Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

PRIMEIRAS EDIçõES > TELETIPO

Patrocínio oculto

Por lgarcia em 10/07/2002 na edição 180

TELETIPO

A FTC (sigla em inglês para Comissão Federal de Comércio) chegou à conclusão de que alguns mecanismos de procura da internet que colocam sítios pagantes em destaque nos resultados não deixam isso claro para os usuários. Pesquisa realizada pelo grupo de advocacia Consumers Union mostra que 60% das pessoas que acessam a rede não sabem que existe esse tipo de patrocínio. A FTC enviou carta às empresas que mantêm máquinas de busca pedindo que se certificassem de que "qualquer resultado pago seja distinguido de resultado não pago com aviso claro e evidente". Foi uma resposta à reclamação feita em julho de 2001 pela organização Commercial Alert, que pediu que fossem investigados sítios de empresas como AOL Time Warner, Terra Lycos, AltaVista e Microsoft, reporta The Wall Street Journal [28/6/02].

A CNet Networks Inc. anunciou que demitirá cerca de 10% de seus funcionários, aproximadamente 200 pessoas, em tentativa de sobreviver à crise das empresas de alta tecnologia, importantes patrocinadoras de seu sítio, que é o 11o com maior número de visitantes ? 23,2 milhões em maio. De acordo com Michael Liedtke, da AP [27/6/02], nos últimos dois anos, a CNet teve prejuízo de US$ 2,5 bilhões. No primeiro quadrimestre de 2002, se acumularam US$ 31 milhões de perdas e a empresa já alertou que no segundo serão gastos entre US$ 7 milhões e US$ 8 milhões para reestruturação. A turbulência por que passa a companhia fez suas ações despencarem de US$ 79,88, no final de 1999, para atuais cerca de US$ 2,30.

O sítio Lycos adicionou a seu mecanismo de busca função de procura de notícias que acessa uma base de 3 mil sítios renovada a cada minuto. Não há um campo específico para procurar as notícias. Basta mandar buscar o assunto desejado e clicar na opção de notícias na página de resultados. A novidade acompanha os esforços de outras páginas, como Yahoo e Google para atender a maneira como muitos usuários acessam noticiário na rede, que é procurando tópicos específicos em vez de navegar pelo sítio de um jornal. Pesquisa da Forrester Research mostrou que, em dado mês, 42% dos internautas leram notícias na rede, mas que apenas um quarto acessou a página de um jornal e um quinto a de uma revista. As informações são do Washington Post [30/6/02].

Lifetime será a nova revista para mulheres na faixa dos 30 produzida em conjunto pela Hearst Magazines e a TV a cabo Lifetime, líder de audiência no horário nobre. A publicação sairá em março de 2003 com tiragem bimensal de 500 mil exemplares, e quer usar no papel o conceito do canal, conhecido por seus filmes em vídeo sobre temas femininos e seriados como The division e Any day now. A editora tem 16 títulos nos EUA, entre eles Cosmopolitan, Good Housekeeping, Marie Claire e House Beautiful. Além disso, ela divide a propriedade da emissora Lifetime com a Disney. Isso significa que a nova revista terá espaço publicitário amplo nas outras publicações da Hearst e nos canais da Disney, além do próprio Lifetime.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem