Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

PRIMEIRAS EDIçõES > TELEJORNALISMO

O impacto da não-notícia

Por lgarcia em 12/12/2001 na edição 151

TELEJORNALISMO

Paulo José Cunha (*)

Uma notícia pode ser analisada em relação a sua veracidade; depois, acerca do ângulo sob o qual o fato que a gerou foi abordado; também sobre a idoneidade do repórter que a apurou e do veículo que a divulgou; pode-se ainda avaliar como foi tratada a notícia do ponto de vista da edição (se ocupou mais ou menos espaço ou tempo). Podem ser examinadas suas implicações e seus desdobramentos e sua inter-relação com a conjuntura. Pode-se considerá-la relevante ou irrelevante, importante ou desimportante a partir de avaliações subjetivas. Pode-se, inclusive, especular sobre as razões de quem divulgou o fato (pois existem notícias que não servem ao interesse público, e sim ao interesse direto do veículo ou de quem o financia). Ainda outro dia, um jornal maranhense ligado ao grupo de mídia comandado pelo senador José Sarney divulgou uma catástrofe falando mais das providências adotadas pela governadora Roseana Sarney do que do fato em si. O nome de Roseana estava presente em quase todos os parágrafos, denunciando nítido interesse em promover a candidata. A notícia saiu perdendo e Roseana, ganhando. No famoso debate Lula x Collor denunciou-se a manipulação da edição do JN para favorecer ainda mais a candidatura de Collor. A notícia saiu perdendo etc.

Até aqui estamos no terreno da notícia, inclusive da notícia distorcida ou apresentada de modo a favorecer este ou aquele ponto-de-vista. Mas sempre da notícia objetiva, visível, palpável, tangível. Mas, e o que dizer da não-notícia, da discreta omissão ou da sonegação proposital da informação, visando com isso a formação de uma opinião favorável ou contrária a uma causa, uma candidatura, uma instituição? É possível analisar uma não-notícia?

No excelente "Mídia: teoria e política" (Ed. Fundação Perseu Abramo, 365 págs, R$ 30) o professor e pesquisador Venício A . de Lima, com ajuda de Liziane Guazima, pesquisou 26 edições do Jornal Nacional, de março a agosto de 1998, período imediatamente anterior à disputa de Fernando Henrique Cardoso pela reeleição. A pesquisa, complexa e exaustiva, comprova de modo irrefutável a suspeita que a originou, segundo a qual a Rede Globo teria tido participação direta, sobretudo por omissão, na formação de uma opinião favorável a FHC. Assim, passaram quase batidas no JN as denúncias de Itamar e Andrade Vieira; a presença da seca nordestina no noticiário; os saques dos flagelados mostrados como "ação política" etc.

Mas, aponta Venício, o dado mais gritante do exame comparado do JN com outros telejornais e com os cinco jornais da chamada grande imprensa foi o enfoque abertamente favorável ao governo que pleiteava a reeleição em relação ao tema mais sensível na época: o desemprego. O próprio slogan de FHC era "Quem derrotou a inflação vai vencer o desemprego", lembra? Os índices de desemprego eram divulgados por fontes oficiais (Ministério do Trabalho, IBGE), patronais (Fiesp), sindicais (Dieese) e por institutos de pesquisa como o Ibope.

"Apesar disso" ? diz o pesquisador ? "o JN somente noticiou dois índices: um divulgado pelo IBGE, que indicava uma diminuição de 0,22% no índice de desemprego; e o outro divulgado diretamente pelo ministro do Trabalho, que indicava aumento da oferta de emprego para trabalhadores com carteira profissional. Por outro lado, o JN jamais noticiou aqueles índices que, mensalmente, anunciavam o aumento do desemprego, que atingiu patamares alarmantes no primeiro semestre de 1998".

Racionamento, o exemplo mais recente

A não-notícia raramente chama a atenção. A notícia "oculta" em um veículo só ganha visibilidade por efeito de contraste com outros media que dela tenham se ocupado editorialmente. Foi assim na época da campanha das Diretas, de cobertura obrigatória por todos os veículos de comunicação (inclusive o jornal O Globo). A omissão da Rede Globo de Televisão em relação ao assunto foi tão ostensiva que chamou a atenção a ponto de a própria não-notícia tornar-se eloqüente (o famoso Comício da Candelária terminou sendo abordado sob o disfarce de festividade comemorativa do aniversário de São Paulo). Com as manifestações pelas Diretas crescendo em intensidade e volume, a emissora foi forçada a vê-lo. E, para amenizar o impacto do slogan "o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo" cunhado anos antes numa greve de metalúrgicos, foi forçada a negociar com o governo militar e a mostrar, mesmo timidamente, um dos maiores movimentos de massa da história recente do país.

Como o monopólio televisivo praticamente inviabiliza o efeito de comparaç&atildeatilde;o,
somente em pesquisas como a do professor Venício é
possível verificar objetivamente o impacto da não-notícia.
A qual, sem dúvida, às vezes é muito mais influente
do que o mais virulento editorial. Como a verba para pesquisas desse
tipo é muito restrita, podemos (devemos) estar cercados do
perigo da não-notícia em todas as áreas sem
sequer nos apercebermos disso. O racionamento de energia, por exemplo,
é o resultado de quê?

(*) Jornalista, pesquisador, professor de Telejornalismo, diretor do Centro de Produção de Cinema e Televisão da Universidade de Brasília. Este artigo é parte do projeto acadêmico “Telejornalismo em Close”, coluna semanal de análise de mídia distribuída por e-mail. Pedidos para <upj@persocom.com.br>

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem