Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

PRIMEIRAS EDIçõES > LA TIMES

O jornalão em livro

Por lgarcia em 27/06/2001 na edição 127

LA TIMES

Desde 1880, o tradicional Los Angeles Times é passado de geração a geração pela família de Norman Chandler. A troca de guarda não é assunto secundário, uma vez que o LA Times é, de longe, o mais importante jornal do estado da Califórnia e um dos maiores dos EUA.

Quando Otus, filho de Norman Chandler, assumiu em 1960 a liderança do jornal, sua primeira palavra, para cerca de 725 cidadãos influentes do Sul da Califórnia, foi "uau". Com apenas 32 anos e aparência de surfista da moda ? o que de fato era ?, o novo Chandler provou que as primeiras risadas do público em breve não se repetiriam.

Greg Mitchell [The New York Times, 17/6/01] conta que engraçado não era o jovem editor, mas o geriátrico LA Times. O jornal estava freqüentemente na lista dos 10 piores jornais dos EUA. Por décadas, permaneceu medíocre, apesar dos bolsos cheios de seus proprietários. Em 1934, depois que o escandaloso Upton Sinclair foi indicado governador pelo Partido Democrata, o então editor de Política do Times, Kyle Palmer, prometeu que aniquilaria Sinclair politicamente ? e o fez. Dezesseis anos depois, Palmer escreveu que seu jornal apoiaria a candidatura ao Senado de Richard M. Nixon, permitindo que, "de tempos em tempos, quando houvesse espaço", também cobriria a rival, Helen Douglas.

Não demorou muito para que Otis Chandler modificasse essa fórmula e, como ele mesmo disse, fizesse com que os críticos "engolissem suas palavras" e considerassem o Times "um dos melhores jornais do mundo". Apenas alguns meses após assumir a liderança do jornal, passou a promover cobertura surpreendentemente equilibrada das eleições presidenciais entre Nixon, que o jornal apoiava, e seu oponente, John F. Kennedy. O Times repetiu a fórmula em 1962, quando Nixon concorreu com Pat Brown para governador da Califórnia.

Assim, Otis Chandler tornou o LA Times não apenas um dos jornais de maior faturamento, mas um dos melhores dos EUA. Dennis McDougal, ex-repórter do jornal, reconta toda a história baseado em pesquisas e entrevistas. O resultado está no livro Privileged Son, que acaba de ser lançado nos EUA. Uma leitura surpreendente, diz Mitchell, que merece apenas uma palavra como comentário: uau.

    
    
                     

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem