Domingo, 19 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > despencou a credibilidade da grande imprensa

Quando a mídia cala, vestais pintam e bordam

Por lgarcia em 21/02/2001 na edição 109

Imprima esta página

DOSSIÊ PERFÍDIA

Alberto Dines

Comprovado: os jornalistas brasileiros não lêem os livros que precisam ler. Ou, numa hipótese mais grave: só escrevem aquilo que os esquemas patronais ou mafiosos aprovam.

Memórias das Trevas – uma devassa na vida de Antonio Carlos Magalhães, de João Carlos Teixeira Gomes, está em primeiro lugar na lista dos best sellers de Veja, gênero não-ficção. Vendeu mais do que a biografia oficial de Sílvio Santos e Estação Carandiru, de Drauzio Varella. Ambos badaladíssimos pela mídia.

E apesar disso o livro não mereceu matéria alguma sobre o seu teor, seja nos cadernos ou rubricas ditas "culturais", seja nas páginas de política onde uma investigação deste porte a respeito de tão importante personagem não poderia passar em brancas nuvens (a exceção agora, além da IstoÉ, inclui Valor).

As matérias que apareceram no Grupo Bolha (Globo e Folha) não discutiam o seu teor, montadas para desqualificar o livro colocando-o liminarmente como obra suspeita ou, na melhor das hipóteses, como parte da "guerra dos livros" (engendrada habilmente por ACM & Cia. para neutralizar seus efeitos).

Se o espaço ocupado pela perversa pseudo-celeuma armada para colocar este Observador com censor do autor na TVE fosse dedicado a examinar o conteúdo do livro, ACM não estaria posando impunemente como vestal da moralidade.

Este é o cerne da questão: o jornalismo político brasileiro, incluídos os principais opinionistas (e aqui não há exceções) está apenas reproduzindo as declarações de ACM, despreocupado com as evidências que o colocam como suspeito de tráfico de influências, enriquecimento ilícito e formação de quadrilha.

E como a mídia não se move, o Ministério Público não se comove.

Mas o público continua comprando o livro desde que apareceu nas livrarias. Há uma mensagem muito clara embutida nesta lista de best sellers: despencou a credibilidade da grande imprensa. Ela já não comanda a sociedade. O leitor qualificado já não se deixa levar pelas maquinações, prevaricações e cortinas de silêncio impostas por um grupo de jornais e jornalistas. O resultado de nossa urn@ eletrônic@ aponta na mesma direção.

Memórias das Trevas não é barato (40 reais), custa pouco mais do que dois meses de assinatura de um semanário e pouco menos do que 30 edições de um dos nossos jornalões. E, mesmo assim, está fazendo bela carreira. Com 0,1% do espaço que foi oferecido a Notícias do Planalto, em cinco semanas deve ter vendido 30% do que vendeu o outro ao longo de um ano.

Algo se mexe no panorama brasileiro. Para melhor. E a grande imprensa nada tem a ver com isso.

Leia também

Dossiê Perfídia

Mídia acuada inventou bode expiatório – Alberto Dines

Como forjar uma manchete – A.D.

A intriga e o efeito-dominó – João Carlos Teixeira Gomes

Premeditação é agravante – A.D.

Grupo Bolha, cinismo a duas vozes – A.D. (rolar a página)

Teoria da suíte: reiteração da mentira não a converte em verdade – A.D.

Como fazer uma reparação fingindo que não é – A.D.

Suspender ou adiar é o mesmo que censurar? – A.D.

Fui manchete do Globo! – A.D.

Observatório censurado na TVE gaúcha – A.D.

Não pirou! Ah, bom! – Deonísio da Silva

Manipulação e vingança – Luiz Antonio Magalhães

Volta ao índice

Imprensa em Questão – próximo texto

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem