram Valor no esquema de distribuição ? sitiando completamente a Gazeta Mercantil e mandando dizer à concorrência que quem manda em Sampa são eles.

Novamente nenhum protesto. O máximo que se publicou sobre a aberrante parceria foi a plácida reflexão do Ouvidor da Folha, considerando que enquanto Folha e Estadão continuarem editorialmente diferentes a pluralidade jornalística não será afetada [remissão abaixo]. Seguindo o mesmo raciocínio, deve considerar-se rigorosamente inocente a fusão AOL Time Warner.

O lance seguinte, imediato, foi o anúncio de uma aliança entre o grupo controlador do Jornal do Brasil com a Gazeta Mercantil. Significa que O Dia, do Rio, não poderá ficar alheio ao processo centrípeto. Nem os Diários Associados, que dominam algumas praças secundárias porém nada desprezíveis (Brasília e Minas, por exemplo).

Do exposto saltam algumas perguntas e muitas aflições:

** Este vertiginoso dominó é bom para a imprensa brasileira?

** Considerando que os jornais são os reais formadores de opinião da sociedade, pode-se considerar salutar este avassalador movimento de concentração na imprensa diária?

** Se a imprensa metropolitana alinha-se em grupos tão rígidos, qual será a saída para os grupos regionais ainda mais descapitalizados?

** A ativação do processo concorrencial com uma violência jamais vista entre nós não poderá promover um nivelamento generalizado com conseqüências dramáticas na qualidade da informação oferecida?

** O fato de ocorrer num período de vacas magras e queda brutal de receitas não equivale a um suicídio coletivo?

** Onde estão metidas as entidades corporativas que não se manifestam? O que a ANJ, FENAJ e ABI têm a dizer a respeito desta perniciosa polarização?

** E a famosa transparência da qual a imprensa deveria ser paradigma e inspiração?

** Cadê o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) que assiste calado às sucessivas agressões à livre concorrência num segmento industrial que, teoricamente, deveria dar o tom aos demais?

O mais grave é que a solução para o processo de descapitalização galopante da mídia brasileira foi aventada, discutida e está rascunhada desde 1997: a emenda ao artigo 222 da Constituição, que democratiza e flexibiliza o capital das empresas jornalísticas [veja abaixo remissões para Dossiê Artigo 222].

A idéia, inicialmente encampada por jornalistas, empresários e políticos, começou a ser bombardeada, como atentado "à identidade nacional", pouco antes de ser encaminhada ao plenário da Câmara Federal, para aprovação. Como se a participação ostensiva porém limitada de capitais estrangeiros fosse mais grave do que a situação atual onde TODOS fazem negócios com multinacionais ? ao arrepio da lei e do decoro jornalístico.

O Afeganistão é aqui: o futuro do Brasil democrático e pluralista está sendo decidido no eixo Rio-São Paulo. Sem foguetes ou supersónicos, a golpes de navalha e de foice.

 

Leia também

 

Dossiê Globolha

 

Dossiê Artigo 222

Mais
uma burla ao Artigo 222

    
    
              

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem