Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES >

Publicidade do Globo, pura apelação

Por lgarcia em 20/06/1998 na edição 47

M.M.

 

É pena ver um dos raros casos de jornalismo lutando para caminhar ladeira acima, O Globo, ser puxado para baixo por sua prima Publicidade Apedeuta.

O caso de omissão do Conar anotado por Alberto Dines no Circo da Notícia (ver remissão abaixo) é gravíssimo, porque tudo que diz respeito ao nazifascismo o é, mas aqui o problema adquire especificidade: trata-se de publicidade do próprio jornal.

Na Veja, data de 17/6, página dupla de estética horrenda:

“Disneylândia do sexo. Agora você sabe como foi.”

“Quem poderia imaginar que, no coração da selva amazônica [sic; pelo amor de Deus! Manaus é o “coração da selva amazônica”?], homens sem escrúpulos, inclusive empresários e autoridades [é pra rir?], pudessem se dedicar a algo tão selvagem quanto a prostituição infantil?” Etc.

Loas à reportagem do Globo que flagrou exploração sexual de meninas num bar de Manaus, escrita, por sinal, em tom indignado mas objetivo. E o detalhe ampliado da foto publicada na época, em que uma menina é lambida por um freqüentador de meia idade. Completo desrespeito. Pura apelação.

Na IstoÉ, mesma data, a situação não melhora. São quatro horrendas, repita-se, horrendas páginas. “Clínica dos horrores. Agora você sabe como foi”. E a foto ampliada, imensa, de um homem entrevado, boca aberta, olhos esbugalhados. Completo desrespeito. Pura apelação.

Propaganda de O Globo. Feita por gente de verdade?

 

LEIA TAMBEM

O Conar, onde fica o Conar?, O Circo da Notícia

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem