Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > NP MORTO

O Estado de São Paulo

Por lgarcia em 07/02/2001 na edição 107

MEMÓRIAS DE WATERGATE

"Invasão de Watergate era para buscar fotos de suposta prostituta", copyright O Estado de S. Paulo, 31/01/01

"O grupo que invadiu em 1972 o quartel-general do Partido Democrata, no Edifício Watergate, não buscava documentos políticos secretos, mas fotografias de uma suposta prostituta, revelou ontem G. Gordon Liddy, que chefiava os invasores republicanos. O episódio desencadeou uma onda de escândalos que culminou com renúncia do então presidente, o republicano Richard Nixon.

Os invasores procuravam fotografias de uma mulher, Maureen, que se casaria depois com John Dean, então advogado da Casa Branca. ‘Dean suspeitava que sua noiva teria integrado um grupo de mulheres `usadas’ pela Comissão Executiva Nacional do Partido Democrata para entretenimento de políticos de Washington’, disse Liddy, hoje com 70 anos, ao prestar declarações num processo por difamação. O processo foi aberto contra ele por Ida Wells, secretária de um dirigente democrata que ele vinculou num livro ao grupo de prostitutas. Foi a primeira declaração pública dele em 28 anos sobre o mais comentado ‘roubo’ da história dos Estados Unidos.

Segundo Liddy, Dean, o advogado de Nixon, lhe havia dito que a operação era necessária para garantir a vitória dos republicanos nas eleições de 1972.

‘Naquele momento, não entendi porque me encarregaram de executar aquele plano, que me pareceu sem sentido’, contou Liddy, que atualmente comanda um programa de rádio de extrema direita. ‘Só muito mais tarde compreendi o verdadeiro motivo da operação encabeçada por John Dean.’"

NP MORTO

"NP", copyright Folha de S. Paulo, 1/02/01

"O artigo ‘Fuzilado na Barão de Limeira’, de Álvaro Pereira Júnior (‘Tendências/Debates’, pág. A3, 29/1), sobre o ‘fim’ do ‘Notícias Populares’, tocou-me profundamente. Leitora da Folha, já sinto saudades do meu segundo jornal. Saudade de andar até a banca e sofrer o impacto de sua Primeira Página, exposta, escancarada. De sentir o jornalismo irreverente e inteligente e a vida e a morte através de suas fotos corajosas. Saudade de Maria, que foi alfabetizada lendo o ‘NP’ quando trabalhava em minha casa. Saudade de sua gargalhada e de seu choro quando conseguiu ler sozinha a legenda da foto de um homem com o rosto coberto e as mãos algemadas. A vida levou Maria para longe, mas o hábito de ler o ‘NP’ permaneceu. Até o dia em que foi fuzilado na Barão de Limeira. Saudade.’ Norma Gerusa Santos Silva Mota (São Paulo, SP)"

Volta ao índice

Imprensa em Questão – texto anterior

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem