Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

PRIMEIRAS EDIçõES > **

O Seqüestrado do Ano dispensa entrevistadores

Por lgarcia em 01/01/2003 na edição 205

WASHINGTON OLIVETTO

Alberto Dines

Se o cidadão médio já suspeitava que os jornalistas brasileiros não sabem fazer perguntas, graças ao publicitário Washington Olivetto isto ficou patente, gritante, incontestável.

A entrevista coletiva do Seqüestrado do Ano (quinta-feira, 7/2, em São Paulo) foi uma exibição da incapacidade de formular questões e extrair do entrevistado o que se quer saber (e não o que ele quer dizer).

Basta reparar que a pergunta que mais interessava à mídia como instituição ? devem os seqüestros ser mantidos em sigilo? ? só conseguiu ser formulada no fim, quando todos queriam sair correndo para escrever suas matérias.

E foi formulada por uma profissional, colaboradora freqüente deste Observatório. A resposta foi publicada por um único jornal no dia seguinte (O Estado de S.Paulo) de forma precária (veja abaixo)

Washington Olivetto ? em qualquer circunstância ? é um showman capaz de entreter e fascinar uma multidão durante horas com suas tiradas, sua irreverência, sua forma vital de ir ao fundo das questões. Ao transformar-se em narrador de um episódio com tamanha intensidade magnificou-se sua capacidade inata.

Se o amigo André Midani, companheiro na mesa, tivesse aberto a sessão dizendo "então, conta como é que foi", cerca de 80% das perguntas poderiam ter sido dispensadas.

Pelo rádio e TV, ao vivo, ficou evidente que:

** grande parte das perguntas
foi lida;

** inúmeras foram repetidas;

** isso significa que os perguntadores não prestavam atenção ao que o entrevistado revelava ? tinham que aparecer de qualquer maneira, caso contrário, levariam bronca do chefe;

** em conseqüência, poucas foram as perguntas nascidas de alguma resposta, capazes de exigir algo mais do entrevistado;

** prevaleceu a banalidade;

** evidenciou-se, mais uma vez, a incapacidade de articular uma pergunta de forma direta e clara.

Apenas um jornal — novamente o Estadão ? descreveu o clima de happening (8/2/02, pág. C-1, "Olivetto mantém estilo durante a entrevista"). Seu concorrente, a Folha, aderiu ao desbunde, atenta às irrelevâncias e modismos cult. Não poderia ser diferente: a Folha freqüentemente contrata a W/Brasil para campanhas especiais.

Íntegra da resposta de Olivetto à questão do sigilo em seqüestros:


"Eu aprendi a função de noticiar ou não… Pensei nisso muito seriamente ontem num almoço em casa…Você leu o Gay Talese [nome do livro inaudível]? É uma questão caso a caso. Existem momentos em que noticiar pode ser favorável. Nesse meu caso, pelas informações que o André [Midani, amigo que cuidou das negociações] me deu, noticiar era trágico…"


Dos quatro semanários, apenas Época tratou do sigilo nas edições do último fim de semana. E o fez de forma serena, elegante e irrespondível no artigo "A Imprensa ajudou" assinado pelo diretor de redação.

Carta Capital perdeu excelente oportunidade para exibir o potencial de um semanário alternativo.

Veja também

Compacto
do Observatório na TV, que tratou do Caso Olivetto

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem