Domingo, 22 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

PRIMEIRAS EDIçõES > PAUTA IMINENTE

Por que a imprensa quer a guerra

Por lgarcia em 30/12/2003 na edição 257

PAUTA IMINENTE

Dioclécio Luz (*)

Meus sonhos já não servem mais para este mundo. Mais parece que chegamos ontem à Idade Média. Por isso, quando o mundo se resolve em guerras, repetindo o passado mais feio da humanidade, em cruzadas santas que ocultam a pretensão nazista de dominar o mundo, não há sonho que consiga brotar. A semente resvala nessa terra seca e cai sobre o lombo da tartaruga que sustenta o mundo.

A guerra iminente haverá. É o que diz a imprensa. São éditos, anúncios do império, que cabe a nós, jornalistas de pouco cérebro e nenhum coração, repetir nas ondas modernas do rádio, TV, jornais e pontocom. O rei mandou, a gente faz. Já disse o louco Nietzsche há muito tempo: "quem não pode mandar em si deve obedecer". Então calem-se os que não tem voz (o povo, por exemplo, que sonha com rádio e TV comunitária); e que o jornalista reproduza, numa voz grave, bíblica e melosa, os anúncios do dono (digamos, no sotaque Cid Moreira).

Eles, os donos da comunicação, querem a guerra. Porque não podem querer outra coisa que o sistema não queira. No Brasil, nos Estados Unidos, na Venezuela e por onde passou o neoliberalismo, cinco ou seis latifúndios midiáticos dominam rádio, TV, jornal, televisão, pontocom, revistas e até os carros de som que circulam nas ruas. Nos EUA, Time Warner, Disney, Viacom, Seagram, NewsCorporation e Sony dividem entre si o grande bolo da comunicação e da cultura.

Aqui e lá: tudo que é notícia ou cultura tem que passar por eles. Para chegar a esse poder divino (o dom da ubiqüidade, que Jesus tentou e não conseguiu) contaram com a ajuda do poder instalado por eles. Daí, é lógico: sempre carne e osso com o governo ? seja lá qual for. Carrapatos do glamour, do dinheiro e das benesses públicas. Não sobrevivem sem a grana oficial, sem a profana propaganda oficial. Mas tudo é feito de forma tão técnica, tão falsamente imparcial, que todo em mundo em casa pensa que é imparcial. Pensa até que se trata de uma imprensa livre…

Pretensões estúpidas

A nossa imprensa, como a dos americanos, cria e recria essa embalagem: o mito: "Nós somos livres, defendemos o povo, somos corajosos e independentes, temos opinião". E não é nada disso. Se olhar por baixo do papel de embrulho o que se vê é somente o número da conta no banco e a agenda com os figurões do governo. Aí se explica porque depois de oito anos destruindo o Brasil, ao deixar o governo FHC ainda é exibido como democrata e estadista.

Por isso, quando chega um dia como esse, com a guerra anunciada, não tenha dúvida: aqui ou lá eles vão ficar com o poder. Mesmo que seja uma coisa insana, como as pretensões de George Bush filho. Mesmo com todo mundo sabendo que ele vai invadir outro país para roubar seu petróleo. É anunciado um roubo, um massacre, o genocídio de um povo, e eles, os jornalistas, ficam calados. Ou repetem-se nesse falsa imparcialidade técnica.

Esse é um Big Brother ao contrário: todo mundo vê, todo mundo sabe que o sujeito é da pior espécie, que sua fantasia de Capitão América não oculta suas intenções de ladrão vulgar, mas ainda assim é tratando como uma pessoa decente.

A imprensa norte-americana tem dado largas demonstrações de que é uma imprensa furreca (esta não é uma expressão técnica, mas é a menos pejorativa para este espaço). Uma imprensa que omite os fatos, distorce outros e censura quando lhe convém. Essa imprensa é tão única quanto pode existir uma no governo mais totalitário. O importante é defender os interesses as pretensões do governo, mesmo que sejam estúpidas como as de um Bush Jr., porque o Estado se resume a eles.

Noam Chomsky, que a imprensa brasileira não sabe quem é, por ignorância ou burrice, já disse que num sistema neoliberal a população não deve brigar com o governo, mas com as empresas, porque são elas que mandam no governo. Então, se o Estado sempre as defendeu, é hora de elas retribuírem o Estado. É o que a imprensa está fazendo.

Latifúndio da comunicação

O Estado neoliberal é uma versão do totalitarismo. A diferença é que ele é substituído pelo setor privado. Mas a forma de mando e desmando é a mesma. Hoje, as vendas das 500 maiores transnacionais equivalem a 47% do produto bruto do planeta. Se Mussolini fosse vivo estaria dirigindo o FMI, ou seria dono de uma empresa como a de George Soros, que ficou multimilionário sem produzir um pé de alface. Do mesmo modo, se Hitler fosse vivo, tendo sido eleito democraticamente na Alemanha (sim, pelo voto), receberia um tratamento respeitoso como chefe de Estado. Agora, convenhamos, as pretensões de Hitler são fichinha diante das pretensões de George Walker Bush. Hitler só queria dominar o mundo e impor um projeto estético, de eugenia. Bush, além disso, é um terrorista de carteirinha com lei autorizando-o à prática. O perigo não é só bin Laden, é Bush. Hoje é o Iraque, amanhã pode ser a Coréia do Norte. Ou Cuba. Ou a Venezuela.

Em fevereiro foi produzida uma enquete nos Estados Unidos para saber quem teria sido o culpado pelo ataque de 11 de setembro. Metade dos entrevistados disseram que havia sido Saddam Hussein. Ou seja, com o apoio da imprensa, Bush transferiu sua guerra de Osama bin Laden para Saddam Hussein ? engabelou o povo.

Ele sabe que manda. E sempre haverá jornalistas dispostos a repercutir seus interesses bélicos e hegemônicos num tom de imparcialidade suficiente para enganar o povo.

Com um jornalismo assim ninguém precisa de jornalismo.

A esperança é que as escolas de comunicação repensem o jornalismo. E que o governo Lula comece a reforma agrária do ar. Esse latifúndio da comunicação está diariamente destruindo os sonhos e a imaginação da sociedade. E sem sonhos não dá para imaginar um povo, uma nação, um destino.

Um outro mundo é possível, mas sem esse jornalismo.

(*) Jornalista, escritor, estudioso de comunicação comunitária e membro da Comissão de Acompanhamento da Mídia da Câmara dos Deputados

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem