Rede ganha fãs americanos | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES > BBC

Rede ganha fãs americanos

Por lgarcia em 16/10/2002 na edição 194

BBC

Discretamente, a rede de TV inglesa BBC expandiu a distribuição de seus telejornais nos Estados Unidos. No começo, em novembro de 1998, os noticiários podiam ser vistos em apenas 14 estações públicas. Hoje, eles são exibidos em 212 emissoras, atingindo 85% dos telespectadores americanos, e na BBC America, disponível em 30 milhões de casas.

Apresentados por Mishal Husain, os programas ? transmitidos ao vivo de um estúdio de Washington desde os atentados terroristas ? passaram a ser planejados para atrair a audiência local. O estilo sóbrio do telejornal e da âncora contrasta com o das emissoras americanas, mas é o conteúdo que realmente marca a diferença, nota Elizabeth Jensen [Los Angeles Times, 2/10/02]: uma edição recente, embora centrada nas negociações internacionais sobre o Iraque, tratou do assassinato de meninos de rua em Honduras e do processo de paz no Sri Lanka.

Para Terrel Cass, presidente e diretor da estação WLIW em Nova York, que distribui os noticiários da BBC, o sucesso está na perspectiva diferente oferecida pelos programas, além de uma visão do que o resto do mundo pensa dos EUA. Os índices de audiência não são precisos, mas a WLIW calcula que 800 mil pessoas assistam aos telejornais a cada noite ? o que não é muito, mas ajuda a derrubar o mito de que os americanos não se interessam pelo noticiário internacional.

Em Washington, os telejornais da BBC se mostraram tão populares que a Howard University Television passou a exibir diariamente três programas, um às 7 horas, um às 19 e outro às 22 horas. Um telespectador agradecido chegou a enviar US$ 200 à estação, embora ela não estivesse pedindo doações. Para o diretor da emissora, Adam Clayton Powell III, a BBC não deveria “americanizar” a programação, “pois isso diluiria seu valor”. A âncora Mishal afirma que o foco sobre notícias internacionais permanecerá, mas um toque local pode ajudar a perceber o que interessa mais ao público.

Na onda dos reality shows

A tradicional emissora inglesa acabou aderindo à moda de reality shows que varreu as TVs de todo o mundo. Em co-produção com a holandesa Endemol, a BBC lançou o Fame Academy, programa parecido com o exibido pela Rede Globo, que reúne jovens artistas desconhecidos numa casa para ter aulas de canto e dança. Conta Heidi Dawley [Media Life, 1/10] que a rede espera atrair um público mais jovem com o programa de US$ 7 milhões.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem