Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

PRIMEIRAS EDIçõES > TELETIPO

Obra polêmica

Por lgarcia em 12/06/2002 na edição 176

TELETIPO

O último livro de Martin Walser, um dos mais aclamados escritores alemães da atualidade, ainda nem foi publicado, mas já provocou reações iradas. O jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung, a quem ele ofereceu o manuscrito, classificou Morte de um crítico de "documento de ódio" anti-semita, por descrever um crítico que tem semelhanças com o famoso Marcel Reich-Ranicki, ex-apresentador de um programa sobre literatura e sobrevivente do Holocausto. Walser defende que o romance versa mais sobre o poder do crítico na era da televisão. "Para mim, o ponto é que a figura de Reich-Ranicki usa e abusa de seu poder sobre o mercado literário", argumenta. Em 98, o escritor causou polêmica ao pedir que o Holocausto parasse de ser usado como "instrumento de intimidação e porrete moral" contra a Alemanha. Informações da AP (29/5/02) e de Steven Erlanger [New York Times, 6/6].

A NBC News anunciou que Tom Brokaw permanecerá o principal âncora da casa até as eleições presidenciais de 2004. O jornalista deve continuar na rede, provavelmente apresentando especiais, e será substituído em novembro daquele ano por Brian Williams, apresentador do canal a cabo MSNBC. Jim Rutenberg [New York Times, 28/5/02] informa que ABC e CBS ainda não divulgaram nenhum plano de sucessão para os também veteranos Peter Jennings e Dan Rather.

Jacques Fauvet, ex-diretor do prestigiado Le Monde de 1969 a 1982, morreu em 1o de junho em Paris, aos 87 anos. Fauvet entrou no jornal no final da Segunda Guerra Mundial, onde trabalhou como correspondente político e editor-chefe, chegando a diretor geral, o cargo mais alto do Monde, quando o fundador Hubert Beuve-Méry se aposentou. Conta Paul Lewis [New York Times, 4/6/02] que ele e um editorialista foram processados em 1980, acusados de "atacar a autoridade e a independência do Judiciário", por terem publicado críticas às sentenças do "escândalo dos diamantes" envolvendo Valéry Giscard d?Estaing, então presidente da República. Um ano depois, os jornalistas foram anistiados.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem