Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

PRIMEIRAS EDIçõES > DITADURA & COLABORACIONISMO

Paulo Vasconcellos

Por lgarcia em 12/12/2001 na edição 151

DITADURA & COLABORACIONISMO

"Os amigos da censura", copyright No. (www.no.com.br), 10/12/01

"Há um petardo pronto para virar livro. Trata-se de ?Cães de guarda: jornalistas e censores, do AI-5 à Constituição de 1988?. A tese de doutorado da historiadora carioca Beatriz Kushnir, 35 anos, aprovada com louvor em outubro no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), lança suspeitas sobre um dos mitos cultuados pela imprensa brasileira: o de que jornais e jornalistas foram quixotes na luta contra o regime militar. O trabalho tem 473 páginas e é resultado de cinco anos de pesquisas. Beatriz mirou no que viu e acertou no que não viu. Começou como um estudo da censura à imprensa alternativa e acabou desvendando o grau de colaboracionismo com a ditadura incrustado em algumas redações.

?Assim como nem todas as redações eram de esquerda, nem todos os jornalistas fizeram do ofício um ato de resistência ao arbítrio?, diz Beatriz Kushnir. ?Há um desconforto diante da desmistificação generalizante de que os jornalistas combateram a ditadura.? O trabalho demonstra que os jornais que tiveram um censor na redação não foram tantos assim, que a primeira profissão de parte dos censores era o jornalismo e, pior, que havia um elevado grau de promiscuidade nas relações entre alguns jornalistas e os órgãos de repressão. Beatriz não foge à polêmica. Para a tese de mestrado na Universidade Federal Fluminense (UFF) ela escolheu a história das prostitutas judias que se organizaram em associações de ajuda mútua e ficaram conhecidas como polacas, citadas nos versos de Aldir Blanc para a música ?O mestre-sala dos mares? – não por acaso uma das vítimas da censura, que vetou o título original: ?O almirante negro?.

A historiadora começou a derrubar as ilusões da imprensa brasileira ao pesquisar os documentos do Departamento de Censura de Diversões Públicas da Polícia Federal no Arquivo Nacional, em Brasília, entrevistando 11 censores – exceção para Solange Hernandes, a popular Solange Tesourinha, que mandava cortar tudo o que é filme, livro, texto de teatro e versos de músicas – e uma penca de jornalistas. O porão que escondia os instrumentos legais da censura abrigava também jornalistas de formação. ?Foi tentando perceber quem eram os censores que me surpreendi ao encontrar já no primeiro grupo deles dez jornalistas.? Descobriu ainda policiais de carreira que atuaram como jornalistas colaborando com a repressão.

Os três primeiros capítulos mostram a evolução da censura desde a Proclamação da República. É iguaria rara, mas o melhor vem depois. Da posição cínica defendida por um jornal do Rio, em 1976, em defesa de uma ?censura inteligente? – feita por pessoal mais bem preparado política e intelectualmente – à constatação de que, na prática, os jornais optaram preferencialmente pela autocensura ao encampar as notas da Polícia Federal transmitidas pelo Serviço de Informação do Gabinete (Sibag), vinculado ao gabinete do ministro da Justiça, mas sem registro no organograma dos órgãos federais – portanto, clandestino. A alternativa era a censura prévia.

Os censores estiveram nas redações para cortar os ?excessos? em poucos periódicos. No ?O Estado de S. Paulo?, do AI-5 a janeiro de 1975, e na ?Tribuna da Imprensa?, em um período não contínuo, de 1968 a 1978. Na imprensa alternativa freqüentaram ?O Pasquim?, de novembro de 1970 a março de 1975, ?O São Paulo?, de junho de 1973 a junho de 1978, ?Opinião?, de janeiro de 1973 a abril de 1977, e ?Movimento?, de abril de 1975 a junho de 1978. Na Veja, de 1974 a junho de 1976. A revista foi censurada ainda no berço, logo no número 5, em 1968. Durante todo o governo do general Emílio Garrastazu Médici seria uma das vítimas favoritas do regime. A edição com a capa ?O presidente não admite torturas? foi proibida de chegar às bancas.

?Oliveiros, hoje nós não vamos aí.?

O governo do general Ernesto Geisel, com a promessa de abertura, ainda que lenta, gradual e segura, não deixou de estabelecer os parâmetros do que considerava permitido – mesmo que nos bastidores os ministros Golbery do Couto e Silva, da Casa Civil, e Armando Falcão, da Justiça, mantivessem diálogos com jornalistas anunciando a retirada da censura das redações. As notas proibitivas continuaram a ser transmitidas até fins de 1975. Nos primeiros dias de abril, o número 300 de ?O Pasquim? trazia o editorial intitulado ?Sem Censura?, escrito por Millôr Fernandes, notificando ao leitor que desde 24 de março o tablóide se encontrava livre da censura prévia. Depois de um telefonema do Dr. Romão, o último dos quase 30 censores que o jornal teve em cinco anos, estava decretado que a responsabilidade passava a ser da redação. Sentença semelhante recebeu o então secretário de redação de ?O Estado de S. Paulo?, Oliveiros S. Ferreira. ?Eles ficaram do AI-5, em 13 de dezembro de 1968, até 3 de janeiro de 1975, um dia antes do centenário do jornal?, relembra Ferreira. Foi quando ele recebeu um telefonema do chefe dos censores:

– Oliveiros, hoje nós não vamos aí.

Oliveiros:

– Mas, então, quem responde pelo jornal?

– Ah, isso é problema seu. Até logo!

Um ano antes, o humorista Ziraldo, do ?Pasquim?, havia escrito uma carta ao ministro da Justiça, Armando Falcão, pedindo a volta da censura do jornal para o Rio, que havia seis meses, em represália, era feita em Brasília para atrasar propositadamente o fechamento das edições. Ao fim da carta, além da assinatura, um desenho: a mão de um homem que se afogava e a palavra ?help?. ?Millôr Fernandes já havia advertido em seu editorial que o rompimento repentino da censura embutia a noção de que deixar de intervir era uma concessão que deveria ser paga com responsabilidade?, lembra Beatriz. ?Sem censura n&aatilde;o quer dizer com liberdade?, terminava o texto de Millôr.

A censura espalhou vítimas para todos os lados. O cineasta francês Jean Luc Godard foi uma delas. No regime militar teve proibido o filme ?A chinesa?. Em 1984, a censura a outro de seus filmes, ?Je vous salue, Marie?, geraria protestos calorosos, a demissão do ministro da Justiça, na época o deputado federal pernambucano Fernando Lyra, e a exposição da permanência de atos censórios em um período de suposta redemocratização. Alguns jornais e jornalistas que não aderiram à resistência se bandearam para o outro lado. ?Cães de guarda? revela o papel duplo de uns e outros. Jornalistas que foram censores federais – e também policiais – e vice-versa dividiam as redações com as chamadas bases esquerdistas que, segundo o regime militar, sempre as dominaram. ?No Brasil da censura existiam também os jornalistas colaboracionistas?, afirma Beatriz. ?Eles foram verdadeiros cães de guarda.?

Um deles, segundo a tese, tomou conta do jornal ?Folha da Tarde?, do Grupo Folha da Manhã, de 1967 a 1984. Todo o quarto capítulo narra a trajetória do jornal nos seus dois períodos: do renascimento, em 1967, até o AI-5. Beatriz Kushnir investigou a redação da ?Folha da Tarde? de 1967, que estava vinculada à cobertura dos movimentos políticos da época e tinha em seus quadros militantes de esquerda, até ser conhecida como ?Diário Oficial da Oban? (Operação Bandeirantes). ?Cheguei à história da ?Folha da Tarde? por acaso?, conta. A historiadora tentava uma entrevista com o senador Romeu Tuma (PFL-SP), diretor do Departamento de Polícia Federal que rompeu com a tradição de militares no cargo desde a sua criação, em 1964. Chegou a entrar em contato com o seu assessor de Imprensa, em São Paulo, mas não conseguiu agendar um encontro. Ao entrevistar o jornalista Boris Casoy, âncora do Jornal da Record, para compreender os reflexos da censura na redação da ?Folha de S. Paulo?, que ele dirigia na época, ficou sabendo quem era o assessor do senador e o significado da frase ?o jornal de maior tiragem?.

Nos dois casos bateu na figura de Antonio Aggio Jr. A queda com o AI-5 do jornalista Jorge Miranda Jordão, hoje em ?O Dia?, da direção de redação da ?Folha da Tarde?, abriu espaço para outro grupo de profissionais. Antonio Pimenta Neves, que mais de 30 anos depois responde a processo pelo assassinato da namorada, era um deles. Aggio, ex-editor do jornal ?Cidade de Santos?, viria depois. ?Sob o comando dele o jornal deu uma guinada à direita?, diz Beatriz. ?O clima de delegacia policial resistiu 15 anos e o jornal ganhou o apelido de ser o de ?maior tiragem? em São Paulo, não por causa da circulação, mas pelo número de tiras (policiais) que empregava.?

Acusado de colaborar, Aggio diz que também foi parar na Oban

Aggio rebate. ?Essa tese é um negócio tortuoso para garantir o título de doutora à historiadora.? Segundo o assessor do senador Tuma, a reformulação da ?Folha da Tarde? e o Projeto Folha, de 1984, quando o jornal passaria por nova mudança, nada teve a ver com ideologia, mas com mercado. ?Nunca houve uma redação mais democrática que a da Folha da Tarde. Nunca se perguntou a coloração ideológica de ninguém por lá. Muitos esquerdistas trabalham no jornal até hoje?, afirma o jornalista. Aggio diz que todo o noticiário policial e militar tinha como fonte a Agência Folha e era publicado por todos os jornais do grupo. ?Uma vez houve um incidente com o pessoal da luta armada em Osasco e como a ?Folha da Tarde? deu a notícia fui parar na Oban e no II Exército. Se fosse ligado à repressão não teriam me chamado para prestar esclarecimentos.?

?Havia pressão psicológica e armada, além de econômica, mas nunca a família Frias me pediu para mudar a linha do jornal para aderir ao regime. Obedecíamos ao que a censura impunha porque não havia saída. Depois que deixei a direção do jornal, ele mudou de linha editorial?, diz Jorge Miranda Jordão, antecessor de Antonio Aggio na ?Folha da Tarde?. ?A imprensa nunca foi quixote, mas também não chegou a ser um Exército de Brancaleone. Talvez uns dez por cento das redações apoiassem o regime até por convicção política.?

?Cães de guarda? remexe em histórias nada edificantes. É o caso de uma manchete estampada pela ?Folha da Tarde? em abril de 1971 anunciando a morte do guerrilheiro Roque em confronto com a polícia paulistana. Roque era o codinome do metalúrgico Joaquim Seixas, preso com o filho Ivan, então com 16 anos. Militantes do Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT), os dois tinham sido presos acusados pelo assassinato do industrial Enning Boilesen, um dos financiadores da Operação Bandeirantes, apenas um dia depois do crime, e foram torturados na Oban. Ivan leu a manchete sobre a morte do pai em uma banca de jornal ao ser levado pelos policiais para um ?passeio?. Na volta ainda encontrou Joaquim vivo. Ele seria morto, de fato, horas depois. Os jornais do dia seguinte se limitariam a reproduzir a nota oficial dos órgãos de repressão com a notícia que a ?Folha da Tarde? havia estampado na véspera com detalhes, segundo a tese, como se tivesse repórter no local.

?Toda a caçada ao capitão Carlos Lamarca, que havia desertado do Exército levando armas e munições do quartel de Quintaúna, em São Paulo, comandado pelo coronel Antônio Lapiane, tio de Ággio, que até hoje é vinculado à Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, vinha carregada de tintas fortes e se referia ao guerrilheiro como ?louco?, afirma Beatriz. ?A esquerda atribui à ?Folha da Tarde? a legalização de muitas mortes em tortura e `assassinatos acidentais? de militantes em confronto com a polícia. Se sumissem todos os jornais que circularam um dia depois da missa ecumênica pela morte do jornalista Wladimir Herzog e só restasse a ?Folha da Tarde?, não se saberia de nada. A cerimônia parou São Paulo, mas a FT não deu uma linha.?

A relação entre jornalistas e policiais já tinha sido exposta por Percival de Souza, repórter setorista de Polícia de ?O Estado de S. Paulo? e do ?Jornal da Tarde? e autor de biografias de figuras sombrias da ditadura, como o delegado Sérgio Paranhos Fleury, o temido e sanguinário torturador do Deops do Largo General Osório, em São Paulo, desenhado por ele como um amante adolescente. ?Cães de guarda? vai além. Esmiúça até à sarjeta o papel da imprensa na ditadura. Para se adaptar à autocensura não faltaram estratégias peculiares. A editora de uma revista de circulação nacional preparou um funcionário para dar curso aos censores de como realizar a tarefa. Uma rede de televisão contratou ex-censores para delimitar o permitido. Por abrigar jornalistas colaboracionistas algumas redações ficaram conhecidas como ?ninho de gansos?. Era assim que eles eram tratados nos órgãos de repressão. Os jornalistas da ?casa? que cobriam o Deops não passavam pela revista a que eram submetidos os colegas com menos intimidade com os porões da ditadura – seguiam direto por uma entrada lateral, reservada aos policiais, apelidada de ?passagem dos gansos?.

?Muitos jornalistas trocaram a narrativa de um acontecimento pela publicação de versões que corroborassem o ideário repressivo?, diz Beatriz. ?Fiéis aos seus donos, os cães de guarda farejaram uma brecha e, ao defender o castelo, nos venderam uma imagem errada. Quando o tabuleiro do poder mudou, muitos desses servidores foram aposentados, outros construíram para si uma imagem positiva e até mesmo heróica, distanciando-se do que haviam feito. Outros tantos se readaptaram e estão na mídia como sempre.? Talvez alguns jornais brasileiros nunca tenham se aproximado tanto da imagem de papel de embrulhar peixe."

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem