Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

PRIMEIRAS EDIçõES > INCÊNDIO NO XUXA PARK

Paulo Fona

Por lgarcia em 07/02/2001 na edição 107

QUALIDADE NA TV

VASCO & GLOBO

"Marcação cerrada", in Informe JB, copyright Jornal do Brasil, 1/02/01

"A TV Globo não desiste de pegar no pé de Eurico Miranda. Ontem, o Globo Esporte mandou a Feira de Santana (BA) para entrevistar a família do vascaíno Júnior Baiano – acusado de ter usado cocaína – o repórter Isaías Malhado.

Agora, nas imagens sobre o assunto, aparece o logotipo do SBT, escondido na transmissão da final da Copa João Havelange."

INCÊNDIO NO XUXA PARK

"Laudo vê falhas na segurança da TV Globo", copyright Folha de S. Paulo, 3/02/01

"Um cadeado prendendo a barra de segurança dificultou a retirada da menina Thamires Gomes Vallejo, 7, da cadeira da roda gigante onde ela estava sentada durante o incêndio no estúdio de gravação do programa ‘Xuxa Park’. Esta foi uma das conclusões do segundo laudo elaborado pelo ICCE (Instituto de Criminalística do Carlos Éboli), divulgado ontem.

Thamires está internada no Centro de Tratamento Intensivo do Hospital de Força Aérea do Galeão, no Rio. Ela foi uma das vítimas mais graves do incêndio, ocorrido no dia 11 de janeiro no Projac, cidade cenográfica da Rede Globo em Jacarepaguá.

‘A barra de segurança com o cadeado permitia somente a retirada de crianças de compleição física regular ou franzinas. Como a Thamires é gordinha, isso atrapalhou’, disse o delegado Zaqueu Teixeira, da 32ª Delegacia de Polícia, de Jacarepaguá (zona oeste).

De acordo com o laudo, de seis páginas, a roda gigante onde Thamires estava sentada deveria ser utilizada apenas como peça do cenário e não como brinquedo, como ocorreu. No momento do incêndio, outras cinco crianças estavam na roda gigante.

Os peritos do ICCE também concluíram que o vídeo exibido antes do início das gravações para orientar o público em situações de emergência não possuía informações detalhadas sobre o procedimento de saída. Além disso, uma parede de madeira teria atrapalhado a saída de quem estava nas arquibancadas do estúdio. O laudo afirma ainda que o combate inicial ao fogo, com a utilização de extintores, foi inócuo.

Em 25 de janeiro, o ICCE concluiu que o incêndio foi acidental e causado por curto-circuito no spot de luz giratório da nave que fazia parte do cenário. Teixeira solicitou esclarecimentos ao ICCE sobre algumas conclusões desse laudo. Ele quer informações sobre os fios elétricos com emendas encontrados pelos peritos na área da nave, onde começou o fogo.

O delegado informou que vai tomar depoimentos de outras pessoas que estavam no estúdio na hora do acidente. ‘Faltam ainda ouvir os vigilantes, o pessoal que manuseava a roda gigante e também os responsáveis pela infra-estrutura, além da Xuxa.’

Cerca de 300 pessoas, entre elas 200 crianças, estavam no estúdio quando o incêndio ocorreu. Das 26 pessoas atendidas, 14 foram internadas. Entre as vítimas, os casos mais graves foram os de Thamires e do segurança da Xuxa, Leonílson Vieira de Oliveira, 47.

Emissora diz que instalações têm qualidade

Leia a íntegra da nota da emissora:

‘Em relação à divulgação do segundo laudo pericial relativo ao incêndio no estúdio ‘F’ do Projac, a Central Globo de Comunicação esclarece:

A Globo tem convicção da qualidade de suas instalações e da eficácia do processo de combate ao fogo que possibilitou que um acidente como esse não tivesse maiores proporções.

A emissora tem certeza de que este é um processo longo e complexo com visões diferentes a cada momento, como demonstram as divergências entre as versões técnicas que foram divulgadas e as que ainda serão apresentadas até o final deste processo.

Para a TV Globo, o fundamental durante todo acontecimento foi a preocupação com os feridos e suas famílias. A emissora fica tranquila com a recuperação de todos. Felizmente nenhuma vítima corre risco de vida.’"

"Padre Marcelo Rossi visita vítimas de incêndio na gravação do ‘Xuxa Park’", copyright O Globo, 31/01/01

"A pedido da apresentadora Xuxa Meneghel, o padre Marcelo Rossi desembarcou no Rio ontem pela manhã exclusivamente para visitar os três feridos no incêndio do programa ‘Xuxa Park’ que continuam hospitalizados.

O padre esteve inicialmente na Clínica São Vicente, onde visitou o menino Marcus Vinicius Ventura, de 5 anos. Lá, ele conversou com a mãe do garoto e o restante da família e foi em seguida para o Hospital Barra D’Or, onde está internado o segurança particular de Xuxa, Leonílson de Oliveira, de 47 anos. Leonílson passou duas semanas na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do hospital. Porém, como teve uma melhora acentuada, foi transferido no fim de semana para um dos quartos do Barra D’Or.

O padre, que veio de São Paulo, terminou sua missão com a menina Thamires Gomes Vallejo, de 7 anos, e seus parentes. Padre Marcelo fez orações, brincou e cantou no Centro de Tratamento de Queimados do Hospital de Força Aérea do Galeão, onde ela permanece internada.

Ontem teve alta o mestre-sala do Salgueiro Reinaldo Alves Teixeira, de 34 anos. O médico Marco Aurélio Pellon, responsável pela Unidade de Tratamento de Queimados da Clínica São Vicente, permitiu que o mestre-sala ensaie, já neste sábado, para o desfile de carnaval do Salgueiro."

Volta ao índice

Qualidade na TV – próximo texto

Qualidade na TV – texto anterior

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem