Sábado, 23 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

PRIMEIRAS EDIçõES > ARAÚJO NETTO (1929-2003)

O caso do jornalista que morreu de tristeza

Por Alberto Dines em 30/12/2003 na edição 257

Ele esteve presente nos mais importantes momentos da imprensa brasileira na segunda metade do século 20: na melhor fase da Tribuna da Imprensa, na renovação de Manchete e O Cruzeiro, no lançamento de Senhor, na reforma do Jornal do Brasil e, em seguida, na sua consolidação como jornal de referência. Seus 32 anos como correspondente do JB em Roma ajudaram a estabelecer em nossa imprensa os paradigmas da cobertura internacional.

Também no JB Araújo Netto testemunhou ? neste caso como vítima ? um dos momentos cruciais da transformação do nosso jornalismo. A perversa substituição de uma geração de grandes profissionais para atender ao “rejuvenescimento” das redações interrompeu quatro décadas de dedicação exclusiva e alijou-o de uma casa que ajudou a construir.

O Globo, num gesto galante, contratou-o como free lancer, mas um acidente cardiovascular tirou-lhe grande parte da mobilidade.

Além da generosidade e da doçura, ele representa uma geração de jornalistas que fez do esmero sua razão de viver. Exímio no texto e na fotografia, capaz de brilhar na análise de uma partida de futebol ou nas avaliações sobre os meandros do Vaticano. Foi um dos remanescentes do jornalismo superior e multidisciplinar ? preito ao leitor universal ? cada vez mais esquecido.

Araújo Netto morreu de tristeza e desgosto.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem